Aliencake

Foi numa tarde de sábado, de encontros, reencontros e desencontros, de estreia literária e café, tudo prolongado em noite, jantar e mais café, ficando no entanto curto o tempo. De súbito, aparece-me pela frente um bolo com a minha cara. Um bolo com rosto de Alien. Olhei-o uma e outra vez, e só não me belisquei porque dói um bocado, convenhamos. Mesmo a aliens. As pessoas cantavam os parabéns e batiam palmas, eu ouvia e agradecia, mas mal tirava os olhos do bolo. Fizeram-me pegar nele com uma mão, perante a apreensão de alguns circunstantes, e conduzi-lo, ou deixar que me conduzisse, à mesa improvisada. Vivendo desde sempre em terrível dúvida sobre a minha origem e condição, houve um instante luminoso em que tudo se revelou. "Sou um bolo, afinal sou um bolo!" - exclamei para mim mesmo, entre alguma perplexidade e o alívio de uma certeza há muito tempo aguardada. Foi sol de pouca dura. Lá tive que partir o bolo. Lá tive que me cortar à faca em fatias que rapidamente desapareceram. Ao que parece, estava bom, eu. O facto é que, apesar disso, ainda estou vivo. Não serei, então, um bolo? Serei apenas a recordação dele? Felizmente, a fotógrafa estava lá. Serei assim talvez a fotografia de um bolo. Há piores destinos. Há piores fins de tarde-noite de sábados de lançamentos de livros, encontros, reencontros, desencontros, jantares, cafés, aniversários e ainda mais. Muito, muito piores, garanto-vos.

14 de set de 2007

All about nothing

Sim, já vai sendo tempo de fazer um novo post. Já era tempo há vários dias, eu sei. Nem é bem uma questão de tempo... é mais a disposição que não ajuda. A falta de vontade, pois. Nem sempre apetece.

Claro que posso recorrer às maravilhas do You Tube, para que quem me visite não encontre invariavelmente a mesma treta, a prefigurar um blog meio morto. Posso, mas não quero abusar dessa espécie de solução demasiado fácil. E, no entanto, talvez devesse utilizá-la mais: afinal sempre muda a cara do blog, e pode dar a conhecer coisas interessantes a quem porventura ainda as não tenha visto.

Falar do Scolari? Não, decididamente não. Este blog há muito que se afastou da discussão dos temas do nosso portuguesíssimo quotidiano, político ou não. Já há por aí muita gente a opinar, uns bem, outros menos bem. Não é esse o meu caminho, embora possa sempre haver uma ou outra excepção. Qual é então o meu caminho, perguntará quem ler. Espero encontrar uma resposta...

Podia ir buscar umas imagens bonitas e refrescar a vista de quem por aqui passa. Demasiado fácil? Bom, mais fácil, reconheço, é não fazer nada.

À medida que escrevo, tento decidir se espeto aqui uma imagem a acompanhar o arrazoado, ou mesmo um vídeo sacado do You Tube. Anda não me decidi. Caramba, isto é uma espécie de "blog em movimento", com o hipotético leitor a acompanhar em directo e quase ao vivo as também hipotéticas intenções de quem publica! E esta, hein?



Lá está a tal foto. Por acaso não caíu do nada: tratando-se de uma rua no centro de Cascais, vai acompanhar um texto que escrevi há uns anos:


Avenida de Sintra

Em direcção ao centro de Cascais,
Pura abstracção em cada movimento,
Só a guitarra diz aonde vais,
Só o baixo te guia o pensamento.

Passa o jipinho preto de uma tia,
Mais o BM novo em cinza prata,
Mas tu só vês o som da bateria
Marcando a tarde na medida exacta.

Mesmo ao teu lado arranca a carripana
Recheada de corpos sem contrato,
Teclado obreiro sem fins-de-semana
Entre o dó sustenido e o sol barato.

A voz é de um cristal já meio rouco,
Quase a partir ou, quem sabe, a chegar,
E em qualquer árvore há sempre um ramo louco
Que te apetece ser, mais que alcançar.

Ainda é cedo p’rá hora de ponta,
Quando o trânsito dói e desatina.
No teu andar a música desponta
Como uma brisa azul, quase divina.

Na Avenida de Sintra a tarde avança
Vestida de silêncio, e tu lá vais
A conduzir o discman da esperança
Em direcção ao centro de Cascais.


Bom fim de semana!
Discman? Hmmm... isto tem mesmo uns anitos...