Aliencake

Foi numa tarde de sábado, de encontros, reencontros e desencontros, de estreia literária e café, tudo prolongado em noite, jantar e mais café, ficando no entanto curto o tempo. De súbito, aparece-me pela frente um bolo com a minha cara. Um bolo com rosto de Alien. Olhei-o uma e outra vez, e só não me belisquei porque dói um bocado, convenhamos. Mesmo a aliens. As pessoas cantavam os parabéns e batiam palmas, eu ouvia e agradecia, mas mal tirava os olhos do bolo. Fizeram-me pegar nele com uma mão, perante a apreensão de alguns circunstantes, e conduzi-lo, ou deixar que me conduzisse, à mesa improvisada. Vivendo desde sempre em terrível dúvida sobre a minha origem e condição, houve um instante luminoso em que tudo se revelou. "Sou um bolo, afinal sou um bolo!" - exclamei para mim mesmo, entre alguma perplexidade e o alívio de uma certeza há muito tempo aguardada. Foi sol de pouca dura. Lá tive que partir o bolo. Lá tive que me cortar à faca em fatias que rapidamente desapareceram. Ao que parece, estava bom, eu. O facto é que, apesar disso, ainda estou vivo. Não serei, então, um bolo? Serei apenas a recordação dele? Felizmente, a fotógrafa estava lá. Serei assim talvez a fotografia de um bolo. Há piores destinos. Há piores fins de tarde-noite de sábados de lançamentos de livros, encontros, reencontros, desencontros, jantares, cafés, aniversários e ainda mais. Muito, muito piores, garanto-vos.

30 de set de 2006

A receita da semana

A receita desta semana foi-me enviada pela Maloud, a quem agradeço a amabilidade.

É uma criação do Dr. Fouad Felfeli, médico libanês.


POULET AU CITRON ET L’AIL LIBANAIS


(Os tempos referem-se a um frango-galinha.)

Ligar o forno a 200º.

Partir um frango do campo aos bocados e retirar-lhe a pele.

Retirar do frasco 5 rodelas de "citron confit" (1) e parti-las em cubinhos.

Pôr num pyrex o frango temperado com pimenta moída na altura e regá-lo com o azeite que excede o limão, que restou no frasco. Meter no forno durante meia hora.

A seguir colocar por cima do frango os cubinhos de limão e 3 dentes de alho picados.

Deixar no forno mais 10 minutos. Regá-lo com o molho e rectificar de sal.

Ao fim de mais 20 minutos, deverá estar pronto.

Servir com um arroz branco feito não com manteiga, mas com azeite.

À parte, uma salada de pepino, tomate e cubos de queijo de cabra marinados em azeite, orégãos e tomilho-limão.


(1) CITRON CONFIT: (receita daqui: http://mercotte.canalblog.com/archives/2006/04/09/1630917.html)

Pelo menos dois dias antes da utilização, cortar alguns limões não tratados, bem lavados e limpos, às rodelas de 1 cm de espessura. Salgá-los em sal grosso durante 24 horas.

carrot_cake___citrons___l_huile_003

No dia seguinte, lavar e secar as rodelas, guardá-las num frasco e cobri-las simplesmente de azeite. Este preparado conserva-se à temperatura ambiente durante vários meses.


Bom apetite!

Aguardo, como sempre, as vossas considerações sobre a receita, vinhos e sobremesas.
A minha sugestão para os vegetarianos: Legumes ao vapor :)


E aqui estão elas, as vossas SUGESTÕES, que muito agradeço! E algo mais :)

Teresa Durães:
ai... adoro vinho tinto!!!! Esporão? hum!!!! ahhhhhhhhh
Monte Velho?
pois, legumes ao vapor , já agora acompanhado de um arroz no forno, s.f.f
não estou para passar fome. E que tal uma sopinha de agrião?
e para finalizar, dado a escassez de fruta de época... não sei...
uma tarte de amêndoa?
......................................................
Ah! E ao lado.... o vegetariano ou faço birra :P

Mercotte:
Tiens tiens , ne serais ce pas ma recette et la photo de mes citrons confits !!

Cila:
Quanto as sobremesas recomendava algo tipo peras bebadas temperadas com licor de poejos.... acompanhada com uma bola de gelado e decorado com pauzinhos de canela ;):).

Isabel:
A...não terás tu uma receita para respirar melhor???? mas com limão???

Touché:
A minha sugestão de vinho vai para um tinto da casa Santar, sei que não são vinhos baratos mas a minha sugestão é o Casa de Santar Reserva.
Já agora a pimenta moída que seja da preta que é mais saudável :)

Maloud: (a grande responsável desta receita, incluindo o famoso citron confit :) . Obrigado, Maloud!
Eu aceito e aconselho a sugestão do escanção Touché. Não esqueçam que decorrem as feiras dos vinhos em tudo quanto é sítio, portanto é aproveitar.

27 de set de 2006

Caldeiradas de não saber

Com
esta
toalha
se
pode
ornamentar
a
mesa
com

na
marinhagem.


Depois, escolhe-se o barco
de papel,
que em breve será certo
e rumará
connosco onde quisermos.


Na
banheira
teríamos
o
clássico.
Procuremos,
porém,
outros
horizontes,
mais
propícios
às
propostas


tentadoras
que
em
alto
mar
se
consumam,
se
consomem,
sob o
olhar
agudo
da ave
a quem
a Vanda
prometeu
legumes
ao vapor e veio.





"_______________continuando a não saber sei que todo o entretanto já valeu a pena.
como se a viagem nunca iniciada fosse o prenome que afixo no vento." - escreveu A rasar o céu.

E eu, pedindo licença, subscrevo.


Se sabemos que não sabemos, que deixámos de saber, sabemos talvez que nunca mais saberemos.

Em todo o caso, algo sabemos. E o que não sabemos faz parte da viagem; não o sabemos precisamente porque algo já soubemos.

O que era nunca pode passar a talvez. Poderá o
que era talvez passar a nunca?

Como saber? Como deixar de saber?



Pode bem acontecer que, como li algures, tenhamos saído num qualquer apeadeiro.

Mas o comboio continua em viagem. Importará muito sabermos para onde?

Não, enquanto soubermos ________________________ afixar prenomes no vento.