Aliencake

Foi numa tarde de sábado, de encontros, reencontros e desencontros, de estreia literária e café, tudo prolongado em noite, jantar e mais café, ficando no entanto curto o tempo. De súbito, aparece-me pela frente um bolo com a minha cara. Um bolo com rosto de Alien. Olhei-o uma e outra vez, e só não me belisquei porque dói um bocado, convenhamos. Mesmo a aliens. As pessoas cantavam os parabéns e batiam palmas, eu ouvia e agradecia, mas mal tirava os olhos do bolo. Fizeram-me pegar nele com uma mão, perante a apreensão de alguns circunstantes, e conduzi-lo, ou deixar que me conduzisse, à mesa improvisada. Vivendo desde sempre em terrível dúvida sobre a minha origem e condição, houve um instante luminoso em que tudo se revelou. "Sou um bolo, afinal sou um bolo!" - exclamei para mim mesmo, entre alguma perplexidade e o alívio de uma certeza há muito tempo aguardada. Foi sol de pouca dura. Lá tive que partir o bolo. Lá tive que me cortar à faca em fatias que rapidamente desapareceram. Ao que parece, estava bom, eu. O facto é que, apesar disso, ainda estou vivo. Não serei, então, um bolo? Serei apenas a recordação dele? Felizmente, a fotógrafa estava lá. Serei assim talvez a fotografia de um bolo. Há piores destinos. Há piores fins de tarde-noite de sábados de lançamentos de livros, encontros, reencontros, desencontros, jantares, cafés, aniversários e ainda mais. Muito, muito piores, garanto-vos.

28 de dez de 2007

Como o Natal já lá vai....



Feliz Ano Novo, Cristina, que me pegaste o vício da blogagem :) !
Feliz Ano Novo, Capricórnia, que desapareceste, mas que andarás por aí!
Feliz Ano Novo, Cila "a la long" das simbologias!
Feliz Ano Novo, mana Alien DS!
Feliz Ano Novo, Bandida, e mais bons poemas!
Feliz Ano Novo, Easy, raramente visto :)
Feliz Ano Novo, Nnannarella di Napoli :) e Senhora Musashi!
Feliz Ano Novo, Mar!
Feliz Ano Novo, MJF "em banho maria"...!
Feliz Ano Novo, EMN, também raramente vista!
Feliz Ano Novo, Figas, ex-Futbloguês e sempre "nephew"!
Feliz Ano Novo, Parrot, também quase desaparecido, mas que não esqueço!
Feliz Ano Novo, Mariatuché, e muita força!
Feliz Ano Novo, Mocho Falante das viagens!
Feliz Ano Novo, Pérola raríssima de se ver :) !
Feliz Ano Novo, Belzebu, infernal humorista!
Feliz Ano Novo, Rosalina "porque me pediram" :) !
Feliz Ano Novo, Vanda, que não há meio de voltar de vez!
Feliz Ano Novo, José das paletes!
Feliz Ano Novo, Gi, dos Pequenos grandes Nadas!
Feliz Ano Novo, Isabel, que escreves num piano :) !
Feliz Ano Novo, Pêndulo, sempre regular - ou talvez não :) !
Feliz Ano Novo, Caracolinha e restante bicharada :) !
Feliz Ano Novo, Sónia, Pinto Ribeiro e Bernardo Kolbl!
Feliz Ano Novo, Teresa, David, Chip, Rufus :) e demais pessoal de 2 ou 4 patas!
Feliz Ano Novo, Wind dos fotopoemas!

Se omiti alguém da minha lista ali da direita, é como se também aqui estivesse referido.

Feliz Ano Novo a todos os que visitaram e comentaram este blog.

Que continuemos juntos na blogosfera durante o próximo ano, e que ele nos traga paz, saúde, alegria e inspiração, entre muitas outras coisas que podemos e devemos desejar :)

23 de dez de 2007

A todos...




FELIZ NATAL!!!

18 de dez de 2007

PARABÉNS, RENATA!!!

Feliz Aniversário,

com tudo e todos os que quiseres!




E muitos beijinhos.

14 de dez de 2007

FRAGMENTOS: Cafés e afins por onde passei, convenientemente suspensos no tempo e no espaço para que possa visitá-los quando me apetecer.

Este texto é hoje especialmente dedicado à LOLA. Hoje, dia do seu aniversário. Por completar mais um aninho, mas também por várias outras razões que ela bem conhece, algumas das quais, curiosamente, se prendem com o dia seguinte :)

Parabéns, LOLA! Feliz aniversário, um óptimo ano e muitos beijos!




CAFÉ EUROPA

Pá, topa-me a Car a rachar lenha, a gaja está p’ráli há mais de meia hora e parece que cada vez dá mais força ao machado,

era um espectáculo a partir lenha, a Carmelinda, Car por diminutivo carinhoso, rapariga dos seus 15 anos, baixinha e forte, vinda lá das serranias

Aquilo é só saúde, pá, mas é um bocadito p'ró gordo, não

Jorge, de gorda não tem ela nada, é mas é forte,

a Car tinha realmente uma força impressionante, quando as bolas ficavam presas nos matraquilhos chamávamos a Car e ela levantava a mesa em dois pés e aplicava-lhe um tal safanão que a traquitana cuspia as bolas como se tivesse sido atingida por um raio

E olha que andava lá perto, olha que andava lá perto,

e ficava depois a mirar-nos vitoriosa, consciente da proeza e da nossa admiração, como se dissesse quatro gajos, ou dois gajos e duas gajas, que elas também jogavam, e nem sempre à defesa como era costume, e não são capazes de fazer o que eu fiz,

E olha que não éramos,

ali no pátio onde rachava a lenha, onde jogávamos matraquilhos, onde passávamos para chegar à sala das flippers

Lembras-te das horas que conseguíamos jogar à pala dos bónus,

Se me lembro, pá, se me lembro, suma bónus, éramos verdadeiros profissionais das flippers,

ali no Café Europa, que também tinha salão de bilhares e pensão no primeiro andar, que tanto dava para veraneantes como para caixeiros de passagem como para encontros de uma ou mais horas, que tinha sido casino nos tempos áureos, com mesas de póquer e jogadores da casa e tudo, que congregava ainda gente de diferentes naipes à volta das mesas com tampo marmoreado, bica e serração, que é como quem diz conversa pelo simples gosto da conversa, falar sobre tudo e nada, um pouco de má-língua à mistura, sem más intenções, claro, e conhecermo-nos cada vez melhor, aquilo a que também se chamava rendimento, o pessoal ficava a render por dentro das noites e pronto

Olha, lá vem o Lobão com os Três Porquinhos,

o Lobão era na realidade o Corvo-Mor, rapaz para os seus vintes que vestia invariavelmente de preto, a condizer com o cabelo, autêntico precursor do estilo gótico de vestir, donde o Corvo-Mor, os porquinhos três irmãs de nariz assim para o arrebitado, digamos piggy nose, ora o Corvo-Mor namorava uma das manas e andava sempre com as três, logo a promoção a Lobão passando no picadeiro provavelmente em direcção à praia

Vai um snooker?

que era como chamávamos ao jogo do eight-ball, apesar dos cartazes afixados mesmo acima dos marcadores, Regulamento do Jogo de Bilhar Eight-Ball, e ia um snooker sim, ou um bilhar francês ou até mesmo um sargento, em que uma das bolas de bilhar era substituída por um pino com que se tinha de carambolar

O Xavier é que joga disto, caraças,

Pois o Xavier,

mas o isto era já o bilhar às três tabelas, havia uma única mesa, grande, bem tratada, às vezes apareciam uns craques a nível nacional, só que o Xavier era da casa e podíamos admirá-lo quando vinha a terra, andava nos barcos e era genro do Daniel, o dono do Café Europa, o Daniel que tinha um olho de vidro e por isso dizia o Duarte

O Daniel tem olho para o negócio,

o Duarte encostado à ombreira exterior da porta do Europa, a perna direita flectida e a sola do sapato clássico apoiada na parede

Então, Duarte, sempre preparado para qualquer eventualidade

Sempre preparado,

Podia imaginar quais fossem as eventualidades, mas nunca consegui perceber em que consistiria a preparação, não certamente o preparado de que anos mais tarde falaria o Teixeira, no terceiro andar do prédio do Imperial, e tinha mesmo olho para o negócio, o Daniel, conseguia manter o complexo café-restaurante-pensão-bilhares-matraquilhos & flippers com algum lucro, até deu para renovar a fachada, e tudo isso com o gigante Nicola ali ao lado, que não tinha pensão mas sim a finesse da Albergaria onde ficavam as bailarinas e turistas de mais posses, não tantas que dessem para os grandes hotéis e coisas assim, o complexo Café Europa onde ainda se jogava póquer, mas de dados

Fúlen outra vez, pá, que mijado

Mijado o caraças, é preciso saber atirá-los

os dados, nove pintas pretas, dez pintas vermelhas, valete J verde, dama Q azul, rei K vermelho e mais os Ases iguais aos ases de espadas dos baralhos de cartas que já não se jogavam no Europa, onde entretanto

Chegou o Django, lá vem o gajo direito à nossa mesa,

Django por causa do chapéu preto e do poncho preto, Django e não Zorro, poncho e não capa, diferenças significativas, o Django sentava-se à mesa, avaliava os circunstantes, escolhia a vítima e

Pá, alinhas em me pagar um prego,

e alinhava, sim, alinhávamos a meias ou a três ou a quatro e, acabado o prego no prato, com o resto da imperial em curso o Django lançava-se numa espectacular tirada filosófica

Que é que o gajo 'tá p'ráli a dizer,

e o gajo impávido e sereno, sem perder o fio à presumível meada do discurso, convicto e assertivo entre goladas de cerveja e miradas de soslaio para controlo da audiência, e quando já poucos aguentavam a atenção, concluía o Django

E assim se prova, meus amigos, que uma vez não são vezes,

Os risos contidos e o homem de negro levantava-se, cumprimentava e saía até à próxima

Até à próxima,

Onde parará agora o Django, onde pararão o Viegas, o Teixeira, o Paulino e outros loucos dos cafés e afins, desses tempos, que não pudemos viver juntos, o Europa no Verão, a esplanada cheia, o Gabriel sem mãos a medir para os finos

Ó Esgrabiel, então nunca mais saem as imperiais,

Reclamavam o Jota Que Se Fica, o Catrapana, o Cachapim, o Chaga, o Baptista-Leninista alias Classe Operária, o Campos alias Campesinato, o Cenoura, o Chico-Bomba, a Formiga, a Pratinho de Arroz Doce, o LTS ou Luta dos Trabalhadores Socialistas, hipotético partido de um único militante, logo a verdadeira aproximação da cúpula às bases, o China, o Faca, os Corvos Gémeos, a Nita, o Luis por ser corvo Corvalán e outros

e o Gabriel que costumava dizer Sibéria, quílheche, nem as focas lá páram esforçava-se, mas nem assim, o ar quente e a maresia e os espanhóis a fazerem piscinas no picadeiro

Têm mesmo cara de espanhóis, os sacanas

Não enganam ninguém,

e levantava-se o grupo da mesa, inspirava-se e media-se o ar nocturno, acendia-se um cigarrito, e às primeiras passas

Está uma bela noite,

e sorríamos, porque

nesses tempos, que podemos reviver juntos,

está uma bela noite significava tudo menos um convite a gozar a noite em passeios sem destino, às vezes andávamos e andávamos, calados, que falar agora não fazia falta apesar dos prazeres da serração, assomávamos à esplanada sobranceira ao mar, descíamos as escadas, atravessávamos a marginal, e nem havia pares nem casais, havia elas e eles conforme a noite e a disposição, amigas e amigos calados e pensativos, cigarro atrás de cigarro, invadíamos finalmente a praia, surgiam violas e vozes do nada ou do escuro da noite, acendia-se talvez uma fogueira e à volta dela canções e risos, mas nunca quando

Está uma bela noite,

aí sentíamo-nos incrivelmente unidos, nesse instante de aspirar o fumo e a ligeira brisa, em uníssono, cúmplices supremamente serenos, guardávamos momentos mágicos e sabíamos perfeitamente que íamos jogar póquer ou às máquinas ou mais tarde petiscar a casa de alguém e nunca apreciar a noite lá fora, não nessas ocasiões, porque estava uma bela noite e aparecia o Ruivo

Então, pessoal

Então, Ruivo

Aquela gaja está a olhar p'ra mim

E daí Ruivo

Daí que quer festa, quando uma gaja olha p'ra mim é porque quer festa,

o Ruivo tinha uma ideia um bocadito arcaica das relações entre pessoas de sexo diferente, isto para não falar nas do mesmo sexo, e tinha pouca sorte à lerpa

Porra, sou sempre o mesmo cristo,

mas desistir nunca, o Ruivo nunca desistia, lerpava até às quinhentas, e não tinha fera, que é como quem diz namorada ou mulher, alguém se lembrou de chamar feras às que não alinhavam nas andanças da noite, as feras ficavam portanto em casa por opção, porque não tinham pedalada, e isso às que a tinham dava-lhes uma certa pena, mas que fazer nesses tempos que podemos viver agora juntos,

de tomar a bica e render e tudo no Café Europa e acender fogueiras na praia e guitarras e cantos e jogar matraquilhos e flippers e dados e bilhar e snooker

O pessoal quer é jogar jogos,

Ou dar um salto a casa da Dona Alice, viúva trabalhadora que parava pouco em casa, que era grande e tinha vários quartos, grupinho de pares comandado pelo filho da Dona Alice, que até era uma senhora progressista, mas uma tarde foi a casa inesperadamente e ouviu uns ruídos vindos do quarto da filha, ora a filha estava a estudar fora, não podia ser ela, e não era, descobriu a viúva quando abriu a porta e o Carlos saltou da cama em cuecas, e impávido e sereno cumprimentou a dona da casa e informou

Estava aqui a ter uma conversa com uma amiga,

e apontou vagamente a Branca, paralizada na cama em trajes bastante menores

Ó Carlos, na cama da minha filha, na cama da minha filha,

e o Carlos com aquele sorriso simpático e sincero, sem se desfazer, e mais tarde no Europa

reafirmando convicto perante a Luísa, a Guida, a Ana, a Linda, a própria Branca

Pois, o pessoal quer é jogar jogos,

e ainda mais tarde em casa de alguém disponível, duas cartas na mão, cinco a caírem uma a uma na mesa, cerveja ou uísque ou brandy e petiscos, ceias requintadas às vezes, preparadas por uma anfitriã realmente espectacular, que até fazia uma perninha no póquer, tudo isto a atravessar a madrugada, as madrugadas

Corre os estores que já é quase dia, porra,

Porque era preciso prolongar a noite, a dimensão da noite, a espessura da noite, aproveitar o riso que já é amanhã mas

Quero lá saber, caraças, é noite, és tu a dar.

7 de dez de 2007

Segundo Plano

I

Devia haver uma linha

Um traçado

Lógico honesto prático

Rápido

Uma margem de coisas distintas

Distantes

Uma regra segura um sorriso

Uma nuvem

Uma tarde inesperada um concerto

Um conceito

O lugar de uma escrita bastante

Um anel

Que se ouvisse uma fonte um rumor

Uma voz

Haver o plano de todos

Os planos

Das coisas rigorosas porém

Sem limites

O espectro da cor a palavra

Que nasce

A cidade que fosse e viesse

E vivesse

O mar que adivinha o salgado

O azeite

A ternura ondulante o silêncio

Absoluto

Como coisa guardada

Na mais antiga ponte

História extraordinária

Do futuro

Como pedra rasgada

Pela bruma

Jardim real

Partidas e chegadas

Braços em ângulo recto

Farolins


II

.................................................
.............................................
................................................
.............................................
...................................................
.................................................
........................................
...









26 de nov de 2007

L'appuntamento - Ornella Vanoni

Ouvi esta canção pela primeira vez na Alemanha, mais precisamente em Leipzig, cantada por uma estudante argentina que se acompanhava à viola. Fiquei imediatamente apaixonado pela música, talvez também porque a cantora era linda e tinha uma excelente voz...

Mais tarde vim a conhecer a versão da Ornella Vanoni, que viria a ser incorporada na banda sonora do filme Ocean's Twelve e, recentemente, este vídeo que aqui deixo à vossa consideração.



Boa semana!

19 de nov de 2007

Luz

Deixemos entrar a luz. Bocados de luz
que nos passam nas mãos, flutuam, enchem,
penetram, oscilam, sonham mesmo despertar
o deserto dos verbos. Películas de luz, lâminas
de puríssimo som que nos ficam nos olhos,
deles lentamente se apoderam, concretos blocos
de luz, como tijolos ou pedras de inacessível
transparência que

cada vez mais alto
nos falam
sem
nunca ultrapassarem a
maravilha do murmúrio.

A luz de um certo branco que fere, e no entanto.
A luz pálida mas forte, tantas vezes tímida
(ou nós).

Deixemos entrar a luz que nos deseja o corpo,
a luz espalhada à superfície da água, brilhante,
difusa, a luz de um solitário candeeiro aceso no
polo da insónia, a luz negra das palavras que das
páginas nos acariciam, nos sorriem,
a luz subtil do cubo de gelo no meio do álcool,
no fundo do copo, luz fria, de refrescante tacto,
a luz que se adivinha do outro lado da colina.

Tocamos a luz
com sede, uma
muito nítida sede,

tocamos a luz
com a secreta avidez
dos nervos.

Deixemos entrar a luz do anoitecer, a luz
distante, fugitiva, que transforma as casas,
como se as víssemos sempre pela primeira vez,
a luz longínqua dos barcos que atravessam a noite,
impossíveis navios em que viajamos, submersa
no ruído profundo dos oceanos, no confuso movimento
de todos os portos.

Fatias de luz que desesperados mordemos, que nos deixam
na boca uma espécie de espuma, uma aurora de sangue,
retalhos de luz que nos envolvem os membros,
nos amarram, delicadamente nos surpreendem, correntes
de luz.

Interroguemos a luz.
Interroguemo-nos.

10 de nov de 2007

A cidade que teve sorte


Dedico este post à cidade japonesa de Kokura.


Situada na ilha de Kiushu, no Sul do Japão, foi integrada, em 1963, na nova cidade de Kitakyushu (cerca de um milhão de habitantes em 2005), resultante da fusão de cinco cidades da província de Fukuoka.



Kokura era o alvo secundário da bomba atómica lançada sobre Hiroshima a partir do avião que ficou conhecido como Enola Gay, a 6 de Agosto de 1945. Foi possível o lançamento sobre Hiroshima, por isso Kokura salvou-se.



Era também o alvo primário da bomba atómica que, três dias mais tarde, viria a ser lançada a partir do Bock's Car. O facto de Kokura se encontrar, na altura, obscurecida por nuvens, conduziu ao lançamento da bomba sobre o alvo secundário, a cidade de Nagasaki.

Assim, Kokura escapou por duas vezes à morte, à destruição, às sequelas físicas e psicológicas que todos conhecemos, e se vão prolongando ao longo das gerações em Hiroshima e Nagasaki.



De facto, uma cidade com sorte. A sorte que todas as cidades deveriam ter tido.

4 de nov de 2007

O desafio da Rosalina

Recado para a Rosalina, a quem agradeço a passagem do desafio: Não, não é esse o livro que tinha mais à mão, mais perto:)

Sem qualquer batota, e porque, ao contrário do que acontece com a generalidade das "correntes", esta vale a pena, peguei efectivamente no livro que tinha mais próximo, e dele tirei a quinta frase completa da página 161, que reza assim:


"Apesar de levarmos aqui o registo e a fé das sentenças de cada um destes mal-aventurados, não é agora a ocasião para nos determos a tirá-las nem a lê-las. Chegue-se Vossa Mercê a eles e pergunte-lhes, que eles lhe dirão se quiserem. E quererão, sem dúvida, pois é gente que gosta de fazer e dizer velhacarias."

(Miguel de Cervantes, O Engenhoso Fidalgo D. Quixote de la Mancha, tomo 1)

Tenho que passar o desafio a cinco pessoas, pois é... Então vou passá-lo a

- Wind (WebClub)
- Mariatuché (Me, Myself and I)
- Belzebu (O Contrablog)
- Alien DS (Alien's Corner)
- Isabel (Piano)


E as regras são simples (calmamente copiadas do Carpe Diem da Rosalina):

1ª - Pegar num livro próximo (PRÓXIMO, não procure);
2ª - Abrir na página 161;
3ª - Procurar a 5ª frase completa;
4ª - Postar essa frase no seu blog;
5ª - Não escolher a melhor frase, nem o melhor livro;
6ª - Repassar para outros 5 blogs.



Neste caso concreto, tenho pena de não poder passar o desafio a mais pessoas, mas, como se trata de uma corrente, estou certo de que lá lhes chegará! E fico à espera.

29 de out de 2007

Bucólica


Haverá mais manhãs.
Estaremos nelas poisados
como pedras dispersas,
nelas seremos
inesperadas plantas,
vaguíssimos
sons, sabores,
sombras aráveis.

22 de out de 2007

BRAÇOS

Os teus braços vêm para mim como navios
a saír da bruma, oblíquos, ondulantes,
no rumo rigoroso sobre a planície de água:
navios longos, ainda ao largo do meu corpo...
Lembro-me das campinas azuis - ou verdes? - das espigas,
de um quadrado de céu no tecto original....
Ah, dizer o que não digo, o que não sei,
contar os minutos, todos os minutos como se
estivesse neles e fora deles enquanto são,
enquanto sou! Há palavras que abrem mundos,
que abrem crateras na textura dos nervos...
Amo os teus dedos, que já não são gaivotas,
nem mesmo estrelas ou algas ou raízes.
Amo a água quando sinto que tem sede.

12 de out de 2007

Prémios...

À Gi,

Muito obrigado pelo Prémio Visitante que generosamente me atribuíu.

À Mariatuché e ao Mocho Falante,

Muito obrigado pelo prémio Blog Solidário que amavelmente me concederam.



Bem hajam pela vossa generosidade e por manterem viva a chama deste bloguezito. Qualquer destes prémios vos assenta igualmente bem, porque são excelentes visitantes e comentadores, e são inegavelmente solidários. Como, aliás, acontece com os autores dos blogues que constam da lista ali à direita, que são aqueles que mais visito e os únicos onde comento, salvo raras excepções.

Portanto, e no melhor estilo dos Óscares da Academia, faço questão de dividir estes prémios com TODOS :)

6 de out de 2007

Um americano na Encanada (relato curto)

Conheci o Peter na Califórnia, tinha eu 21 anos e ele alguns mais. Logo após as primeiras conversas, descobrimos, para além de uma certa empatia, interesses comuns de ordem ideológica e cultural. O Peter escrevia, eu tentava escrever. Ele estava mais voltado para os contos, eu para a poesia.

Quando voltei a Portugal, passámos a corresponder-nos com alguma regularidade. De vez em quando ele mandava-me um conto novo, laboriosamente dactilografado. Ia-me falando da sua vida. Homem dos sete ofícios, tinha já sido motorista de táxi em S. Francisco, carpinteiro e cozinheiro. Mas, acima de tudo, escrevia.

Passaram-se alguns anos. Um dia recebi uma carta do Peter, em que me anunciava uma próxima viagem à Europa (tinha uma irmã a viver na Dinamarca). Obviamente, queria incluir Portugal no roteiro. Ofereci-lhe a minha casa, que por essa altura era no Porto.

E lá chegou o Peter, que o meu grupo de amigos mais chegados rapidamente iniciou nas noitadas portuenses, nos vinhos e petiscos, nos mistérios e na beleza da cidade. No trânsito também, o que deixava o americano com o credo na boca. Podia ter sido motorista de táxi em S. Francisco, mas nunca tinha visto conduzir como no Porto!

Um dia alguém aventou ser indispensável uma excursão a Ponte de Lima,



para que o Peter ficasse a conhecer o arroz de sarrabulho e o verde local. Aprovámos. O Peter era um amigo e um convidado de honra. Tinha que ser levado a Ponte de Lima, ao arroz de sarrabulho e ao verdinho.

Foi num sábado à noite que nos reunimos para combinar os pormenores do passeio, aprazado para o dia seguinte, a hora não demasiado matutina. Decididos a hora e o local de encontro para a partida (ainda seguiriam 3 ou 4 carros), o resto do serão foi dedicado à cavaqueira, devidamente regada com uns uísques. Chegado a este ponto, tenho que esclarecer que o meu amigo americano bebia bastante bem. E, nessa noite, estava particularmente sequioso. Assim a atirar para a esponja, para dizer a verdade. De modo que, com a ajuda de todos, o uísque desapareceu completamente da garrafeira dos amigos em casa de quem nos tínhamos reunido. Mas o Peter queria mais. Entrou então pelo vinho do Porto, pelos licores e pelo mais que havia, e que foi bebendo cerimoniosamente enquanto a conversa continuava.

Como é lógico, o serão prolongou-se muito para além do esperado, e foi com poucas horas de sono que na manhã seguinte saímos a caminho de Ponte de Lima para almoçarmos na Encanada, o restaurante escolhido pela excelência do arroz de sarrabulho




e pela qualidade de alguns verdes. Ninguém ficou desapontado. Comemos e bebemos à melhor maneira nortenha, e decidimos prosseguir o passeio rumo ainda mais a Norte, para espairecer e ajudar à digestão com uns cafezinhos e uns digestivos que íamos tomando pelo caminho que nos levou, com paragens estratégicas para apreciar a paisagem, até Valença. Uma excursão memorável, garanto-vos, que só terminaria lá pelas 7 da tarde-quase-noite, que foi mais ou menos a hora a que cheguei a casa.

Atingido este ponto do relato, e sendo notório que alguns estrangeiros têm por vezes uma certa dificuldade em apreciar os nossos petiscos, haverá talvez quem esteja interessado em saber o que achou o Peter do arroz de sarrabulho. Pois, isso também eu queria, mas não tive sorte nenhuma. Nem nessa altura, nem nunca: Quando entrei em casa, às tais 7 da tarde-quase-noite, ainda o Peter dormia a bom dormir, e mesmo a essa hora foi impossível arrancá-lo da cama.

De manhã, bem tínhamos tentado. Nem bulia. Uma autêntica rocha. De modo que só nos restou desistir do americano, que não da Encanada. E assim continuou o Peter a ignorar as delícias do arroz de sarrabulho. O verde sempre acabou por conhecer, mas isso seria outra história.

4 de out de 2007

Free Burma


Assinar aqui a petição.

2 de out de 2007

Uma sobremesa pouco calórica (acho...)

A pedido da MJF, aqui fica uma receita "dietética" de


SORVETE DE MELÃO



Ingredientes para 4 pessoas:
* 700 g de melão muito maduro
* 8 claras
* adoçante artificial
* um pouco de canela ou outra especiaria (facultativo)
* algumas gotas de sumo de limão


Preparação
1. Extraír a polpa do melão e passá-la por uma batedeira eléctrica ou uma liquidificadora. Triturá-la.
2. Misturar numa tigela o sumo de limão, o adoçante e a canela, caso goste do seu sabor. Adicionar o melão triturado.
3. Bater as claras em castelo firme, utilizando uma tigela grande.
4. Incorporar pouco a pouco, batendo com muita suavidade, o melão triturado.
5. Repartir a massa por taças individuais e metê-las no congelador durante cerca de 2 horas. O ponto de sorvete é cremoso, não duro.


Conteúdo em 100g de porção comestível
Calorias: 25 Kcal
Proteínas: 1 g
Hidratos de carbono: 5,3 g
Vitamina A: 1200 U.I.
Vitamina C: 30 mg


Bom apetite e poucas calorias!!!

27 de set de 2007

Continuando...

Apenas duas pessoas ousaram responder ao DESAFIO AO LEITOR do post anterior. Até agora, e dou por encerrado o desafio. Por ordem de chegada, a LOLA sugeriu:

Os filetes :
Entrar discretamente na área de congelados de qualquer bom supermercado e procurar a embalagem de "filetes caseiros", não vou


dizer a marca para não me comprometer.
Em casa disfarçar e preparar a salada , enquanto se fritam os benditos filetes...

O arroz:
Pode ser feito na Bimbi, ou no microondas, coisa para demorar aí uns 8 minutos, se a família não for muito grande...
Servir com requinte.

*

Obrigado,
Lola! Notem, por favor, o requinte, a discrição e o disfarce. E já nem falo da benção... :) Como disse no comentário, a Lola, cá para mim, tem pinta de boa cozinheira. Será? :D

*

E agora, a autora da receita ela-mesma, a Teresa Durães!

Arroz:
Fazer o estrugido. Uma de arroz para duas de água. até o arroz cozer (e não coser que não há agulhas). Se quiseres de tomate, colocas o tomate no estrugido. Põe um pouco de água (quase nada) para não dar cabo da saúde. Não fica tão 'puxado' mas até os diabéticos podem comer.


Estrugido= refugado mas à norte, carago!!



O peixinho
é simples. Congelado é mais barato. Fresquinho sabe melhor. Pegas no bicho (morto), nada de fritos que isso faz colesterol. Colocas num pirex com sal, coentros e tomate (desmancha-o, um inteiro podia ficar bonito mas não é prático).
Se o peixe não prestar, coloca uma pinga de água para não pegar ehehhe

Impinges à família e pronto. Se não gostarem chamas o homem da pizza e vão te adorar!!!


Ao cozinhar, acompanhas uma música tipo System of a Down, Spliknot para ver se não te aborreces tanto. Metallica também é opção ou os Funk Audioslave, Incubus...

*

Obrigado, Teresa! Com explicações sobre o cozer e o coser, o estrugido, carago! , sugestões alternativas não vá o Diabo tecê-las, e BOA música para acompanhar a confecção, que mais se pode pedir a uma veg que cozinha peixe? E que tem uma reputação a defender? E que é de ciências exactas (sem raminhos de salsa)?

E, como alguém escreveu, voilà la!

24 de set de 2007

Cumpro, sim!

Alguém insinuou por aí que eu prometo e não cumpro. É preciso desmentir a atoarda, e já. E da pior maneira possível para quem lançou a calúnia :)

Assim sendo, passemos à prática. Prometi uma receita. Vou publicar duas, ambas indecentemente roubadas, e por ordem inversa de aparição nos comentários ao meu post anterior...


A primeira receita foi amavelmente oferecida pela GI, e parece-me muito interessante:

LAGOSTA FINGIDA


Red-fish, tomate maduro, ovos, sal, pimenta.
Cozer as postas de red-fish e água com bastante sal.
Depois lascar e reservar (lascas pequenas quase desfiado).

Por cada posta um tomate maduro e um ovo.
Triturar o tomate e misturar os ovos , pode ser tudo posto na misturadora.
Depois juntar as lascas do peixe e temperar com pimenta . Levar ao forno, tabuleito untado com manteiga (pouca).
Deixar cozer bem (não sei o tempo, vou vendo com o palito) . Se puseres em forma redonda cortas como se fosse pizza. Prefiro por num rectangular e cortar no fim aos quadradinhos e servir com alface ripada.
É melho comer frio. com maionese ao lado de preferência.
(o red fish é melhor se congelado, se as postas forem pequenas tem que se ter cuidado com a quantidade de ovos que se colocam).
Isto é 5 estrelas ***** e truque para fazer prato que parece muito sofisticado sem o ser. Bom para festas com muita gente mas óptimo para um final de trata quando até a preguiça para comer é grande.

MUITO OBRIGADO, GI!




A segunda receita tem que se lhe diga. Para começar, é obra da Teresa Durães, nem mais nem menos que a nossa escritora veg de serviço :)))
Tem o indiscitível mérito de ser simples e concisa. Lapidar, diria mesmo. Ei-la:



"Vá, filetes com tomate, coentros e vai ao forno. Eu cá acompanho com arroz que não gosto de batatas. mas cada um sabe de si. Prático, os miudos comem peixe e voilá la."

MUITO OBRIGADO, TERESA! Porém...

Sendo esta receita um autêntico concentrado, impõe-se fazer aqui algo, como diria a patroa do Ambrósio. Algo como o que aparece nos policiais antigos do Ellery Queen. Concretamente, o

DESAFIO AO LEITOR

Chegado a este ponto da narrativa, o leitor tem já na sua posse todos os elementos para descobrir a identidade do criminoso... perdão, deixei-me levar..., o desenvolvimento da receita. Assim, desafio os leitores a publicarem em comentário os seus palpites sobre:

- Os ingredientes e a confecção dos filetes com tomate;
- Os ingredientes e a confecção do arroz.



E pronto. Cumpro ou não cumpro? :)

Resta-me desejar-vos Bom Apetite e Boa Semana.

P.S.: Teresa, os contos, pois é, que maçada... ainda não é desta, mas de barriga vazia não pode ser nada hehehe!

14 de set de 2007

All about nothing

Sim, já vai sendo tempo de fazer um novo post. Já era tempo há vários dias, eu sei. Nem é bem uma questão de tempo... é mais a disposição que não ajuda. A falta de vontade, pois. Nem sempre apetece.

Claro que posso recorrer às maravilhas do You Tube, para que quem me visite não encontre invariavelmente a mesma treta, a prefigurar um blog meio morto. Posso, mas não quero abusar dessa espécie de solução demasiado fácil. E, no entanto, talvez devesse utilizá-la mais: afinal sempre muda a cara do blog, e pode dar a conhecer coisas interessantes a quem porventura ainda as não tenha visto.

Falar do Scolari? Não, decididamente não. Este blog há muito que se afastou da discussão dos temas do nosso portuguesíssimo quotidiano, político ou não. Já há por aí muita gente a opinar, uns bem, outros menos bem. Não é esse o meu caminho, embora possa sempre haver uma ou outra excepção. Qual é então o meu caminho, perguntará quem ler. Espero encontrar uma resposta...

Podia ir buscar umas imagens bonitas e refrescar a vista de quem por aqui passa. Demasiado fácil? Bom, mais fácil, reconheço, é não fazer nada.

À medida que escrevo, tento decidir se espeto aqui uma imagem a acompanhar o arrazoado, ou mesmo um vídeo sacado do You Tube. Anda não me decidi. Caramba, isto é uma espécie de "blog em movimento", com o hipotético leitor a acompanhar em directo e quase ao vivo as também hipotéticas intenções de quem publica! E esta, hein?



Lá está a tal foto. Por acaso não caíu do nada: tratando-se de uma rua no centro de Cascais, vai acompanhar um texto que escrevi há uns anos:


Avenida de Sintra

Em direcção ao centro de Cascais,
Pura abstracção em cada movimento,
Só a guitarra diz aonde vais,
Só o baixo te guia o pensamento.

Passa o jipinho preto de uma tia,
Mais o BM novo em cinza prata,
Mas tu só vês o som da bateria
Marcando a tarde na medida exacta.

Mesmo ao teu lado arranca a carripana
Recheada de corpos sem contrato,
Teclado obreiro sem fins-de-semana
Entre o dó sustenido e o sol barato.

A voz é de um cristal já meio rouco,
Quase a partir ou, quem sabe, a chegar,
E em qualquer árvore há sempre um ramo louco
Que te apetece ser, mais que alcançar.

Ainda é cedo p’rá hora de ponta,
Quando o trânsito dói e desatina.
No teu andar a música desponta
Como uma brisa azul, quase divina.

Na Avenida de Sintra a tarde avança
Vestida de silêncio, e tu lá vais
A conduzir o discman da esperança
Em direcção ao centro de Cascais.


Bom fim de semana!
Discman? Hmmm... isto tem mesmo uns anitos...

31 de ago de 2007

Bom fim de semana com Skunk Anansie - Tracy's Flaw, Live @ Pavarotti & Friends





Aditado em 6 de Setembro de 2007: Pavarotti deixou-nos. Ficam a sua voz, as suas canções, as suas interpretações em tantas e tantas óperas, o seu génio.

Fica, aqui ao lado, com Meatloaf,
Torna a Sorrento.


14 de ago de 2007

Tristeza

Quem tem animais de estimação sabe até que ponto nos podemos afeiçoar a eles. Sabe como eles se podem afeiçoar a nós. A dedicação, o carinho, a companhia, a brincadeira, os pequenos pormenores quotidianos, o riso, o temperar dos dias, o hábito da espera, da carícia, a certeza de que podemos contar com eles na alegria e na tristeza... tudo isto e muito mais.

Pode também saber o que significa a perda de um animal a que nos afeiçoámos.

Perdi há dias a minha gatinha favorita, a Pretinha, uma gata (preta, como o nome indica) de tamanho pequeno, uma companheira inigualável, que era considerada e tratada como um membro da família. Viveu pouco mais de dois anos. É pouco. Foi pouco.

Não tenho disposição para blogues, nem para nada. Não sei quando voltarei a ter. Impôs-se-me hoje contar-vos isto.

Sobra apenas tristeza, uma infinita tristeza. E alguma raiva.

Não quero dizer mais. Não posso dizer mais.

6 de ago de 2007

Foi há 62 anos

A Rosa de Hiroxima

Pensem nas crianças

Mudas telepáticas

Pensem nas meninas

Cegas inexatas

Pensem nas mulheres

Rotas alteradas

Pensem nas feridas

Como rosas cálidas

Mas oh não se esqueçam

Da rosa da rosa

Da rosa de Hiroshima

A rosa hereditária

A rosa radioativa

Estúpida e inválida

A rosa com cirrose

A anti-rosa atômica

Sem cor sem perfume

Sem rosa sem nada

Vinicius de Moraes

28 de jul de 2007

Um doce fresquinho

Por sugestão da Gi, uma pequena receita adequada à época.

Primeiro, faz-se um

Granizado de limão (para 4 pessoas)

* 4 limões grandes e sumarentos
* adoçante artificial
* água fria

Raspar um pouco da casca de limão (apenas a parte amarela) e espremer todos os limões.
Juntar ao sumo e às raspas um pouco de adoçante e água fria, para obter uma limonada de sabor intenso, tão doce quanto se desejar.
Deitar numa cuvete. Introduzir no congelador até ficar com a consistência de granizado.

E agora, o

Icebergue de frutas



Ingredientes para 8 pessoas:
* 1 Kg de fruta tão variada quanto possível
* 1 litro de granizado de limão
* 1 cálice de kirsch
*
um pouco de natas batidas ou merengue para adornar (facultativo)

Preparação:
1.
O granizado de limão, previamente preparado, retira-se do congelador para que descongele um pouco, mas apenas o necessário para poder ser trabalhado.
2. Descascar a fruta, extraír os caroços e cortá-la em pedaços pequenos. Se houver melão, ou melancia, fazer bolinhas com a colherzinha especial. Procurar obter contrastes de cores :)
3. Regar a fruta cortada com o kirsch.
4. Numa forma alta e estreita, ir colocando camadas alternadas de frutas (separadas por classes ou misturadas, conforme se preferir) e de granizado de limão, comprimindo um pouco para que não se movam (o granizado tem de ter uma consistência bem forte). Começar e acabar com uma camada de granizado.
5.
Colocar a forma no congelador e deixar gelar por completo.
6. Para desenformar, passar rapidamente a forma por água morna e deitar sobre um prato de servir fundo.
7. Para servir, salpicar o icebergue com "flocos de neve" (nata batida com um pouco de açúcar e merengue, se se preferir).


Espero que seja suficientemente doce, suficientemente fresco, e do vosso agrado. Fora do vulgar não será muito, mas enfim... BOM APETITE!

19 de jul de 2007

Para quem está de férias


Neste ou noutro cenário, e que importa é a boa companhia, uns petiscos, descanso, tempo para não fazer nada ou fazer o que se quer....

Para vocês que estão de férias...


BOAS FÉRIAS!

7 de jul de 2007

Mais maravilhas

Em dia de escolha das novas sete maravilhas, não da blogosfera mas do mundo, constato que há muito por onde escolher. Se fossem os horrores, infelizmente também haveria, mas deixemo-nos disso. E os vencedores são... ora, já todos sabem quem foram, não é? Só para contrariar, e para ilustrar como as escolhas são difíceis, aqui está uma que não foi eleita:


Castelo de Neuschwanstein, em Schwangau, Alemanha



A Dulce Pontes compôs um hino interessante e aguentou-se bem à bronca com o José Carreras. Gostei de os ouvir.

No outro lado, o LiveEarth faz os possíveis para nos lembrar da Terra que queremos deixar "To our children's children's children", como referia o título de um velho (já!...) álbum dos Moody Blues.

Palavras e factos sobre Portugal, no programa das Sete Maravilhas, que nos recordam o muito que temos de bom. Sim, temos. E tanto para aproveitar, melhorar, corrigir, criar, e tão pouca vontade, tão poucas condições, tão pouco tempo... Há quem possa e não faça. Há quem queira e se veja entalado num quotidiano onde não sobra tempo para nada. Há quem consiga libertar-se, à custa de horas de descanso, e aja. São poucos, para tanto que há a realizar.

O mesmo posso dizer sobre a Terra que os nossos filhos, e não já os nossos bisnetos, encontrarão daqui a uns anos.



E mais não digo. Mudemos de onda, mas continuando a falar de maravilhas.

É tempo delas. Há quem goste, há quem deteste. Não vou dar-vos uma receita de sardinhas assadas, isso toda a gente sabe fazer! Optei por estas


SARDINHAS NO FORNO


Ingredientes para 4 pessoas:

* 8 sardinhas grandes
* 2 cebolas
* 2 dentes de alho
* 2 tomates maduros
* 1/2 dl de azeite
* 1/2 copo de vinho branco seco
* bastante salsa
* um pouco de pão ralado
* umas gotas de vinagre
* 1 colher de sopa de ervas finas
* um pouco de pimentão doce
* 1 limão

Preparação:

1. Limpar as sardinhas, tirando-lhes ou não as cabeças, conforme se preferir. Temperá-las levemente com sal e pimenta e regá-las com limão.
2. Pelar os tomates, extraír-lhes as sementes e cortá-los em pedacinhos.
3. Descascar e picar as cebolas e os alhos; misturá-los com o tomate; juntar-lhes as ervas finas.
4. Cobrir com esta mistura o fundo de um prato de cerâmica ou vidro que possa ir ao forno; dispor por cima as sardinhas, sem que fiquem unidas.
5. Regar com o vinho e algumas gotas de vinagre.
6. Polvilhar com a salsa picada e o pão ralado; regar com o azeite.
7. Levar a forno suave durante cerca de 15 minutos, regando as sardinhas, de vez em quando, com o seu molho. Retirar quando a superfície estiver ligeiramente gratinada.

E está feito. Parece-vos bem? A mim, parece. Delicioso. Por isso,

BOM APETITE, ao som de Where Have All The Flowers Gone e de Pete Seeger.

30 de jun de 2007

As ... maravilhas da blogosfera

Quero agradecer à minha amiga Capricórnia a amabilidade de ter nomeado o meu blog para as

Fico feliz e comovido por ver que o meu espaço é apreciado por alguém cujo blogue, que frequento regularmente, é uma das minhas referências na blogo.

De acordo com o regulamento deste concurso, competir-me-ia deixar aqui as minhas sete nomeações. Não vou fazer nada disso, por absoluta impossibilidade de escolher apenas sete blogues. As minhas maravilhas da blogosfera são os espaços que visito e onde comento com regularidade e que, com as suas características próprias e o seu conteúdo diversificado, me ensinam coisas, me divertem, me contam histórias, me dão a ler prosa e poesia, me mostram belas imagens, me fazem ouvir excelente música, enfim, me mantêm preso à blogosfera numa espécie de ritual quase diário, do qual já não posso prescindir.

É desnecessário indicar os títulos desses blogues: estão bem à vista, ali na coluna da direita, sob a rubrica Outros Títulos. São todos eles uma maravilha, e espero que se mantenham vivos e de boa saúde, para minha satisfação.

25 de jun de 2007

FRAGMENTOS: Cafés e afins por onde passei, convenientemente suspensos no tempo e no espaço para que possa visitá-los quando me apetecer.


CAFÉ TROPICAL


O Tropical era um café de casais. De casalinhos, melhor dizendo. Não sei se ainda é, nem sequer se ainda existe, e não vou preocupar-me em descobrir. Está suspenso no tempo e nos espaço, isso é que importa. Área diminuta, mesas indicadas para duas pessoas e respectivas sebentas, que o Tropical era também um café de estudo. Muitas vezes lá vi estudar futuros assistentes, professores catedráticos e, pelo menos, um Reitor.

Logo pela manhã, já havia quem aparecesse para o pequeno-almoço e uma sessão de livralhada. Mais tarde, a sagrada hora da bica, a conversa em dia, o namoro. Claro que havia mesas ocupadas só por uma pessoa, ou por três ou quatro, mas era raro. Como disse, o Café Tropical fazia-se a dois. Meia de estudo, meia de conversa, galões e tostas mistas, e assim escorria a tarde e se despovoava temporariamente o café.

A alma do Tropical era o Sr. Mário, um empregado de mesa baixinho e de cabelo muito preto, do qual o Zé Manel dizia, com certeira crueldade, que tinha um tamanho de pé igual à distância que ia do dito pé ao joelho. O Sr. Mário, omnipresente, solícito, amável, talvez mesmo em demasia, com o tempo já conhecia as preferências de cada cliente, de modo que os comes e os bebes pareciam materializar-se nas mesas, como que por milagre, ainda antes de serem pedidos. De mesa em mesa, eclipsava completamente o vago casal de donos plantado atrás do balcão, ainda que este se situasse uns dois ou três degraus acima do plano onde repousavam as mesas. Um dia alguém descobriu que o Sr. Mário jogava futebol de salão. Inimaginável! Parece que era guarda-redes, e é tudo o que posso adiantar, já que nem sequer faço ideia de quem e como descobriu o segredo.

Sento-me numa noite de Verão na pequena esplanada, a mesa preenchida sobretudo por imperiais e garrafas de cola vazias, porque o Coutinho dissera adeus à cerveja e às outras bebidas alcoólicas, mas acompanhava garbosamente os bebedores atacando cola atrás de cola. O Coutinho mais velho, que parecia ter surgido do nada na esplanada do Tropical e era, evidentemente, irmão do Coutinho mais novo, um anarca que conseguia escandalizar até os menos impressionáveis, como quando interrompeu um discurso solene numa Assembleia, pouco depois do 25 de Abril. Dizia o orador que o país estava em festa, que a Assembleia estava em festa, e o Coutinho mais novo dispara:

- Então, Sr. Presidente, estamos em festa... e não se fode???

Era meio maluco, o Coutinho mais novo. Ou parecia.

Tanto cá fora como lá dentro, as mesas eram quase sempre ocupadas pelas mesmas pessoas. Uma espécie de lugares cativos, embora às mesas da esplanada abancassem grupos maiores, que era preciso fazer render o espaço. Ali mesmo ao lado da esplanada do Piolho, onde também havia habitués, tudo isto sem grande necessidade daquilo a que, anos mais tarde, se chamaria fidelizar a clientela...

Apareciam panfletos nas mesas. Comunicados e tarjetas, que não se sabia de onde vinham, mas surgiam sempre. E também se cozinhavam lá bastantes. Por isso, regularmente, o café recebia a visita de agentes e informadores da PIDE, que era suposto passarem despercebidos, mas que todos reconhecíamos, notas fortemente dissonantes naquele ambiente quase familiar. Por essas e por outras, nem todas as noites de Verão eram calmamente passadas na esplanada do Tropical. Como aquela em que fomos a uma manif contra a guerra colonial, lá para os lados do bairro do Marechal, “Abaixo a guerra colonial, abaixo a guerra colonial!”, e vem de lá o corpo de intervenção e começa a exercer a sua função de malhar a eito, e a manif dispersa para se reorganizar um pouco mais tarde e mais adiante, em correria encabeçada por um rapaz de bóina à Che Guevara, com estrela vermelha e tudo, que quanto mais fugia, mais gritava: “Recuar é ceder, recuar é ceder!”

De bóina também entrou o Colega Bento na aula de um catedrático de extrema-direita que “as massas” decidiram boicotar. Muitas vezes subimos o passeio em frente à Associação, em amena conversa, o Colega Bento e eu. Mas, naquela manhã, ao lente não lhe terá caído bem a bóina invasora, e assim começou a invectivar o prevaricador:

- Ó meu amigo Che Guevara! ...

Não teve tempo para mais, que logo o Colega Bento lhe atirou:

- Che Guevara fosse eu, que você já não estava aqui a dar aula nenhuma!

Foi expulso da faculdade, o Colega Bento. Pois. Fora da faculdade também andou o Veiga, que um belo dia apareceu no tribunal para assistir ao julgamento de meia dúzia de manifestantes apanhados à má fila vestindo, ele Veiga, blusão e calças Levi’s vermelho vivo, complementando a fatiota com óculos escuros e... bengala!

- Ó Veiga, mas que vestimenta é essa???

- Pá, a PIDE anda atrás de mim, isto é um disfarce, que te parece?

Pareceu-me que, minutos depois, um pide se chegou ao Veiga e, com um risinho trocista:

- Então, Sr. Veiga, por aqui?

“Audácia, meus senhores, sempre audácia!” – era o lema do Veiga. De facto...

O juiz que presidia a esse julgamento era já velhote e comia uma papa qualquer durante as audiências, para gáudio do público. Às tantas só deixavam entrar estudantes de Direito, e nunca se viram tantos cartões da respectiva faculdade na mão de tanta gente, passados de dentro da sala de audiências para fora numa espécie de multiplicação divina. Dizia um advogado de defesa: “Com este juiz tem que ser assim, vénia para a direita, vénia para a esquerda, coice para ambos os lados!” Também bebia uns copitos, o advogado, mas nunca perdia o norte, apesar de chamar sistematicamente chefe ao subchefe da PSP que lá estava a fazer número de testemunha de acusação.

- Chefe não, Sr. Dr., Subchefe...

- Sr. Chefe, eu sei porque o trato assim, e o senhor Chefe também...

Soube mais tarde que o Chefe tinha sido despromovido por se espetar ao volante de um 115, de modo que o advogado de defesa lá tinha, de facto, as suas razões...

Passados largos anos, voltei ao Tropical, e quem haveria de me atender? O Sr. Mário, evidentemente. Também ele parecia suspenso no tempo e no espaço, sem sinais de envelhecimento, o cabelo sempre muito preto - quem sabe se o pintava? Para meu espanto, chamou-me pelo nome. Tratou-me como se ainda ali tivesse estado no dia anterior. E foi exactamente o que me pareceu.

17 de jun de 2007

Palavras...


À procura das palavras


I

Subi então até à raíz do poema

e aí encontrei uma flor petrificada.

Olhei em volta, à procura das palavras

que pudesse comprar a minha sede:

- Era um deserto de nervos

Com margens de sangue

A paisagem na raíz do poema - eu.

Murmurei vagamente uma oração antiga

E quase me desfiz em pó de tanto olhar

E me arder a vista atroz, incendiada, no crepúsculo

inigualável. Silêncio e mais silêncio.


II

A água corria, corria por entre as pedras,

levava no corpo destroços de cidades,

laranjas esquecidas na penumbra,

raparigas ironicamente vestidas, vestidas de verde,

raparigas-água impressionantes, sorridentes.

A água corria e era muita e era bela. Levava

A palavra procurada, a palavra do poema

algures no corpo, recatada e mansa, talvez adormecida.

Eu sabia apenas que entretanto amanhecera.


III

Tenho sede. Ergo-me de repente e abandono

o amável leito de todos os dias. Veloz como

o navio que sabe seguro o porto, ganho

o espaço ritual que me separa de mim.

Tenho sede. O meu pulso é algo de concreto e latejante,

assim me sinto e reconheço, à procura das palavras

na raíz incandescente do poema - eu.

São de pedra as cidades, são enormes e movem-se

no ritmo lógico em torno dos meus ombros.

A flor petrificada olha-me heroicamente, meigamente,

o seu espanto é de carne rigorosa. Tem cinco pétalas

azuis emocionadas, inscritas pouco a pouco nos meus olhos

maravilhosos de ironia, incrivelmente densos.


(1978)

12 de jun de 2007

Parabéns, Luis!

Pois é, parece que foi ainda ontem que aqui coloquei um certo post de parabéns, e eis que chegou a hora de comemorar de novo a data!

Luis, para ti um enorme abraço. Um Feliz Aniversário, mas sobretudo muitos, muitos anos felizes, a fazeres aquilo de que gostas, com as pessoas que escolheres, com alegria e saúde.

Muita música! Que essa guitarra nunca se cale e esse talento para compor cresça cada vez mais.



À falta de outras, ponho a tocar aqui ao lado a You, dos Neverend. A tua/vossa You, de que todos por cá tanto gostamos.

O restante pessoal da casa associa-se a este post e respectivo conteúdo. Estamos contigo, hoje e sempre, para o que der e vier. E que venha o que mais desejes.

Muitos, muitos beijos.

PARABÉNS!!!!!!!!!

4 de jun de 2007

Old Friends

Simon e Garfunkel e Old Friends/Bookends, ao vivo no Central Park.
Fiquem bem.
Boa semana!