Aliencake

Foi numa tarde de sábado, de encontros, reencontros e desencontros, de estreia literária e café, tudo prolongado em noite, jantar e mais café, ficando no entanto curto o tempo. De súbito, aparece-me pela frente um bolo com a minha cara. Um bolo com rosto de Alien. Olhei-o uma e outra vez, e só não me belisquei porque dói um bocado, convenhamos. Mesmo a aliens. As pessoas cantavam os parabéns e batiam palmas, eu ouvia e agradecia, mas mal tirava os olhos do bolo. Fizeram-me pegar nele com uma mão, perante a apreensão de alguns circunstantes, e conduzi-lo, ou deixar que me conduzisse, à mesa improvisada. Vivendo desde sempre em terrível dúvida sobre a minha origem e condição, houve um instante luminoso em que tudo se revelou. "Sou um bolo, afinal sou um bolo!" - exclamei para mim mesmo, entre alguma perplexidade e o alívio de uma certeza há muito tempo aguardada. Foi sol de pouca dura. Lá tive que partir o bolo. Lá tive que me cortar à faca em fatias que rapidamente desapareceram. Ao que parece, estava bom, eu. O facto é que, apesar disso, ainda estou vivo. Não serei, então, um bolo? Serei apenas a recordação dele? Felizmente, a fotógrafa estava lá. Serei assim talvez a fotografia de um bolo. Há piores destinos. Há piores fins de tarde-noite de sábados de lançamentos de livros, encontros, reencontros, desencontros, jantares, cafés, aniversários e ainda mais. Muito, muito piores, garanto-vos.

10 de nov de 2007

A cidade que teve sorte


Dedico este post à cidade japonesa de Kokura.


Situada na ilha de Kiushu, no Sul do Japão, foi integrada, em 1963, na nova cidade de Kitakyushu (cerca de um milhão de habitantes em 2005), resultante da fusão de cinco cidades da província de Fukuoka.



Kokura era o alvo secundário da bomba atómica lançada sobre Hiroshima a partir do avião que ficou conhecido como Enola Gay, a 6 de Agosto de 1945. Foi possível o lançamento sobre Hiroshima, por isso Kokura salvou-se.



Era também o alvo primário da bomba atómica que, três dias mais tarde, viria a ser lançada a partir do Bock's Car. O facto de Kokura se encontrar, na altura, obscurecida por nuvens, conduziu ao lançamento da bomba sobre o alvo secundário, a cidade de Nagasaki.

Assim, Kokura escapou por duas vezes à morte, à destruição, às sequelas físicas e psicológicas que todos conhecemos, e se vão prolongando ao longo das gerações em Hiroshima e Nagasaki.



De facto, uma cidade com sorte. A sorte que todas as cidades deveriam ter tido.

4 de nov de 2007

O desafio da Rosalina

Recado para a Rosalina, a quem agradeço a passagem do desafio: Não, não é esse o livro que tinha mais à mão, mais perto:)

Sem qualquer batota, e porque, ao contrário do que acontece com a generalidade das "correntes", esta vale a pena, peguei efectivamente no livro que tinha mais próximo, e dele tirei a quinta frase completa da página 161, que reza assim:


"Apesar de levarmos aqui o registo e a fé das sentenças de cada um destes mal-aventurados, não é agora a ocasião para nos determos a tirá-las nem a lê-las. Chegue-se Vossa Mercê a eles e pergunte-lhes, que eles lhe dirão se quiserem. E quererão, sem dúvida, pois é gente que gosta de fazer e dizer velhacarias."

(Miguel de Cervantes, O Engenhoso Fidalgo D. Quixote de la Mancha, tomo 1)

Tenho que passar o desafio a cinco pessoas, pois é... Então vou passá-lo a

- Wind (WebClub)
- Mariatuché (Me, Myself and I)
- Belzebu (O Contrablog)
- Alien DS (Alien's Corner)
- Isabel (Piano)


E as regras são simples (calmamente copiadas do Carpe Diem da Rosalina):

1ª - Pegar num livro próximo (PRÓXIMO, não procure);
2ª - Abrir na página 161;
3ª - Procurar a 5ª frase completa;
4ª - Postar essa frase no seu blog;
5ª - Não escolher a melhor frase, nem o melhor livro;
6ª - Repassar para outros 5 blogs.



Neste caso concreto, tenho pena de não poder passar o desafio a mais pessoas, mas, como se trata de uma corrente, estou certo de que lá lhes chegará! E fico à espera.