Aliencake

Foi numa tarde de sábado, de encontros, reencontros e desencontros, de estreia literária e café, tudo prolongado em noite, jantar e mais café, ficando no entanto curto o tempo. De súbito, aparece-me pela frente um bolo com a minha cara. Um bolo com rosto de Alien. Olhei-o uma e outra vez, e só não me belisquei porque dói um bocado, convenhamos. Mesmo a aliens. As pessoas cantavam os parabéns e batiam palmas, eu ouvia e agradecia, mas mal tirava os olhos do bolo. Fizeram-me pegar nele com uma mão, perante a apreensão de alguns circunstantes, e conduzi-lo, ou deixar que me conduzisse, à mesa improvisada. Vivendo desde sempre em terrível dúvida sobre a minha origem e condição, houve um instante luminoso em que tudo se revelou. "Sou um bolo, afinal sou um bolo!" - exclamei para mim mesmo, entre alguma perplexidade e o alívio de uma certeza há muito tempo aguardada. Foi sol de pouca dura. Lá tive que partir o bolo. Lá tive que me cortar à faca em fatias que rapidamente desapareceram. Ao que parece, estava bom, eu. O facto é que, apesar disso, ainda estou vivo. Não serei, então, um bolo? Serei apenas a recordação dele? Felizmente, a fotógrafa estava lá. Serei assim talvez a fotografia de um bolo. Há piores destinos. Há piores fins de tarde-noite de sábados de lançamentos de livros, encontros, reencontros, desencontros, jantares, cafés, aniversários e ainda mais. Muito, muito piores, garanto-vos.

28 de set de 2009

A propósito de bifes... porque não recomeçar com um clássico?

Bife à Marrare




Ingredientes:

* 1 bife do pojadouro (150 grs);
* 2 colheres de sopa de manteiga;
* Sal grosso;
* Pimenta;
* 2 colheres (sopa) de nata.

Preparação:

1. Numa frigideira com o fundo pesado derreta sobre lume vivo metade da porção da manteiga.
2. Quando estiver bem quente introduza o bife e deixe alourar ligeiramente de um dos lados. Vire-o sem picar e aloure-o do outro lado (esta operação, que deve ser relativamente rápida, tem por fim evitar que o suco da carne saia). Tempere com sal grosso e pimenta moída na altura.
3. Retire a gordura da frigideira (conservando lá o bife) e junte a restante manteiga. Reduza o lume, deixe cozer o bife durante uns minutos e, agitando a frigideira, adicione as natas. Deixe engrossar o molho agitando sempre.
4. Coloque o bife num prato aquecido e regue com o molho. Sirva acompanhado com batatas fritas em palitos colocadas num prato coberto com um guardanapo.

Dica: Se quiser pode juntar ao bife um fio de limão na altura de servir.


Simples, eficiente, delicioso! Uma simpática variante do "Bife à Café". Bom apetite, e tragam vinho e sobremesa se vos aprouver!

E trouxeram! Quanto a bebidas, a MJF sugere um Mouchão Tinto de 1998, e quem se atreverá a discordar? :) Já a Arabica prefere uma cervejinha, concretamente uma imperial Superbock bem gelada, por causa do calor. E também marcha!

Em matéria de sobremesas, agradeço os figos da Justine e o Arroz Doce da Lola, com receita e tudo, que aqui se transcreve:

Arroz doce

6 Gemas
Canela
Casca de limão
1Lt Leite
água
1 caneca de arroz carolino
1 colher de manteiga
+-350gr açucar

Cozer uma caneca de arroz em 3 ou 4 de água. Quando o arroz estiver bem cozido junta-se o leite, a manteiga, as cascas de limão e deixa-se ferver, deitando-se depois o açúcar. Tira-se do lume, junta-se um pouco de leite às gemas e adiciona-se depois tudo ao arroz. Pôe-se numa travessa e enfeita-se com canela moida.


E terminamos a refeição com um
Mokachino, também receita da Lola:

Ingredientes:
Amêndoas
Xarope de chocolate
Café
Leite condensado

Preparação:
Deitar num recipiente 2 a 3 colheres de xarope de chocolate, 1 a 2 colheres de amêndoas , ou avelãs moídas, acrescentar 1 chávena de café expresso, já preparado, encher com leite evaporado ou leite condensado (para os mais gulosos) e polvilhar com canela e raspas de chocolate.

E que mais? :)

Bom, mais isto, que vem da Lizzie:

- happening de flamenco com lavagem de louça em simultâneo (a não perder!)
- whisky do Kentucky ou Grant's 12 ou 16 anos.
- conhaque
- luz barroca conspirativa
- Mesa Toledana de madeira e sofás orelhudos
- E o mais que consta do comentário :)


E ainda....

Uma sobremesa proposta pela Uf! :

Marmelos cortados aos bocados e cozidos em água, com umas colheritas de açúcar (é ao gosto d@s convivas), raspas de casca de limão, laranja e lima, canela, sementes de coentros, de salsa e de mostarda, grãos de pimenta branca e um cravinho da índia.

Também da Uf!, esta

Sugestão:
Fazer o pão na máquina, com farinha comprada no Lidl (eu uso a que tem sementes de girassol e acrescento sementes de linhaça, de papoula e de sésamo) e acrescentar-lhe azeitonas pretas e dentes de alho picados grosseiramente e orégãos, que são envolvidos na massa do pão antes de esta começar a levedar.
Acompanha bem com tinto Versátil (Casa de Santa Vitória), conserva de cenouras e queijos de pasta mole ou meia cura.

E porquê o pão?

- Porque a Lizzie protestou contra o facto de ninguém se lembrar de começar com PÃO E AZEITONAS. Aqui fica a rectificação dessa tremenda falha! E, já agora :), "
bolinhos de coco com limão e gengibre, adoçados só com uma sugestão de melaço de cana".

Quem pensava que a refeição estava completa, enganou-se!

A Arabica contribuiu com mais esta deliciosa sobremesa: Petits fours de coco.

Ingredientes
1 1/2 xícara(s) de chá de açúcar
250 gr de coco ralado(s)
2 colheres de sopa de farinha de trigo
1 gota de essência de baunilha
5 ovos

Preparação
Misture o açúcar com o coco e a farinha. Adicione a baunilha e junte os ovos mexidos. Depois de tudo bem envolvido, deixe repousar por 15 minutos.
Unte as formas com manteiga e farinha. Coloque a massa num saco de confeitar e disponha-a sobre as formas, fazendo pequenos bolinhos. Leve ao forno bem quente e deixe assar até ficarem bem douradinhos. Assim que estiverem mornos, retire-os da forma.

Observação
A receita encontrada diz ainda que se devem guardar em potes bem fechados :)) mas...espero que não sobre nenhum!! :)