Aliencake

Foi numa tarde de sábado, de encontros, reencontros e desencontros, de estreia literária e café, tudo prolongado em noite, jantar e mais café, ficando no entanto curto o tempo. De súbito, aparece-me pela frente um bolo com a minha cara. Um bolo com rosto de Alien. Olhei-o uma e outra vez, e só não me belisquei porque dói um bocado, convenhamos. Mesmo a aliens. As pessoas cantavam os parabéns e batiam palmas, eu ouvia e agradecia, mas mal tirava os olhos do bolo. Fizeram-me pegar nele com uma mão, perante a apreensão de alguns circunstantes, e conduzi-lo, ou deixar que me conduzisse, à mesa improvisada. Vivendo desde sempre em terrível dúvida sobre a minha origem e condição, houve um instante luminoso em que tudo se revelou. "Sou um bolo, afinal sou um bolo!" - exclamei para mim mesmo, entre alguma perplexidade e o alívio de uma certeza há muito tempo aguardada. Foi sol de pouca dura. Lá tive que partir o bolo. Lá tive que me cortar à faca em fatias que rapidamente desapareceram. Ao que parece, estava bom, eu. O facto é que, apesar disso, ainda estou vivo. Não serei, então, um bolo? Serei apenas a recordação dele? Felizmente, a fotógrafa estava lá. Serei assim talvez a fotografia de um bolo. Há piores destinos. Há piores fins de tarde-noite de sábados de lançamentos de livros, encontros, reencontros, desencontros, jantares, cafés, aniversários e ainda mais. Muito, muito piores, garanto-vos.

7 de mar de 2008

A mancha azul a várias mãos

Um dos desafios a que respondi foi transformado pela LOLA noutro desafio: a continuação do texto de que publiquei apenas uma pequena parte já escrita (ver dois posts abaixo, "Desafios").
Eis o resultado das respostas ao desafio, sendo que o texto pode considerar-se concluído, mas pode igualmente considerar-se aberto a novas continuações. Quem colaborou teve esse mérito.


A mancha azul

Altamiro olhou-se ao espelho, confirmou o penteado e ajeitou o nó da gravata de seda cinza. Gostou do resto que viu: o fato escuro de bom corte, a camisa de alvura imaculada. Estava já a voltar-se quando reparou que algo não batia certo. Passeou o olhar pelo espelho, e por fim descobriu: uma pequeníssima mancha azul no limite direito do espelho, situada exactamente ao nível do quarto botão, a contar de cima, da camisa branca. Altamiro desviou o olhar para a camisa e observou-a com atenção. Não viu mancha nenhuma. Considerou de novo o espelho, afastando-se ligeiramente para a direita. A mancha continuava no mesmo sítio, mas parecia-lhe agora um minúsculo sorriso azul. Disfarçado de mancha. Já um tanto irritado, recuou três passos e fitou o espelho. O sorriso lá estava. Girou cento e oitenta graus sobre o pé direito, fez uma pausa de três segundos e completou o círculo. Quando levantou os olhos, lá estava a mancha. No mesmo ponto rigoroso.

Iam sendo horas. Altamiro colocou a carteira e as chaves nos bolsos do costume e saíu. Desceu os dois lanços de escadas que o separavam da rua e percorreu distraído os cento e vinte metros até ao café. Como sempre, sentou-se ao balcão e pediu uma bica cheia. Enquanto a beberricava, arriscou uma olhadela furtiva ao espelho atrás do balcão. A mancha lá continuava. Azul. Voltou a fixar-se na camisa. Branca. Só branca. Pediu um copo de água e, quando o empregado o trouxe, perguntou-lhe se lhe notava algo estranho na camisa. Que não, respondeu o Lázaro.

Altamiro levantou-se e saíu. A paragem ficava quase em frente. Atravessou a rua mesmo a tempo de apanhar o quarenta e seis e sentou-se no primeiro lugar vago que se lhe deparou. Notou ao lado a presença de um companheiro de viagem habitual, com quem nunca falara. Provavelmente, era também uma pessoa reservada. Deixando-se embalar pelo movimento sincopado do autocarro, Altamiro recostou-se no assento e suspirou. Fechou os olhos e concentrou-se na escuridão, preparado para o trajecto até à baixa. Não excessivamente longo, aliás.

(A continuação da Lola)

Caminhou na sua marcha regular, de passos rítmicos, na postura elegante do costume.
Olhou para a montra, à sua esquerda, mas não viu os modelos que se alinhavam nas poses estranhas, habituais. Ficou petrificado a olhar para a mancha azul a sorrir-lhe descarada. Experimentou deslocar-se, mas a mancha, teimosa, movia-se com ele. Perturbado, acelerou o passo, a afastar-se o mais possível da imagem provocadora.
Entrou no Banco 3 minutos depois das 08.00h e enfrentou o olhar surpreendido dos colegas: Era sempre o primeiro a chegar. Dirigiu-se, cabisbaixo, à secretária e ligou o computador: Já temia encontar a mancha azul à sua espera e ela não o desiludiu.
Procurou a caneta Mont Blanc modelo Greta Garbo de que tanto gostava, e finalmente descobriu: a imagem sorridente, azulada, era o reflexo da pérola na ponta do clip que segura a caneta, que, inadvertidamente, guardara no lugar do lenço...

(A continuação da Nnannarella)

Inesperada, porém, fora a forma como reagira à descoberta: ter deslindado a estranha ocorrência deixara-o como que prostrado numa indefinível e desconfortável sensação de vazio. Afinal, a alegada mancha azul modificara-lhe a manhã; mas, afinal, não era nada de extraordinário que lhe mudasse realmente a ordinária e ordenada vida : não passava de um reflexo.
A colega de turno, ao lado, reparara na sua apatia. Ouviu-a perguntar se se sentia bem. Manteve-se calado, sem o menor estremecimento, adivinhando-lhe os lábios e as unhas cor de sangue de boi, os brilhozinhos e as maçãs do rosto salientes pela magia das sombras duplas. Mais reflexos.
Àquela hora, projectava-se sobre a gigantesca vidraça o halo luminoso de um sol a crescer. Percurso breve, pois que os prédios em frente cedo cerceariam o reflexo da estrela.
Apercebeu-se do burburinho em volta, cochichos, olhares de soslaio, clientes que se dirigiam à saída olhando constrangidos para trás, para ele, estático, dorso aprumado, olhos fixos na glacial solidão de um ecrã onde dali a pouco se reflectiriam as gigantescas memórias de um computador.

(A continuação da Vanda)

Por fim, tentando aparentar o seu ar eficiente e pró-activo de todos os dias, carregou com o indicador direito no velho e já desgastado botão do computador e alisando a gravata, sentou-se...
... Digitou a password e enquanto distraído, olhava para o programa informático onde lançava os cheques sem provisão, repentinamente percebeu que enquanto acreditou estar a ser alvo de uma mancha azul, a vida lhe tinha parecido bem mais surpreendente e vibrante!
Agora que o mistério tinha sido desmitificado...o dia parecia-lhe mais pobre...
Até o sol já cerceado pelos prédios, o tinha abandonado...
Suspirou, introduziu mais um código e pensou: dê lá por onde der, preciso de um novo azul na minha vida...
Na véspera, já tarde, tinha estado num chat e alguém usava o nick "azul infinito"... sorriu.


Muito obrigado por terem aceite o desafio que, repito, continua em vigor...


2 de mar de 2008

Desafios (continuação)

Isto de desafios tem que se lhe diga...

Houve, surpreendentemente, quem respondesse a ambos os desafios que passei, apesar de eu próprio não lhes ter respondido da forma habitual...

Reconheço mesmo que a minha resposta ao desafio da MJF foi demasiado críptica, e vou emendar isso neste mesmo post, talvez agora, talvez em aditamento - o tempo é que manda.

Entretanto, já destaquei no texto apresentado no post anterior DOZE PALAVRAS DE QUE GOSTO. Não posso dizer que sejam as minhas palavras favoritas, porque não tenho doze palavras preferidas, nem mesmo uma: tudo depende do texto, do contexto, do momento, da disposição, enfim, de muitos pequenos pormenores e factores, e creio que o mesmo se passará com toda a gente. Porém, naquele texto, a Nnann Arella Musashi quase acertou nas doze palavras de que mais gosto, daí que onze das palavras que escolheu façam parte das que assinalei.

O meu muito obrigado a quem respondeu aos desafios e, já agora, atenção a este interessante desafio inventado pela LOLA, que passo a transcrever:

(..... O teu texto está.....) Cheio de potencialidades e de desafios à nossa imaginação...
Sugiro que o abras á participação dos Amigos(as) que por cá passam e vejamos todos o resultado.
E eis como transformo o teu desafio noutro...:)))

E agora? Quem pega neste desafio???? Eu vou pegar... :) Mas convido todos a tentarem dar uma sequência ao texto, ou ideias para a dita.

Segue-se uma resposta mais adequada ao desafio da MJF:

Se eu fosse um mês seria... Abril
Se eu fosse um dia da semana seria... sábado
Se eu fosse um número seria... de circo
Se eu fosse um planeta seria... distante
Se eu fosse uma direcção seria... Geral
Se eu fosse um móvel seria... uma escrevaninha
Se eu fosse um liquido seria... água
Se eu fosse um pecado seria... original
Se eu fosse uma pedra seria... leve
Se eu fosse um metal seria... prata
Se eu fosse uma árvore seria... uma micaia
Se eu fosse uma fruta seria... oferecido em cestas
Se eu fosse uma flor seria... um cravo
Se eu fosse um clima seria... de inquietação
Se eu fosse um instrumento musical seria... uma guitarra
Se eu fosse um elemento seria... perturbador
Se eu fosse uma cor seria... vermelho
Se eu fosse um animal seria um... um gato
Se eu fosse um som seria... o da guitarra de Jimi Hendrix ou de Paco de Lucia
Se eu fosse uma canção seria... Song for the asking
Se eu fosse um estilo de musica seria... difícil de escolher
Se eu fosse um perfume seria... discreto
Se eu fosse um sentimento seria... impossível
Se eu fosse um livro seria… um tratado
Se eu fosse um lugar seria ... imaginário
Se eu fosse um gosto seria... a sal
Se eu fosse um cheiro seria… a chuva
Se eu fosse uma palavra seria… palavra
Se eu fosse um verbo seria... no princípio
Se eu fosse um objecto seria… infeliz
Se eu fosse uma peça de roupa seria... sobretudo
Se eu fosse uma parte do corpo seria… as mãos
Se eu fosse uma expressão seria… algébrica
Se eu fosse um desenho animado seria… o Papa-Léguas
Se eu fosse um filme seria… de Fellini
Se eu fosse uma forma seria… a de juntar palavras
Se eu fosse uma estação seria… ferroviária
Se eu fosse uma frase seria… “O fortunatos nimium, sua si bona norint, agricolas!”, logo seguida por “Sabes tu, Gonçalo Nunes, de quem é este castelo?”