Aliencake

Foi numa tarde de sábado, de encontros, reencontros e desencontros, de estreia literária e café, tudo prolongado em noite, jantar e mais café, ficando no entanto curto o tempo. De súbito, aparece-me pela frente um bolo com a minha cara. Um bolo com rosto de Alien. Olhei-o uma e outra vez, e só não me belisquei porque dói um bocado, convenhamos. Mesmo a aliens. As pessoas cantavam os parabéns e batiam palmas, eu ouvia e agradecia, mas mal tirava os olhos do bolo. Fizeram-me pegar nele com uma mão, perante a apreensão de alguns circunstantes, e conduzi-lo, ou deixar que me conduzisse, à mesa improvisada. Vivendo desde sempre em terrível dúvida sobre a minha origem e condição, houve um instante luminoso em que tudo se revelou. "Sou um bolo, afinal sou um bolo!" - exclamei para mim mesmo, entre alguma perplexidade e o alívio de uma certeza há muito tempo aguardada. Foi sol de pouca dura. Lá tive que partir o bolo. Lá tive que me cortar à faca em fatias que rapidamente desapareceram. Ao que parece, estava bom, eu. O facto é que, apesar disso, ainda estou vivo. Não serei, então, um bolo? Serei apenas a recordação dele? Felizmente, a fotógrafa estava lá. Serei assim talvez a fotografia de um bolo. Há piores destinos. Há piores fins de tarde-noite de sábados de lançamentos de livros, encontros, reencontros, desencontros, jantares, cafés, aniversários e ainda mais. Muito, muito piores, garanto-vos.

14 de jul de 2006

A receita da semana

Já que a Itália ganhou o Mundial, vou sugerir uma refeição italiana mais ou menos completa.

ANTIPASTO (veneziano)
Carpaccio


Pode comprar-se no supermercado do Corte Inglês (4,88€/Kg, mas um Kg dá para muitas pessoas).
Tempera-se com um azeite suave (de Trás-os-Montes, por exemplo) e umas gotas de sumo de limão, acrescentam-se umas alcaparras e parmesão lascado, e está feito.
Sugestão da Cila: acrescentar rucola, vinagre de vinho e um pouco de pimenta preta.

Sugestão do Zeca, noutra onda, e fora da cozinha italiana: um gaspacho, por causa do calor.

PRIMO
"Penne" com noz e alho.

Para 4 pessoas:
400 g de macarrão "penne"
60g de parmesão lascado ou ralado
60 g de miolo de noz
25 cl de nata espessa
3 dentes de alho
sal, pimenta moída na hora


Misturar os dentes de alho e o miolo de noz rapidamente, e em seguida acrescentar a nata e misturar de novo para obter um molho homogéneo.Deitar o molho numa saladeira grande e juntar o parmesão, sal, pimenta e misturar bem.Cozer a massa numa boa quantidade de água a ferver, mexendo de vez em quando para que não pegue. Escorrê-la. Misturar bem o penne com o molho e servir imediatamente.

SECONDO
Espetada
de lulas recheadas com camarão


Para 4 pessoas:
24 lulas pequenas
24 camarões grandes
sumo de 1 limão

20 cl de azeite
1,5 colher de sopa de salsa picada

Misturar numa tigela o azeite e o sumo de limão e pôr os camarões descascados a marinar nessa mistura durante 10 minutos. Rechear cada lula com um camarão e colocá-las em espetos. Contar seis lulas por pessoa.
Grelhar as espetadas durante 7 minutos de cada lado.

Servi-las enfeitadas com salsa picada, acompanhadas de azeitonas pretas e cobertas com o resto da marinada.

DOLCE
Pannacota


Para 6 pannacota
50 cl de nata
20 cl de leite
2 colheres de café de açúcar
1 vagem de baunilha
3 folhas de gelatina

Mergulhar as folhas de gelatina numa tigela de água fria durante dez minutos. Abrir a vagem de baunilha no sentido do comprimento. Aquecer numa caçarola a nata, o leite, o açúcar e a vagem de baunilha. (Recuperar os grãos raspando). Não deixar ferver: apagar o lume à primeira bolha. Deixar a baunilha em infusão enquanto o preparado amorna. Retirar a vagem.Comprimir bem as folhas de gelatina e incorporá-las no preparado.Deitar a mistura em formas individuais ou copos. (Se optar por formas, atenção: desenformar pode não ser fácil. Use uma faca para ajudar, e evite formas demasiado caneladas.)
Colocar no frio (frigorífico) durante 3 horas.

Sugestão de vinho (do Parrot): Alvarinho Abadia de San Campio (bem gelado).

E é tudo por hoje. Excepto as vossas sugestões. Boa refeição!


Créditos: Glória Fácil, Passe-moi ta recette, Péché de gourmandise, Station Gourmande




12 de jul de 2006

Alpinismo

Quando o homem acordou, três montanhas o olhavam
e, olhando-o, já dentro dele o perseguiam.
A princípio mal desperto, apenas viu as sombras:
três sombras inexplicáveis que lhe saíam do sono
e lhe embebiam a carne afeita às rochas,
o corpo no acto penoso de acordar aflito.
Olhou-as, num torpor ainda fascinado
e, alongando o olhar no percurso das sombras,
sentiu chegar a lucidez, quase que em linha recta,
ergueu lentamente um ombro - e foi então que as viu:
altivas, determinadas, indesmentíveis montanhas
que pareciam avançar, que avançavam para si.
Foi já completamente consciente que gritou.
Quando o grito se tornou em maravilha, e cordas,
picaretas, botas, mochilas povoaram
os picos nevados, a memória de expedições antigas,
as montanhas iniciaram, tranquilas, a escalada.
Por um doloroso instante, o homem foi feliz.

(1981)

10 de jul de 2006

O quadrado preto

Foi-me lançado um desafio pela Alien David Sousa.
É uma experiência, que já vinha de trás. Tenho todo o gosto em, colocando aqui este quadrado preto, deixar patente que acredito na possibilidade que (ainda) temos de mudar o Mundo, se nos unirmos. Como? Isso teremos de o pensar em conjunto. Para pensar, é preciso que haja vontade. Sou mesmo capaz de dizer que, da maneira como as coisas estão, não temos outra alternativa que não seja a de mudar o Mundo, antes que o Mundo nos transforme a nós em qualquer coisa da qual já nem saberemos ter consciência, quanto mais vergonha. Como todos os desafios, a ideia é alargar a experiência a quem de algum modo acredite na ideia. Fica, portanto, o convite a quem se quiser manifestar da mesma forma.



P.S. Agora que o quadrado já parece mais quadrado, é tempo de clarificar que não estou a falar de instituições nenhumas em particular, mas apenas a perguntar, a quem por acaso ler, se acredita ou não que, unidos, podemos mudar o Mundo, e se quer ou não manifestar essa crença.
Só isso.

9 de jul de 2006

The man who sold the world, de David Bowie, na versão dos Nirvana

We passed upon the stairs, we spoke of was and when
Although I wasn't there, he said I was his friend
Which came as a surprise I spoke into his eyes
I thought you died alone, a long long time ago

Oh no, not me
I never lost control
You're face to face
With the man who sold the world

I laughed and shook his hand, and made my way back home
I searched for form and land, for years and years I roamed
I gazed a gazely stare at all the millions here
We must have died alone, a long long time ago

Who knows? Not me
We never lost control
You're face to face
With the man who sold the world

Who knows? Not me
We never lost control
You're face to face
With the man who sold the world