Aliencake

Foi numa tarde de sábado, de encontros, reencontros e desencontros, de estreia literária e café, tudo prolongado em noite, jantar e mais café, ficando no entanto curto o tempo. De súbito, aparece-me pela frente um bolo com a minha cara. Um bolo com rosto de Alien. Olhei-o uma e outra vez, e só não me belisquei porque dói um bocado, convenhamos. Mesmo a aliens. As pessoas cantavam os parabéns e batiam palmas, eu ouvia e agradecia, mas mal tirava os olhos do bolo. Fizeram-me pegar nele com uma mão, perante a apreensão de alguns circunstantes, e conduzi-lo, ou deixar que me conduzisse, à mesa improvisada. Vivendo desde sempre em terrível dúvida sobre a minha origem e condição, houve um instante luminoso em que tudo se revelou. "Sou um bolo, afinal sou um bolo!" - exclamei para mim mesmo, entre alguma perplexidade e o alívio de uma certeza há muito tempo aguardada. Foi sol de pouca dura. Lá tive que partir o bolo. Lá tive que me cortar à faca em fatias que rapidamente desapareceram. Ao que parece, estava bom, eu. O facto é que, apesar disso, ainda estou vivo. Não serei, então, um bolo? Serei apenas a recordação dele? Felizmente, a fotógrafa estava lá. Serei assim talvez a fotografia de um bolo. Há piores destinos. Há piores fins de tarde-noite de sábados de lançamentos de livros, encontros, reencontros, desencontros, jantares, cafés, aniversários e ainda mais. Muito, muito piores, garanto-vos.

1 de mar de 2007

Jeff Buckley

Já em tempos falei de Tim Buckley. Hoje é a vez do filho, Jeff Buckley, excelente guitarrista, cantor e compositor, falecido em 1997, aos 31 anos. Sobre a sua vida e obra pode ler-se aqui.




Como exemplo, embora um tanto diferente da sua linha habitual de composição, mas por isso mesmo, fica a canção Corpus Christi Carol, do álbum Grace.


He bear her off, he bear her down
He bear her into an orchard ground

Lu li lu lay lu li lu lay
The falcon hath bourne my mate away

And in this orchard there was a hold

That was hanged with purple and gold
And in that hold there was a bed

And it was hanged with gold so red

Lu li lu lay lu li lu lay

The falcon hath bourne my mate away

And on this bed there lyeth a knight

His wound is bleeding day and night

By his bedside kneeleth a maid

And she weepeth both night and day

Lu li lu lay lu li lu lay

The falcon hath bourne my mate away


By his bedside standeth a stone

Corpus christi written thereon