Aliencake

Foi numa tarde de sábado, de encontros, reencontros e desencontros, de estreia literária e café, tudo prolongado em noite, jantar e mais café, ficando no entanto curto o tempo. De súbito, aparece-me pela frente um bolo com a minha cara. Um bolo com rosto de Alien. Olhei-o uma e outra vez, e só não me belisquei porque dói um bocado, convenhamos. Mesmo a aliens. As pessoas cantavam os parabéns e batiam palmas, eu ouvia e agradecia, mas mal tirava os olhos do bolo. Fizeram-me pegar nele com uma mão, perante a apreensão de alguns circunstantes, e conduzi-lo, ou deixar que me conduzisse, à mesa improvisada. Vivendo desde sempre em terrível dúvida sobre a minha origem e condição, houve um instante luminoso em que tudo se revelou. "Sou um bolo, afinal sou um bolo!" - exclamei para mim mesmo, entre alguma perplexidade e o alívio de uma certeza há muito tempo aguardada. Foi sol de pouca dura. Lá tive que partir o bolo. Lá tive que me cortar à faca em fatias que rapidamente desapareceram. Ao que parece, estava bom, eu. O facto é que, apesar disso, ainda estou vivo. Não serei, então, um bolo? Serei apenas a recordação dele? Felizmente, a fotógrafa estava lá. Serei assim talvez a fotografia de um bolo. Há piores destinos. Há piores fins de tarde-noite de sábados de lançamentos de livros, encontros, reencontros, desencontros, jantares, cafés, aniversários e ainda mais. Muito, muito piores, garanto-vos.

8 de abr de 2006

Hoje, vá-se lá saber porquê, apetece-me pôr aqui o princípio do Manifesto Anti-Dantas...



MANIFESTO ANTI-DANTAS E POR EXTENSO

por José de Almada-Negreiros

POETA D'ORPHEU, FUTURISTA e TUDO



Basta pum basta!!!

Uma geração que consente deixar-se representar por um Dantas é uma geração que nunca o foi. É um coio d'indigentes, d'indignos e de cegos! É uma resma de charlatães e de vendidos, e só pode parir abaixo de zero!

Abaixo a geração!

Morra o Dantas, morra! Mão.jpg (2277 bytes)Pim!

Uma geração com um Dantas a cavalo é um burro impotente!

Uma geração com um Dantas ao leme é uma canoa em seco!

O Dantas é um cigano!

O Dantas é meio cigano!

O Dantas saberá gramática, saberá sintaxe, saberá medicina, saberá fazer ceias pra cardeais, saberá tudo menos escrever que é a única coisa que ele faz!

O Dantas pesca tanto de poesia que até faz sonetos com ligas de duquesas!

O Dantas é um habilidoso!

O Dantas veste-se mal!

O Dantas usa ceroulas de malha!

O Dantas especula e inocula os concubinos!

O Dantas é Dantas!

O Dantas é Júlio!

Morra o Dantas, morra! Mão.jpg (2277 bytes)Pim!

................ ................... ...................

6 de abr de 2006

Mais uma canção de Kurt Weil

Para os apreciadores, Lotte Lenya canta mais uma vez Kurt Weil, agora a Bilbao Song.
Daqui a uns dias será tempo de mudar a música, pois claro.


5 de abr de 2006

Lá se foi o Benfica

Lá, marcam-se penalties (e ficam cantos por marcar). Cá, não. O Simão falha. O Eto'o não. E assim se faz a história. Será que o Barça precisava destas abébias? Talvez não, mas teve-as. E mais algumas oferecidas por jogadores do Benfica em noite menos inspirada. Enfim.... Espero que a Cristina, a Caracolinha e mais benfiquistas não estejam muito tristes. Para o ano haverá mais - acho eu.
Quanto aos catalães, fico com a lembrança de Manuel Vásquez Montalbán, um catalão que considera ("As Termas") que os seus conterrâneos afirmam ser os únicos que trabalham a sério, sendo que a norte da Catalunha são todos madraços e a Sul são todos bandidos. Ou vice-versa, não me lembro bem :)

3 de abr de 2006

Moçambique em 5000 palavras

1. Chitas, algures no Parque da Gorongoza
2. Baía de Pemba
3. Miúdos de Pemba
4. Baixa de Maputo
5. Pôr do sol em Maputo







Prova de que hoje fiz um post / é este poema de Robert Frost

The Road Not Taken

TWO roads diverged in a yellow wood,
And sorry I could not travel both
And be one traveler, long I stood
And looked down one as far as I could
To where it bent in the undergrowth;
Then took the other, as just as fair,
And having perhaps the better claim,
Because it was grassy and wanted wear;
Though as for that, the passing there
Had worn them really about the same,
And both that morning equally lay
In leaves no step had trodden black.
Oh, I kept the first for another day!
Yet knowing how way leads to way,
I doubted if I should ever come back.
I shall be telling this with a sigh
Somewhere ages and ages hence:
Two roads diverged in a wood, and I-
I took the one less traveled by,
And that has made all the difference.