Aliencake

Foi numa tarde de sábado, de encontros, reencontros e desencontros, de estreia literária e café, tudo prolongado em noite, jantar e mais café, ficando no entanto curto o tempo. De súbito, aparece-me pela frente um bolo com a minha cara. Um bolo com rosto de Alien. Olhei-o uma e outra vez, e só não me belisquei porque dói um bocado, convenhamos. Mesmo a aliens. As pessoas cantavam os parabéns e batiam palmas, eu ouvia e agradecia, mas mal tirava os olhos do bolo. Fizeram-me pegar nele com uma mão, perante a apreensão de alguns circunstantes, e conduzi-lo, ou deixar que me conduzisse, à mesa improvisada. Vivendo desde sempre em terrível dúvida sobre a minha origem e condição, houve um instante luminoso em que tudo se revelou. "Sou um bolo, afinal sou um bolo!" - exclamei para mim mesmo, entre alguma perplexidade e o alívio de uma certeza há muito tempo aguardada. Foi sol de pouca dura. Lá tive que partir o bolo. Lá tive que me cortar à faca em fatias que rapidamente desapareceram. Ao que parece, estava bom, eu. O facto é que, apesar disso, ainda estou vivo. Não serei, então, um bolo? Serei apenas a recordação dele? Felizmente, a fotógrafa estava lá. Serei assim talvez a fotografia de um bolo. Há piores destinos. Há piores fins de tarde-noite de sábados de lançamentos de livros, encontros, reencontros, desencontros, jantares, cafés, aniversários e ainda mais. Muito, muito piores, garanto-vos.

7 de dez de 2007

Segundo Plano

I

Devia haver uma linha

Um traçado

Lógico honesto prático

Rápido

Uma margem de coisas distintas

Distantes

Uma regra segura um sorriso

Uma nuvem

Uma tarde inesperada um concerto

Um conceito

O lugar de uma escrita bastante

Um anel

Que se ouvisse uma fonte um rumor

Uma voz

Haver o plano de todos

Os planos

Das coisas rigorosas porém

Sem limites

O espectro da cor a palavra

Que nasce

A cidade que fosse e viesse

E vivesse

O mar que adivinha o salgado

O azeite

A ternura ondulante o silêncio

Absoluto

Como coisa guardada

Na mais antiga ponte

História extraordinária

Do futuro

Como pedra rasgada

Pela bruma

Jardim real

Partidas e chegadas

Braços em ângulo recto

Farolins


II

.................................................
.............................................
................................................
.............................................
...................................................
.................................................
........................................
...









20 comentários:

hora tardia disse...

OURO.






*



Ouro.


*



(e sei que outras palavras mais doutas dir�o o que eu n�o digo mas levo...)


beijo*.

Alien8 disse...

Hora tardia,

Vermelho fico eu :)

Obrigado!

Um beijo.

wind disse...

Deixaste-me sem palavras!
Não me vou armar em pseudo intelectual e dissertar.
Está simplesmente soberbo!
Parabéns e continua a mostar-nos a tua belíssima escrita:)
Beijos

Gi disse...

devia haver!

devia haver tamb�m continua�o desta disserta�o

esque�amos todos os planos e fiquemos pelo mais importante deles todos. O plano da vida.

deixaste aqui tudo o que � preciso para o construir

A m�sica diz o qu�o fr�geis somos. planeamos mal.

Um beijo

Alien8 disse...

Wind,

E tu a mim :)

Obrigado.

Um excelente fim de semana e um beijo para ti.

Alien8 disse...

Gi,

A continuação seria o segundo plano, que devia haver...

A música explica alguma coisa, como bem notaste.

O plano da vida... planeamos mal ou não podemos planear? Tentar, podemos.
Até onde?

Por essas e por outras, devia haver um segundo plano...

Bom fim de semana.

Beijos.

Lola disse...

Alien

2004.

Todos os planos , II plano.

A tua fantástica magia a brincar com as palavras.

O Poema.

Belo.

Beijos

mjf disse...

"partidas e chegadas....braços em angulo reto...."
Lindo, magistral,emocionante.
Adorei
Beijos

Alien8 disse...

Lola,

2004? :)

Já vi que gostaste!

Brincar com as palavras, sim, mas a sério :) Ou mais ou menos...

Beijos.

Alien8 disse...

MJF,

Obrigado!

Um beijo.

Teresa Durães disse...

deve haver um canto um espaço
escondido
onde nos sentemos

gostei bastante
beijo

Alien8 disse...

Teresa,

Ou isso, ou isso :)

Obrigado!

Um beijo.

P.S.: Estive um destes dias no teu blog e não havia comentários para ninguém, pelo que te deixei um recado na caixa de comentários do meu post anterior. Agora já vi que a situação mudou :)

PintoRibeiro disse...

Devia, Alien.
Abraço.

Alien8 disse...

Pinto Ribeiro,

Pois.

Um abraço para ti também.

Mocho Falante disse...

Esta originalidade é de nos deixar sem fôlego

parabéns

abraços

sonia r. disse...

Se fosse assim tão fácil.
Bom dia Alien.

Alien8 disse...

Mocho Falante,

Obrigado.

Um abraço.

Alien8 disse...

Sónia R.,

Exacto. Se fosse. E porque não?

E porque sim? ...

Boa noite, abraços para todos lá no blog.

Teresa Durães disse...

ó Alien distraído, já cá tinha vindo :)

continuo a gostar mesmo com o passar do tempo
beijos

Alien8 disse...

Teresa,

Tens toda a razão. Mea culpa, minha distracção.

Mas gostaste, e isso ´r o que me importa :)

Um beijo.