Aliencake

Foi numa tarde de sábado, de encontros, reencontros e desencontros, de estreia literária e café, tudo prolongado em noite, jantar e mais café, ficando no entanto curto o tempo. De súbito, aparece-me pela frente um bolo com a minha cara. Um bolo com rosto de Alien. Olhei-o uma e outra vez, e só não me belisquei porque dói um bocado, convenhamos. Mesmo a aliens. As pessoas cantavam os parabéns e batiam palmas, eu ouvia e agradecia, mas mal tirava os olhos do bolo. Fizeram-me pegar nele com uma mão, perante a apreensão de alguns circunstantes, e conduzi-lo, ou deixar que me conduzisse, à mesa improvisada. Vivendo desde sempre em terrível dúvida sobre a minha origem e condição, houve um instante luminoso em que tudo se revelou. "Sou um bolo, afinal sou um bolo!" - exclamei para mim mesmo, entre alguma perplexidade e o alívio de uma certeza há muito tempo aguardada. Foi sol de pouca dura. Lá tive que partir o bolo. Lá tive que me cortar à faca em fatias que rapidamente desapareceram. Ao que parece, estava bom, eu. O facto é que, apesar disso, ainda estou vivo. Não serei, então, um bolo? Serei apenas a recordação dele? Felizmente, a fotógrafa estava lá. Serei assim talvez a fotografia de um bolo. Há piores destinos. Há piores fins de tarde-noite de sábados de lançamentos de livros, encontros, reencontros, desencontros, jantares, cafés, aniversários e ainda mais. Muito, muito piores, garanto-vos.

17 de mai de 2007

A sobremesa sugerida e fabricada pela Tuche!

Tarde de Frutos silvestres.

1 pacote de bolacha Maria
100 gramas de manteiga
1 pacote de natas frescas para bater
100 grs de frutos silvestres congelados (vendem-se em pacotes)

Picar a bolacha maria na 123, depois de picada juntar 100 gramas de manteiga ou margarina derretida( fica melhor com manteiga) misturar a manteiga com a bolacha e espalhar num prato a formar um monte mas alisar com as mãos.
Bater as natas até ficarem grossas e espalhar por cima da bolacha, levar ao frigorifico durantes 3 horas, depois desse tempo deitar por cima das natas os frutos silvestres previamente descongelados e voltar ao frigorifico mais 1 hora.




Limitei-me a transcrever para aqui o comentário da Tuche, a quem agradeço a receita, e a colocar uma foto. O mérito é todo dela. Tal como a Tuche, desejo-vos bom apetite, já que a tarte parece ser deliciosa.