Aliencake

Foi numa tarde de sábado, de encontros, reencontros e desencontros, de estreia literária e café, tudo prolongado em noite, jantar e mais café, ficando no entanto curto o tempo. De súbito, aparece-me pela frente um bolo com a minha cara. Um bolo com rosto de Alien. Olhei-o uma e outra vez, e só não me belisquei porque dói um bocado, convenhamos. Mesmo a aliens. As pessoas cantavam os parabéns e batiam palmas, eu ouvia e agradecia, mas mal tirava os olhos do bolo. Fizeram-me pegar nele com uma mão, perante a apreensão de alguns circunstantes, e conduzi-lo, ou deixar que me conduzisse, à mesa improvisada. Vivendo desde sempre em terrível dúvida sobre a minha origem e condição, houve um instante luminoso em que tudo se revelou. "Sou um bolo, afinal sou um bolo!" - exclamei para mim mesmo, entre alguma perplexidade e o alívio de uma certeza há muito tempo aguardada. Foi sol de pouca dura. Lá tive que partir o bolo. Lá tive que me cortar à faca em fatias que rapidamente desapareceram. Ao que parece, estava bom, eu. O facto é que, apesar disso, ainda estou vivo. Não serei, então, um bolo? Serei apenas a recordação dele? Felizmente, a fotógrafa estava lá. Serei assim talvez a fotografia de um bolo. Há piores destinos. Há piores fins de tarde-noite de sábados de lançamentos de livros, encontros, reencontros, desencontros, jantares, cafés, aniversários e ainda mais. Muito, muito piores, garanto-vos.

26 de nov de 2006

Até sempre, Mário!



Morreu hoje, aos 83 anos, Mário Cesariny de Vasconcelos, o poeta, o pintor, o maior nome do surrealismo em Portugal. Da sua vasta e polifacetada obra, que abarcou mais que a literatura e a pintura, deixo dois exemplos, em homenagem ao Mestre.





You Are Welcome To Elsinore

Entre nós e as palavras há metal fundente
entre nós e as palavras há hélices que andam

e podem dar-nos morte violar-nos tirar
do mais fundo de nós o mais útil segredo
entre nós e as palavras há perfis ardentes

espaços cheios de gente de costas
altas flores venenosas portas por abrir
e escadas e ponteiros e crianças sentadas
à espera do seu tempo e do seu precipício

Ao longo da muralha que habitamos
há palavras de vida há palavras de morte
há palavras imensas, que esperam por nós

e outras, frágeis, que deixaram de esperar
há palavras acesas como barcos
e há palavras homens, palavras que guardam
o seu segredo e a sua posição

Entre nós e as palavras, surdamente,
as mãos e as paredes de Elsenor

E há palavras noturnas palavras gemidos
palavras que nos sobem ilegíveis à boca
palavras diamantes palavras nunca escritas
palavras impossíveis de escrever
por não termos connosco cordas de violinos
nem todo o sangue do mundo nem todo o
amplexo do ar
e os braços dos amantes escrevem muito alto
muito além do azul onde oxidados morrem
palavras maternais só sombra só soluço
só espasmo só amor só solidão desfeita

Entre nós e as palavras, os emparedados
e entre nós e as palavras, o nosso dever falar

27 comentários:

Teresa Durães disse...

uma homenagem a um grande homem!

Boa noite
Beijo

pintoribeiro disse...

Que se enterre. Pronto. Sorry, não gosto do tipo. Um abraço Alien, boa noite.

Diana F. disse...

Um dia ... tudo acaba.
Um Grande Poeta, na verdade.
Também coloquei uma poema de Cesariny, no Braganzzzzza, de que gosto muito.

________________________________
Alien8,

Experimente lá este endereço
http://gabbly.com/http://mrdoc2006.blogspot.com/

se quizer saber mais vá ao ContraCapa.

Um beijinho e Boa Semana.

pintoribeiro disse...

Bom dia, abraço,

Anônimo disse...

beijo-TE.



_____________________



pela música pelo texto por tudo.



isa.

Tuche disse...

Excelente homenagem.

Beijos e bom dia amigo :)

Rosalina disse...

Nana Mouskouri...já não ouvia há tanto tempo. em sintonia com tudo. o tempo...os factos. a vida.

boa semana.

Lola disse...

É dificil comentar a morte de um Imortal.
Mas é bom reler a poesia e revisitar a pintura do Mestre

Beijo

Lola

Alien8 disse...

Teresa,
Sobretudo, a uma grande obra!
Boa noite,
Um beijo.

Alien8 disse...

PR,
Como escrevi atrás... e no teu blog... uma grande obra.
Um abraço.

Klatuu o embuçado disse...

Bem lembrado.

Alien8 disse...

DianaF.,
Haha, um chatzinho! Já tinha visto no CC, e pode muito bem ser que experimente, logo que descubra como funciona. Isto é, abri a página e ainda não vi lá ninguém... :)
Obrigado pela dica.
Um beijo.

Alien8 disse...

Isabel,
Um beijo para ti.

Alien8 disse...

Tuché,
Obrigado, amiga!
Um beijinho e uma boa semana!

Alien8 disse...

Rosalina,
Assim é :)
Boa semana!

Alien8 disse...

Lola,
Um beijo para ti, apenas...

Alien8 disse...

Klatuu,
Obrigado, seja bem-vindo!

Bandida disse...

dever. falar.



ainda que em silêncios.





______________________________

Alien8 disse...

Bandida,
Ainda que em silêncios, sim.
Boa noite!

Castor (moi-je...ehe, ehe) disse...

Não conhecia a sua obra mas, apesar de tudo, reconheço grandeza em todos os homens que são (e mesmo os que se julgam) poetas. Não é fácil sê-lo ou admiti-lo nos dias que correm...e muito menos viver esse sentir de alma grande!

pintoribeiro disse...

Bom dia, Alien. Abraço,

Josefa Pacheca Pereira disse...

Amem-me em vida, esqueçam-me em morto. Triste história triste a dos tristes tugas tristes.
Bom dia.

Mendes Ferreira disse...

ATE SEMPRE........ALIEN.




___________
___________


!

Alien8 disse...

Castor,
De acordo.
Obrigado pela visita e comentário!

Alien8 disse...

Pinto Ribeiro,
Outro para ti.
Boa noite!

Alien8 disse...

Josefa,
E três tristes tigres :)
Boa noite!

Alien8 disse...

Isabel,
Até já!!!