Aliencake

Foi numa tarde de sábado, de encontros, reencontros e desencontros, de estreia literária e café, tudo prolongado em noite, jantar e mais café, ficando no entanto curto o tempo. De súbito, aparece-me pela frente um bolo com a minha cara. Um bolo com rosto de Alien. Olhei-o uma e outra vez, e só não me belisquei porque dói um bocado, convenhamos. Mesmo a aliens. As pessoas cantavam os parabéns e batiam palmas, eu ouvia e agradecia, mas mal tirava os olhos do bolo. Fizeram-me pegar nele com uma mão, perante a apreensão de alguns circunstantes, e conduzi-lo, ou deixar que me conduzisse, à mesa improvisada. Vivendo desde sempre em terrível dúvida sobre a minha origem e condição, houve um instante luminoso em que tudo se revelou. "Sou um bolo, afinal sou um bolo!" - exclamei para mim mesmo, entre alguma perplexidade e o alívio de uma certeza há muito tempo aguardada. Foi sol de pouca dura. Lá tive que partir o bolo. Lá tive que me cortar à faca em fatias que rapidamente desapareceram. Ao que parece, estava bom, eu. O facto é que, apesar disso, ainda estou vivo. Não serei, então, um bolo? Serei apenas a recordação dele? Felizmente, a fotógrafa estava lá. Serei assim talvez a fotografia de um bolo. Há piores destinos. Há piores fins de tarde-noite de sábados de lançamentos de livros, encontros, reencontros, desencontros, jantares, cafés, aniversários e ainda mais. Muito, muito piores, garanto-vos.

25 de abr de 2008

25 de Abril - 34 anos depois




Podem chamar-lhe golpe de Estado, Revolução, golpe de Estado que passou a Revolução, Revolução incompleta ou traída, o que quiserem – os factos serão sempre os mesmos.

Quem me faz companhia neste espaço conhece perfeitamente o que era o ANTES e o que foi, e é, o DEPOIS. Por isso, dispenso-me de enumerar factos e mudanças, avanços e recuos.

Em vez disso, apetece-me HOJE, dia em que se cumpre mais um aniversário do 25 de Abril, pensar (e convidar-vos a pensar) no que será o AMANHÃ. Esta questão levanta uma série de perguntas que não posso deixar de fazer. Assim, por exemplo:

- A democracia em que vivemos tem conteúdo real?

- A justiça social está a ser, de facto, construída?

- Estamos a dar o nosso melhor ao país que é o nosso? Estamos, ao menos, a dar “qualquer coisinha”?

- A economia portuguesa é saudável? Viável? Está a caminho do crescimento, ou do abismo?

- A corrupção e as fraudes financeiras de toda a ordem são fenómenos passageiros?

- Estamos, como sociedade, mais preocupados com a solidariedade ou com o individualismo, ou seja, com as nossas próprias pessoas e bens? E como pessoas, como indivíduos, o que nos preocupa?

- Aonde nos conduzirá (e aos nossos filhos, e aos filhos dos nossos filhos...) o caminho que estamos a seguir?

- Em que lugar nos inserimos no espaço europeu e na “aldeia global” de que tanto se fala? E onde queremos inserir-nos?


Chega de perguntas. De acordo com a reflexão de cada um, que cada um actue para conseguir a mudança que achar conveniente. Que actue muito, pouco, o que puder e quiser, se o achar necessário. Que o faça pelas inúmeras formas possíveis.


Por mim, estou convencido de duas coisas essenciais:


- A mudança é necessária e urgente.

- Somos perfeitamente capazes de a assumir e de a concretizar, por muito que não dependa apenas de nós.



A todos, um bom 25 de Abril.

33 comentários:

PintoRibeiro disse...

Lúcido. Mas eu sou um céptico e duvidei sempre do sucesso de um golpe de estado militar. Ao certo, a coisa continua a descambar.
Um abraço Alien.

Alien8 disse...

Pinto Ribeiro,

Procuro ser lúcido. Percebo a tua dúvida, evidentemente. E concordo com a conclusão. Vamos lá por vias diferentes, é certo, mas vamos.

Um abraço a ambos.

Anônimo disse...

"Não o prazer,
Não a glória,
Não o poder:
a liberdade,
unicamente a liberdade."

Fernando Pessoa

Boas dicas para reflexão as que aqui deixas .

Um beijinho

(não existe a opção do cubo para o fazeres basta que cliques no meu cubo onde diz "slide" (canto inferior direito) , depois sempre que quiseres tens que o ir buscar ...

Alien8 disse...

"Anónimo",

E a "dica" do Pessoa, que te agradeço, vem mesmo a propósito.

Obrigado pela outra dica, a do cubo. Mas... Já agora, vou buscá-lo como?
Clico, uso o que lá está, junto imagens e copio o código?

Um beijo.

Um beijo.

Alien8 disse...

"Anónimo",

Ok, quanto ao cubo, era assim mesmo :)

Muito 0brigado!

P.S.: Foi uma opção que já existiu? DE algum lado terá vindo...

bettips disse...

Habituei-me a ver um bichinho verde a sorrir, já há muito tempo, muito mesmo! Preservando-me de (des)ilusões, deixei andar, ia lendo, vendo.
Hoje digo-te OBRIGADA.
Fizemos, fazemos, faremos!
25 de Abril, as portas que nunca serão fechadas. Basta que o meu filho não tenha tido a guerra no horizonte (nasceu depois...). Basta que a Liberdade fale e passe por aqui e ali, já poucos lembram o que era viver sem ela.
Abraços

Gi disse...

Consegui-o como te ensinei num blogue argentino, quando consultava a opção também não estava lá. Existem outros ( com a opção de transparência) aqui
http://www.picturetrail.com . faz coisas giras, de vez em quando uso mas já esgotei a minha quota "grátis" ... :)

beijinhos

Vanda disse...

Alien,


Um bom 25 de Abril para ti também!

Todas as questões pertinentes presentes no teu post, denunciam bem os caminhos que o nosso País de cravos tem trilhado.

Denunciam a urgência da mudança.

Como já há 2 anos denunciavam.

Mas a mudança que este país carece começará dentro de cada um de nós, silenciosa e vagarosa, só com o acordar de mentalidades, teremos a seiva criadora e salvadora do abismo social, intelectual e financeiro...

O individualismo traduz-se em egoísmo, as carencias sociais traduzem-se na indiferença pelos outros, a cobiça e a inveja (ervas daninhas em qualquer sociedade) traduz-se na sede de poder...

Quando os homens perceberem o quanto foram loucos, a sociedade acordará e será mais justa...

até lá...alimentemos o espirito e a mente, sejamos lucidos e tenhamos sempre a duvida presente, para podermos discernir o quanto nos foi dado no 25 de Abril e ao que nós viramos costas todos os dias da nossa vida, em inúmeras situações...


A mudança começa em cada um de nós.


Só assim valerá o nome.


Um abraço neste 25 de Abril, 34 anos depois.

mjf disse...

Olá!
Hoje devemos parar de nos queixar, de que as coisas estão mal, e pensar que os "politicos" que temos irão resolver os problemas...
Nós temos de agir!!!

Beijocas
Bom feriado

Lola disse...

Alien,

"A mudança é necessária e urgente."

Sem dúvida, mas é feita de pequenas mudanças, leva tempo.

Mudemos pois paulatinamente, com o exemplo, com a paixão de saber que a mudança é inevitável.

Excelente post.

Beijos vermelhos como cravos.

wind disse...

Excelente post!
Só respondo a 2 perguntas:a democracia em que vivemos não tem conteúdo real, está camuflada, para mim j+a estamos numa ditadura.
-Justiça social não está a ser feita.
Pessoalmente estou nas pessoas que me preocupo com os outros.
Beijos

Teresa Durães disse...

venho deixar um cravo e um beijo

Teresa Durães disse...

venho deixar um cravo e um beijo

PintoRibeiro disse...

Bom fim de semana, um abraço Alien.
Conquistas de Abril. O fim da Censura, pois.
http://suckandsmile.blogspot.com/2008/04/o-cinema-e-o-teatro-infantil-so.html

Vanda disse...

na na na na na na na nanananananana nana na na na na na! (isto era eu a cantar!)


:) beijo, bom domingo, Alien!

Alien David Sousa disse...

Maninho, eu não sei como era a vida antes do 25 de Abril. Quer dizer; sei!Pelo que me contaram os meus pais, pelo que li, mas não vivi essses tempos. O que te posso dizer é que temo os tempos que estou a viver agora.

Beijinhos

Alien8 disse...

Bettips,

Eu é que agradeço :)

Também o meu filho nasceu depois...

E continuo a acreditar que AQUELAS portas nunca se fecharão. E acredito mesmo que (ainda) é possível cumprir Abril, mesmo para além da liberdade que passa por aqui - o que já é muito!

Um abraço.

Alien8 disse...

Gi,

Obrigado uma vez mais, e agora também pelo link :)

Boa semana.
Um beijo.

Alien8 disse...

Vanda,

"Quando os homens perceberem o quanto foram loucos, a sociedade acordará e será mais justa..." - destaco, de entre as tuas excelentes observações, esta frase, que subscrevo totalmente.

Agradeço-te o comentário, e verifico que estamos em sintonia.

E canto contigo :)

Boa semana e um beijo.

Alien8 disse...

MJF,

Pois temos. Antes que seja tarde.

Espero que tenha passado um bom feriado, e desejo-lhe uma boa semana.

Um beijo.

Alien8 disse...

Lola,

Obrigado pelo "excelente post" (gostei mais dos teus...), e sobretudo pelos "beijos vermelhos como cravos".

Concordo: a mudança é lenta, mas inevitável. Já o Zeca Afonso cantava a "Canção da Paciência" :

Muitos sóis e luas irão nascer
Mais ondas na praia rebentar
Já não tem sentido ter ou não ter
Vivo com o meu ódio a mendigar
Tenho muitos anos para sofrer
Mais do que uma vida para andar
Bebo o fel amargo até morrer
Já não tenho pena sei esperar
A cobiça é fraca melhor dizer
A vida não presta para sonhar
Minha luz dos olhos que eu vi nascer
Num dia tão breve a clarear
As águas do rio são de correr
Cada vez mais perto sem parar
Sou como o morcego vejo sem ver
Sou como o sossego sei esperar


O ódio, no entanto, não faz falta...
Beijinhos, da cor que te agradar.

Alien8 disse...

Wind,

Obrigado!

Ditadura não diria, mas com o resto concordo...

Boa semana e um beijo.

Alien8 disse...

Teresa,

Obrigado pelos beijose cravos em duplicado :)))

Boa semana para ti. Duplamente boa :)))

Beijos.

Alien8 disse...

Pinto Ribeiro,

Há, evidentemente, uma diferença substancial entre a Censura institucional, tutelada pela lei, e actos censórios isolados, que é necessário denunciar e combater, porque constituem atentados à liberdade de expressão, e podem alastrar...
Quem alguma vez teve textos censurados (e até eu tive, e ainda devo ter por aí as provas de textos cortados na íntegra ou severamente mutilados, tudo com o carimbozinho "Visado pela Comissão de Censura"), sente um arrepio na pele quando qualquer acto de censura lhe aparece à frente. Eu, pelo menos, sinto...

Já agora, quer-me parecer que os textos que publicas no teu blog também não passariam...

Um abraço.

Alien8 disse...

Alien DS,

E tens razão para temer...
Mesmo não tendo vivido aqueles tempos, já tens uma boa ideia de como foram. Ainda bem!

Beijinhos, mana.

Teresa Durães disse...

a deixar um beijo

Lola disse...

Alien,

Gostei da tua resposta.

Tens um selo no Lola:))))

Beijinhos

e-ko disse...

o mais importante daquele dia de 1974 foi mesmo a liberdade e temos de nos manter vigilantes para que ela não se perca... todos os dias são dias para não deixar que nos tapem os olhos... todos os dias são dias de liberdade e só festejar o 25 de abril não chega!... 1/5 de portugueses que vivem abaixo do limiar da pobreza e mais 1/5 que está perto de descer do limite é um sinal de que muito vai mal na república bananeira... o resto são cantigas!

abraço duma vadia que preza a sua liberdade...

Alien8 disse...

E-ko,

Plenamente de acordo. De facto, todos os dias são dias de liberdade, e é preciso muito mais do que festejar o 25 de Abril. Os números que se referem à pobreza só podem mesmo mostrar que muita coisa está mal. Cabe-nos a todos tentar fazer com que essas coisas melhorem. Principalmente, que as pessoas melhorem...

Um abraço.

Vanda disse...

Só para te dizer que o Altamiro amanhã ;) aquele da mancha azul versão nº3, não vai por gravata e vai manifestar-se livremente pelas ruas de Lisboa...

Venham mais cinco, cantarola, ele.


eu deixo-te um beijo :)

Graça B. disse...

Alien,

Sempre me pareceu que, em muitos casos, a nossa participação pode ser efectivada a partir do nicho em que vivemos. Se cada um de nós fizer um bocadinho para lá do nosso quintalinho talvez a força do colectivo consiga manifestar-se. De outra forma não sei. Anda tudo muito ocupado com o próprio umbigo e outros - muitos mais do que parece e dizem as estatísticas - andam a tentar sobreviver.
Parabéns pelo seu post e obrigada pela música. Também é uma das minhas preferidas de entre as músicas da Revolução.
Um óptimo Dia do Trabalhador para si.

Alien8 disse...

Vanda,


O Altamiro? Vai, com certeza :)
E sem mancha!

Cantarolando essa e outras.

Beijos.

Alien8 disse...

Graça B.,

Obrigado pelas suas palavras, que estão na linha do que tentei transmitir, e acrescentam algumas verdades que não podem ocultar-se, por mais subterfúgios e discursos que se inventem.

Para si, um excelente 1º de Maio.