Aliencake

Foi numa tarde de sábado, de encontros, reencontros e desencontros, de estreia literária e café, tudo prolongado em noite, jantar e mais café, ficando no entanto curto o tempo. De súbito, aparece-me pela frente um bolo com a minha cara. Um bolo com rosto de Alien. Olhei-o uma e outra vez, e só não me belisquei porque dói um bocado, convenhamos. Mesmo a aliens. As pessoas cantavam os parabéns e batiam palmas, eu ouvia e agradecia, mas mal tirava os olhos do bolo. Fizeram-me pegar nele com uma mão, perante a apreensão de alguns circunstantes, e conduzi-lo, ou deixar que me conduzisse, à mesa improvisada. Vivendo desde sempre em terrível dúvida sobre a minha origem e condição, houve um instante luminoso em que tudo se revelou. "Sou um bolo, afinal sou um bolo!" - exclamei para mim mesmo, entre alguma perplexidade e o alívio de uma certeza há muito tempo aguardada. Foi sol de pouca dura. Lá tive que partir o bolo. Lá tive que me cortar à faca em fatias que rapidamente desapareceram. Ao que parece, estava bom, eu. O facto é que, apesar disso, ainda estou vivo. Não serei, então, um bolo? Serei apenas a recordação dele? Felizmente, a fotógrafa estava lá. Serei assim talvez a fotografia de um bolo. Há piores destinos. Há piores fins de tarde-noite de sábados de lançamentos de livros, encontros, reencontros, desencontros, jantares, cafés, aniversários e ainda mais. Muito, muito piores, garanto-vos.

25 de fev de 2009

Epílogo

Ontem à noite telefonei a Poirot. Farto de dar voltas à cabeça e de, em vão, esperar ajuda na descoberta do autor do roubo do prémio, não resisti a dar-me por vencido. O meu amigo atendeu-me com afabilidade, manifestamente bem disposto. Teria certamente acabado de beber o seu precioso cacau quente.



- Então, caro Alien, não chegou a conclusão nenhuma a partir das pistas que lhe dei? Não excluiu sequer alguns dos suspeitos, considerando a vertente dos perfis psicológicos?
- Excluí, sim, claro que excluí! Aliás, a minha grande tentação foi a de os eliminar a todos, por não acreditar que os meus comenta
dores e amigos fossem capazes de invejar, cobiçar e roubar o meu galardão. Depois pensei melhor...
- E...?
- E mantive como suspeitos a Caturra, a Santa Lizzie, a Condessa, o General Rufus e a Teresa Durães.
- Ah, e porquê, mon ami?
- Bem... os quatro primeiros por não os conhecer suficientemente bem - e, no caso da Santa Lizzie, ainda havia a agravante de ter semi-usurpado a identidade da Lizzie, que já lhe expliquei ser um dos elementos de uma trindade de duas.
- E a última?

- A Teresa Durães... enfim, pedia-me o coração que a excluísse, mas não mo permitiu a razão. É um facto que se fez passar por Criador - e aqui temos a megalomania de que me falou! Além disso, também assumiu o papel de narrador e fez uma alusão ao facto de não passarmos de marionetas manipuladas por um autor qualquer...
- Bien, bien, e desses...?
- Desses, acabei por não considerar a Caturra, por entender que não fazia sentido ter-me dado o prémio para logo mo tirar. Não é uma ave assim tão maléfica! Além disso, alguém me apontou a impossibilidade de a Caturra gravar a inscrição na pedra com o bico. Para ser justo, Poirot, usei todas as indicações que os meus comentadores e amigos me foram dando. Se alguma c
oisa consegui, o mérito não é só meu!


- Também reparei no interesse e na preciosa colaboração das suas amigas e amigos, Alien. Épatant! Olhe que poucos se podem gabar de ter amigos assim! E não ilibou mais ninguém?
- Tive que ilibar a Santa Lizzie. Afinal, é Santa, c'os
diabos, se me permite a expressão!
- Ficaram então a Condessa, o General e a sua amiga Teresa Durães...
- Exactamente. Apesar do que lhe disse sobre a Teresa, e não obstante a Condessa me ter parecido uma senhora de bem, refinada e de elevadíssima educação...
e até de me ter apoiado contra algumas pérfidas insinuações. E, finalmente, mesmo tendo em conta o meu apreço pelo General Rufus, que, é justo dizê-lo, ficou um pouco ensombrado depois de certas atitudes que tomou...
- Sei ao que se refere, caro Alien. E felicito-o pelo raciocínio. Foi quase brilhante!
- Ah, muito obrigado, caríssimo Poirot, mas não mereço! E há sempre o quase...
- E a inscrição na pedra, Alien? Lembra-se de lhe ter dito que a chave do mistério estaria também na sua intuição, que lhe segredava conter o texto gravado a "assinatura" do criminoso ou criminosa? E de ter sublinhado a expressão "no início"?
- Claro, Poirot... mas, por mais que olhasse para a pedra, nada de decisivo me vinha à ideia. E continua a não vir. Desespero, caro amigo, desespero!
- Mais non, mais non! Hercule Poirot sabe e vai ajudá-lo! Durma descansado. Amanhã de manhã passarei por sua casa, se mo permitir, e juntos resolveremos o enigma.

Despedimo-nos.

E temos assim que o Epílogo, afinal, ainda o não foi... Daí mais uma...


CONTINUAÇÃO

109 comentários:

prof disse...

Rumo ao blog
fustigada pela curiosidade mas
foi-se a esperança, lido
o último post;
lamento ter de esperar mais um dia. Nem na
dio isto acontecia. E fico à espera e nem
pio

Alien8 disse...

Prof,

:)))))

Não digo mais nada!

Bom fim de semana!

Lizzie disse...

Ai chefe, que arrependida estou de não ter ficado aí a preparar os cómodos para o novo habitante D. Nuno Álvares Pereira, então não sabe? não deu ordem para ele se juntar a nós? O NUNO...coitado do chefe, está mesmo precisado dum Sonotone.
Mas dizia-lhe eu que neste penhasco ninguém me vê, Chefe. Estou aqui de nuvem aos pés, que já estão a ficar engelhados, e o único que me viu foi um um inglês cheínho de cerveja a berrar, em pecado, pelo Manchester e uma minha homónima, a dar pontapés na água e a imitar aquela pecadora sem rumo chamada Lola Flores que era tia dum treinador de futebol que usa gel no cabelo e nas patilhas como se fosse cantar "alegrías" na Semana Santa em Sevilha.
Ninguém vai acreditar que me viram e lá se vai o meu índice de produção para a Santidade pelo Inferno abaixo.

E Chefe, uma criatura de outra comarca, um tal Alien artista, além de lhe ter passado pela cabeça, sendo eu assim tão santa a caminho do estrelato como sou,que tinha sido eu a roubar-lhe um prémio, ainda me pintou abstracta: um rectãngulo com um triângulo a fazer de cabeça na qual está um sofá e uma escada torta.
Chefe, até parece que a minha santidade se resume a não fazer nada senão trepar para para um sotão e ler a TV sete dias. Ou que só penso em descanso.
Pelo seu amor, Chefe, tem que pôr ordem nisto!
Quando alguém de jeito finalmente der por mim como vou ser chamada? Santa Lizzie do Sofá? Nossa Senhora Sentada? Virgem da Escada?

Francamente, ao lado de um pássaro rockeiro e de uma dama com peruca...parece um leilão da Christie´s...

prof disse...

Esqueci-me do ponto de espantação, no fim da frase, ali acima. E, já que cá volto, aproveito para vos convidar para um chocolate quente com chilli ou outra(s) especiarias. É para beber à lareira, que os dias esfriaram e das noites nem se fala.
Vou buscar as chávenas...
Fiquem à vontade.

wind disse...

Aguardo o desenrolar dos acontecimentos:)
Beijos

legivel disse...

... espero bem que esse tal de Epílogo, seja o tal. É que já não é a primeira vez que é referenciado em sangrentos casos que começam mal e acabam depressa ou em roubos de luva branca que antes de o ser já o eram: deliciosamente demorados, quais folhetins radiofónicos dos anos sessenta.

Vê lá se convences o Hercule - uma vez que o tens por aí, a fazer-me uma visita. É que ainda hoje estou para saber quem foi o facínora que me gamou o presunto que estava no interior de uma sandocha que levei para comer no intervalo do último Sporting-Benfica. Diz-lhe que tenho uma foto da sandocha (sem o presunto) e outras dos presumíveis criminosos. Cerca de quarenta e cinco mil. Gracias.

abraço.

Justine disse...

Juntos? Mas alguma vez Monsieur Poirot vai deixar que alguém lhe faça sombra? Ele vai ter que brilhar sozinho!Nah, acho que ainda não vai ser na próxima que vamos ter epílogo...

Arabica disse...

Alien...pois andas a aprender a arte de guionista de telenovela? :) isto não se faz, as cenas dos próximos capítulos prometem-nos justiça rápida e verificamos que até aqui a morosidade e a complexidade dos processos nos ultrapassam no tempo!

E Poirot irá mesmo aí amanhã?

Ou teria ido hoje?

Ou desistirá?

E serão mesmo os arguidos os verdadeiros culpados?

Antes de arriscar um palpite vou beber um chocolate quente com a Prof., que a noite caiu e a chuva voltou...

:)

Beijos e um bom domingo!

Alien David Sousa disse...

Bolas Maninho,estou MESMO curiosa por saber quem em o/a criminoso. Ainda bem que nunca te passou pela cabeça desconficar de mim, iria ficar muito magoada:(
Beijinhos alienígenas

Alien8 disse...

Santíssima Lizzie,

Anda mal o teu Chefe, surdinho e cego!

Nem sei se te vale a pena queixares-te a Ele...

Pois não será normal um inglês estar encharcado em cerveja e a berrar pelo Manchester, qualquer deles? :)

O Alien, aqui presente, naturalmente teve de considerar suspeita, como mandam as boas regras e o grande Poirot... já vais com sorte por estares ilibada (???)... :)

E o ET só te acrescentou o halo, o resto vem da tua bela foto, que por aqui aparece, como agora mesmo!

Só por mencionares um leilão da Christie's, aqui declaro que te prefiro Santa Lizzie do Sofá. E mais nada, que a companhia é excelente, ora essa!

A tua benção, por caridade!

Alien8 disse...

Prof,

Agradecendo e aceitando o amável convite, convido-a eu a elaborar a sua interessante tese da culpabilidade do General Rufus. Poderá fazer o favor de explicar melhor? :)

Bom fim de semana!

Alien8 disse...

Wind,

Também eu, também eu! :)

Beijinhos.

Alien8 disse...

Legível,

Este epílogo é perfeitamente legítimo, é mesmo o da Bayer! Nada de radionovelas, mas tudo a seu tempo, que o Hercule tem mais que fazer.

Por falar nisso, coloquei-lhe o teu problema e ele fez um gesto desdenhoso, como quem diz, "só 45000 suspeitos???" - mas depois lá de descoseu e declarou com toda a convicção que o autor do gamanço foi um tal Liedson, que se fartou, à pala do presunto, de correr e marcar golos. Parece que é a barra energética do homem, ou coisa assim.

Bom fim de semana!

Alien8 disse...

Justine,

Quem sabe, quem sabe? ... :)

Aquele "juntos", dito por Poirot, significa realmente "eu digo-lhe quem foi e como o fez, e o Alien ouve-me e aprende". Pois claro!


Bom domingo!

Alien8 disse...

Arabica,

Eheheh, já sinto os visitantes a bocejarem e a afastarem-se discretamente... mas as coisas levam o seu tempo, que se há-de fazer? Não vou para soluções atamancadas :) e quero dar-vos a oportunidade de acertar, se é que alguém já não acertou... Mas é preciso explicar porquê!

Beijos para ti, e também um excelente domingo!

Alien8 disse...

ManaDS,

Nunca desconfiaria de um ser extra-terrestre (exceptuando a Santa Lizzie, claro, mas essa não é um verdadeiro ET...:)

Quanto à solução do mistério, estou dependente do Poirot... Esperemos que não lhe dê para a preguiça!

Beijinhos!

Arabica disse...

Alien :)

o cacau deve estar muito forte, para te levar a ver coisas estranhas :) Que visitantes se poderão afastar neste momento de suspense? Pelo contrário: além de aqui virmos, frequentemente, ainda vamos passar a comprar a revista BLOG7DIAS, onde poderemos procurar os resumos dos capítulos anteriores e aguçarmos a curiosidade com as promessas das cenas seguintes. A verdade é que criaste aqui um enovelado de situações, que muito prazer nos tem dado.

Percebido? :)


Um beijo.

Alien8 disse...

Arabica,

Pois...pois! Olha que a BLOG7DIAS não é minha! A minha é a TELEBLOG!
Há que comprar a revista certa :)

E não, não percebi nada. Népia. Niente. Eheheheheh!

Um abraço.

prof disse...

Caro Alien, limitei-me a seguir as pistas indicadas, primeiro, por si e sublinhadas e reforçadas pelo Sr. Mustachu, digo, Poirot.
Caso queira saber como cheguei à minha teoria, basta ler o meu comentário. A solução está lá.
PS à esquerda!
Nota, não, não era uma declaração política; apenas uma adenda à informação. No meu pc o negrito quase não se vê mas a solução está no negrito, à esquerda.
Nota 2: não, não era uma afirmação racista-maternalista! Que culpa tenho eu que tenham dado esse nome ao bold?!
:-)
Boas tarde e noite de domingo :-)))

Anônimo disse...

Nem bem nem mal. Alien. Como o resto, tudo, e a merda do corpo a tornar-se um pesadelo.

Bom domingo, abraço amigo,

Spartakus,

Emma Larbos disse...

Estou a começar a não achar graça à forma desrespeitosa como por aqui é tratada a justiça e já se me eriçam as penugens das asas!
Mau, mau!
Sr. Poirot ou lá quem o senhor é (a mim parece-me só um jeitoso emproado!), se sabe quem foi o criminoso faça favor de o dizer quanto antes, que com a justiça não se brinca! Ou quererá provar o fio da minha espada???

Miguel Arcanjo

Alien8 disse...

Spartakus,

Um abraço, a ver se o pesadelo alivia...

Alien8 disse...

Emma Larbos / Miguel Arcanjo,

1) Ai, ai, que a ira do arcanjo vingador recaia sobre o Poirot, que é realmente emproado, mas jeitoso nem por isso, que eu, mísero alien, não sei de nada...

OU

2) Pffft... só ameaças vãs, Miguel!

Emma Larbos, a própria,

E tu não ajudas a descobrir o larápio, já que aí o Arcanjo justiceiro não consegue fazer justiça? :)

Boa semana!

Teresa Durães disse...

Peço desculpa pelo atraso mas na realidade fui raptada por mãos sujas de quem tentei fugir, só obtendo sucesso quase passada uma semana? E de penas danificadas que dificultaram o meu voo, esforcei-me esforcei-me e cheguei suada! Ora, deparo com a minha fotografia tal criminosa a prémio, sem licitação de uns euros pela sua captura mas ouvindo este diálogo cheguei à conclusão que ainda posso considerar haver esperança nos meus peados tal gritos de um papagaio com quem tive uma conversa interessante sobre “olá”, “és um giraço” - o dicionário não gosta desta palavra mas ignorei tal presunção, mas cheguei à conclusão que após este curto diálogo só soube falar uma estranha língua escandinava que, obviamente, pensei que dominava.

Hoje não há versos nem poetas mortos a gritarem nos livros de todas as prateleiras mas em dúvida dos culpados (que não sou), sugiro que sejam todos exterminados na forca perante uma audiência sedenta e esfomeada de um bom final.

E faltava-me desejar que houvesse muito público no dia da execução e que os espectadores recebessem esses danados com gritos de ódio.

Caturra vingadora

Alien8 disse...

Teresa Caturra,

Safa! Não fazes por menos? Uma caturrinha tão linda e bem comportada a pedir sangueira como espectáculo público???
E que se condenem os suspeitos, incluindo a Teresa, em cujo ombro vais poisar?

Decididamente, o papagaio giraço deixou-te a cabeça à roda...:)

Teresa Durães disse...

Em passos largos e em fúria por ter sido apontada como possível criminosa, Teresa Durães aparece a barafustar e à roda do blog caminhou três vezes, três vezes a gritar e disse:

- Rufus é o causador disto tudo e tenho como prova a ideia de vingança que declarou num post abaixo e se pensam que me calo por semelhante barbaridade ao equacionarem a minha integridade, manda a vontade que me ata à justiça que semelhante episódio como acabo de ler deverá ser sancionado!

Teresa Durães disse...

Ah! Vingança! E se pensam que me apanham neste ridículo blog, tereis de provar do gume da minha espada e nem pensem em ir juntar forças aos traidores de Illusio porque nada me deterá em ter em minha posse o prémio, a riqueza, o poder e a soberania por todos os reinos! Ah! Ah! Ah!

Rufus

Alien8 disse...

Teresa,

Eheheh! Também estás brava!

Já são duas pessoas a apontar o Rufus. Uma até explicou qualquer coisa, mas não pareceu a Poirot que fosse suficiente. Vou pedir-lhe para acabar com isto, e depressa!

Teresa Durães disse...

E lembrar-vos ei que o aço da espada erguida, não há inscrição em pedra que não seja gritada!

Rufus

Teresa Durães disse...

Venho aqui dizer, gritar, fazer-me ouvida que a inteligência apareceu-me nestes dias que me afastei, dias estes em que meditei profundamente em tudo o que estava errado. A luz entrou na minha mente, fui tocada pela graça dos deuses e renascida aqui voltei

(apesar de ter lambido todas as folhas largadas nestes comentários...)

Teresa Durães disse...

E relembro, relembro para todos os que me querem ouvir, que inscrita na pedra está a derradeira prova do gosto pela vingança!

Teresa Durães disse...

Já Caturra não sou! . . . À cova escura
Os culpados serão desfeitos em vento . . .
Eles aos Céus ultrajaram! E os tormentos
Que os levem para sempre cabeças decapitadas

Conheço agora que me acusou
Em prosa e verso conspurcaram o meu bom nome
Tivera o seu merecimento,
Num raio vingandor de todas as calúnias

Hão de se arrepender; os corpos quase frios
Braderão em alto
Que atrás do som fantástico de gritos:

"Difamadores foram . . . A sua culpabilidade
Mancharam a minha integridade . . .
Oh!, pura vingança, gente ímpia,
Rasga esses comentários, crê na justiça!"

Alien8 disse...

Teresa / Rufus:

Se foste tu, estás feito, ó malandro!
O aço da tua espada até vai derreter!

Alien8 disse...

Teresa,

Quem é que renasceu, foi a Caturra? :)

Alien8 disse...

Teresa / Caturra / Bocage :),

Não te preocupes, que já estás safa! Ou será que não? Eheh!

Tenho tentado rasgar os comentários, mas não é fácil, não é fácil, ó Bocage das Caturras!

Alien8 disse...

Teresa Durães, ela mesma,

Bela série de comentários!
Não provam nada quanto ao criminoso, mas não deixam de ser oportuníssimos!
Quantas mais personagens ainda irás encarnar? :)

Arabica disse...

Oh Épico dos Épicos!

Oh Drama dos Dramas!

Oh Sangue dos Sangues!

Oh Pena das Penas!





Grandiosa entrada dos personagens de novo em cena! Os panos vermelhos sussuram nomes, o zumbido da lamina da espada a cortar o ar corta-nos a respiração, as aves voam em bando em socorro da Caturra, a Condessa procura os sais, Poirot incrédulo alisa o bigode, Alien, exigente, clama por justiça!!!!!


Quem afinal vai ser "Chamado à Pedra"? :))

Alien8 disse...

Arabica,

Boa entrada, a tua!

Quem? Quem? :)))

Em breve o mistério será desvendado. Em breve :)

Um beijo.

Mocho Falante disse...

já vi que continuamos numa de mistérios, agora vou ficar aqui sossegadinho à espera dos desenvolvimentos.

Aquele abraço

Teresa Durães disse...

Mas quantas mais provas serão necessárias para que Rufus seja incriminado?? Talvez através da tortura e eu sei tantos métodos...

Lizzie disse...

Senhore padre:

Como só vêm despois pra semana sempre aqui lhe escrevo esta quê ando cá azurzuádo da minha cabeça e na posso esperáre pa missa du dumingo.

Atão veja lá vocemessê candava eu com os mês cabrestos e olhê pó penhasco, aquele que fica ao pé da Tia Maria, aquela qué irmã da Maria Flausina das Franças que se amancebô com o Chico das Bélgicas que é tio do Manel das Cebolas casado com a Júlia das Calderas, tá comprendêr quêm é? pois aí lá em cima nas alturas ê seja ceguinho se na vi uma mulhere grandi, ai tan grandi que éra, assim com uma nuvem a modos que aos pés a esperguisar-se como uma magana, a ábrir a boca toda e despois olhó pra mim e acendê-se uma luz à volta dela. Ê ainda esfreguê os olhos, tá a compreender?, mas a mulhere começou a batere as pestanas quinté parecia a Joana das pernas gordas lá daquele sítio quê lhe falê na confissão e o senhore padre ralhou comigo e com razão cas verdades sã para se dezerem.

E despois óvi umas cornetas tocando, tá a compreendere?, e uns pássaros a fazerêm barulho quinté pareciam lá as caturras da mestra de escola, aquela qué lora de Lisboa, na sê sé doutora senão. Pássaros dum cabrão o barulho que faziam!

Senhore Padre, pla saúde da minha Bia quê desde a janta quê na bebo minis.Tou-lhe a dezer quê na toco em nada.
Atão quêm seria a mulher aquela tan grandi de luzes acesas? Até os cabrestos começaram dançando nas patas detrás com as cornetas. Atão do festival da canção na era, quessas estavam dentro da televisão por baixo do naperón.
Ando magicando. Hoje nêm dormi a sesta debaixo do chaparro cá a empreender.

Ê sê ler pouco mas a mulhere tava lendo um papéle que adezia (ê copiê) Vogue... Prémio Space...Poirot Vintage ...Bocage retro-chic (terá andádo o das anedotas no chiquêro?) Paulo Bento da Cruz nº5.

Senhore Padre agradecido que me diga quêm é qué cá gosto de saber tudo o que se passa cá na terra, na é verdade? Atão pois!

Manel das Cabras Ruivas

prof disse...

Compadre Manel, isso da se faz quê cá tou com umas dorzes das cruzes que da posso riri! Mas candê li dem voz alta (qê cá, calade, da sê leri!), inté o canite sarrebolou!
Seu munte dedicade
Zé de Olhão
(aver sum dia destes voltames ao tal sítio... o melhor sará duma sexta-fêra cadepôs vamos-se confeçar do sábade)

Lizzie disse...

Compadre Zé:

Ê cá na sê que terra é essa aí do compadre que lê com os ouvidos. Ê cá se lere a falari fazme barulhos na cabêça, ai que confusão me faz.

Cá os mês canitos só se arrebolão quando as maganas das pulgas entrão no pêlo.

Agora vô à da nha Bia comeri à açorda. Despois vou à dos Vinagres, que sã primos da Arminda qué a tia daquela que engravidou na banheira do Lelo no banho de sábado, ê cá sempre óvi dezer quonde se banham garranos nã se banham galinhas, tá se ver,beber umas minis, pa saber do Bênfica.
Com os cabrestos na falo de bola queles sâ do sportingue e começamos a falari e temos o burro nas côves.

Passe bêm

prof disse...

Compadre Manel, pode da conhecer a terra mazolhe que cunhesse uma das menhores cusinhêras. Pois ê cá tameim vou muite à da Bia mas é mais por mor do xareim. Mai das vezes ela fázio com sardinhas mas cand ê vô cá ca minha Farcisca agente pedimes pa ela fazer com conquilhas. E que purfêto quele fica!.E escurrega munta bem cas minis, pô tá claro.
Olhe, de bola ê cá da percebe riã de riã (já lhe disse que tive da França?). Até ache queles deviem dar uma bola a cada um dos homes, para da garrearem tante. Tameim da são assim tã caras, o rai das bolas, ora bolas.
E com esta, vou massimbora, buber um copito de caféi com lête (iste é o queu digue à minha Farcisca).
Tenha vóssimeceia uma boa noiti.

prof disse...

desquecime de prantar o nome ali dencima: Zé de Olhão, mai conhecide por Zè Zarolhe

prof disse...

em calhande, depôs de buer as minis, atire-mó mar e digue que mempurrarem...
(eu cuide k já tou a xcruver com o acordo ortopédico)

Arabica disse...

-Eiiii!!!!
Oh compadres enganaram-se no palco!
Sim, sim, não me olhem com esses olhos de carneiro mal morto!!! Pois não vieram da parte da Camara Municipal de Alguidar-à-Cinta com o grupo coral???

Compadres olham um para o outro, sem resposta à lora platinada.

-Pois então não são vocês que têm o espectáculo amanhã?? Olhem lá bem para as cortinas vermelhas, para os veludos e para os dourados...hummm não acham que tudo isto foi montado para vocês, não???

Coompadres por fim murmuram algo...

-Diga compadre...a porta para o mini bar? é essa, homem, pois não vê??? Vão, vão lá com a paz de Deus que minis é coisa que ainda não nos falta...

(passando a mão na testa suada, depois da saída dos compadres do palco)

-Vai lá vai, estava a ver que não me livrava destes...e ainda me falta encerar todo este chão e puxar o brilho aos metais do Generalão...calhando, se me despachar cedo, ainda bebo uma mini com eles...ai não que não bebo! Água leva o regadinho água leva ao regador...enquanto leva e não leva vou falar ao meu amor...

Alien8 disse...

Mocho Falante,

Já não tarda...
Abraço!

Alien8 disse...

Teresa,

Eu ainda não vi aqui quase nenhumas... :)

Alien8 disse...

Caro Alien,

De visita ao seu notável blog para saber das novidades e desenvolvimentos do mistério (cuja solução ambos já conhecemos, mas que ainda não divulgou às amigas e aos amigos que aqui comentam (isto vai assim por causa de uma coisa que li de uma Prof...), dou com uma série de personagens em diálogo estranhíssimo, numa linguagem com desvios que me soaram semelhantes aos do meu Inglês e termos que desconheço totalmente... Que é isso de minis?
Alguma nova espécie de tisana? E cabrestos, cabrões, e algo que apelidaram de Poirot Vintage sem minha licença...

Mon ami, esta sua caixa de comentários anda mesmo estranhíssima, é Hercule Poirot quem lho garante!

Confesso que não percebi nada daquela conversa, mas talvez o caro Alien possa um dia destes elucidar-me. Nem conheço esse tal Xico das Bélgicas, e porventura deveria...

Já identificar o Sr. Manel e o Sr. Zé de Olhão, que são aquilo a que chamam compadres, é tarefa que me ultrapassa - mas, como sabe, ninguém é perfeito, embora eu esteja lá muito perto.

Depois aparece ainda uma Arabica aos gritos e a falar outra vez nas tais minis, e começo a pensar que o amigo montou aqui uma peça para me pregar a partida... Foi isso, Alien?

Mes respects,

Hercule Poirot.

Alien8 disse...

Caro Hercule Poirot,

Aqui lhe juro que não montei peça nenhuma!

Tomaram a minha caixinha de assalto, foi o que foi! Também eu não conheço aquela gente, e tive, de início, alguma dificuldade em compreender o que escrevem, apesar da minha facilidade em assimilar todos os tipos de linguagem, própria, como sabe, da minha condição alienígena. Mas depois li em voz alta, e fez-se luz. O que ainda não percebi é o propósito de todo aquele arrazoado, mas fartei-me de rir, isso fartei - e juro-lhe que a conversa não é para os seus ouvidos!

Posso, no entanto, confirmar-lhe que as minis são mesmo uma espécie de tisana. Um dia destes dou-lhe a provar, para ver se gosta. Até tenho aqui Stella Artois, não sei se já ouviu falar...?

Xareim, conquilhas e açorda são uns petiscos que por cá se usam, e olhe que não são maus. Vão bem com as já muito faladas minis.

E agora despeço-me, caro amigo, que me apetece reler aquela conversação toda e rir-me mais um bocado. Fique com o seu cacau quente, e agradeça ter sobrevivido à experiência!

Mes salutations,

Alien8

Teresa Durães disse...

Desordeiros deste blog, eu, Rufus, poderoso e detentor de todas as terras até que o olhar alcance

nota do narrador – obviamente que o olhar alcança muito pouco demonstrando que Rufus não tem assim tantas terras, desde que Galileu afirmou que a Terra é redonda

venho aqui afirmar, sob juramento da minha espada

mais uma vez o autor salienta que a palavra de Rufus não é de confiar
que na era da Serpente, mais precisamente no dia 31 de Janeiro da maldita era cristã
entenda-se que Rufus não percebe nada da cultura cristã
venho lembrar que Teresa Durães foi a primeira a afirmar que o prémio tinha passado do prazo de validado e que seria retirado.
de novo recordo que a fluência de Rufus na leitura é muito fraca e foi o primeiro a querer acabar com a dita
Como tal, e por me ter insultado com acusações vergonhosas, um duelo será marcado ao nascer do sol no alto da montanha cujo pico toca no céu e a arma será escolhida pela mesma. Morte aos difamadores e que Trebaruna guie o meu braço para que a justiça seja feita

de novo afirmo que Rufus não percebe nada de justiça nem tão pouco de religião Lusitânia. Não passa de um gabarola sem limites

Teresa Durães disse...

Ah, ignóbil Rufus que pensas que me apanhaste perante as minhas inofensivas declarações nesse dia e mesmo sabendo que és detentor do exército de Caturras, reunirei juntamente com a ajuda do narrador um poderoso exército de Catatuas e veremos quem ri no final!

Teresa Durães

prof disse...

bom dia, podiam dizer-me se é aqui que estão a servir mines?
Andreia Vanessa

Teresa Durães disse...

Rufus dá grandes passadas em direcção a Teresa Durães, de espada em riste, não conseguido conter a sua cólera

Pensas que vais sair impune perante tal ultraje? Depois de enganares não só o detentor deste blog como todos os comentadores???

Teresa Durães disse...

Ah ah ah! Meu general de segunda! Lembra-te que o desfecho da tua história foi sucumbir à espada de Sunua! O narrador fez o seu papel e de novo o fará perante a minha insistência! E veremos que rirá!

Teresa Durães

Teresa Durães disse...

O narrador começa a ficar irritado pelas tentativas de manipulação de meros humanos. Pega na gramática e começa a estudar verbos e desta vez o verbo será proferido para que tudo volte ao início

Teresa Durães disse...

Entra Dona Ingrácia com o seu peito retumbante, batendo com as chinelas nos pés em jeito de matraquear, e com voz de peixeira de mercado e mão na anca diz

Mas que porcaria bem a ser esta por aqui? Parem com esta gritaria que a canalhada tenta dormir e vocemessês estão a dar cabo da minha paciência. Cambada de intrujões que nem respeitam esta casa de berdes e se os berros não acabam juro-lhes pela alminha da minha mãezinha que chamo de imediato o meu marido para pôr ordem neste sítio. Pensam que brinco? Que a terra coma estes meus olhos se não faço o que digo.

Em passos de gente furiosa, Dona Ingrácia vai fazer queixa de imediato ao marido

Teresa Durães disse...

O narrador, definitivamente, coloca um ar de desprezo perante a entrada de Dona Ingrácia. Nunca construiria uma personagem de tão mau gosto e rasga a página onde esta entra em cena. Quem terá sabotado o seu trabalho?

Teresa Durães disse...

Caro Alien,

Estou estupefacta perante este desenrolar de acontecimentos e sou solidária consigo no que se refere à profanação deste espaço. Tenho tentado pôr cobro a isto chamando a atenção de Teresa Durães e desse general Rufus mas, tal como consigo, ignoraram o meu apelo. Prezo o discernimento da Caturra que em jeito de poeta tem sido de uma delicadeza irrepreensível. Fico preocupada com as eventuais consequências de tal barbárie e prometo estar sempre do seu lado para combater esta sombra que em si se abate.
Com afecto,

Condessa Teresa D’Aqui e D’Além

Teresa Durães disse...

"Voem por aí" — dizem alguns com os olhos irritados
Estendem espadas seguras
De que pensa que domina
Quando dizem: "voem por aí!"
Eu olho-os com olhos assanhados,
(Há, nos olhos meus, iras e cansaços)
E em fúria estendo o bico,
E grito que não é por ali...
A minha justiça é esta:
Bicar nos malcriados!
Não deixar escapar ninguém.
— Que eu não desisto de achar o culpado
Como sempre o fiz
Não, não voem por aí! Só vão para onde
os criminosos são encarcerados...
Se o que buscam são vinganças desprovidas
Por que repetis: "voem por aí!"?

Arabica disse...

Lizete, a sehora das limpezas:


-Ora adeus!! Como vou conseguir ter o palco a brilhar para a noite da estreia com tantas penas a esvoaçar e tanta fúria a saltar dos olhos inflamados dos actores?

E nada como a fúria para os fazer escoregar, disso percebo eu...que ainda me lembro como o primo Sebastião caía redondo no chão, sempre que se deixava dominar pela fúria da razão...

Olhando para o relógio, apercebe-se que está na hora da saída. Despe a bata às bolinhas vermelhas, comprada por vaidade nos ultimos saldos, tira o lenço de seda vermelha made in china, que lhe prendia os cabelos e com mãos ásperas de lixivia e esfregão de arame, frutos de uma vida asséptica entre o Teatro e a casa de outras senhoras, sacode a sua roupa, decidida a não levar consigo penas, daquele drama a estrear à noite.

Entra decidida pela porta, onde em letras luminosas se lê: MINI BAR BOCA DE PANO, procura com os olhos os compadres , que sentados numa mesa vão bebendo mais uma mini e comendo os pasteis de bacalhau de Ofélia, a copeira, enquanto cantam:

Senhora cegonha
Como tem passado
Não há quem a veja
Voar prá Igreja
Pousar no telhado


-Atão Compadres, há lugar para mais uma??? Ah deixem-me sentar que as cruzes já não aguentam tanto show...oh Ofélia filha, traz-me uma chamuça e uma mini para mim também!!!

Lizzie disse...

Bom diá!

Pa já, vim aqui têr e tou a achar pilhas de graça!
Foi a Dádinha que me disse pa vir. Acho patusquíssimos: o Zé Zarolhe faz-me imenso lembrar o caseiro que o pai tinha na quinta de Olha- A-Gorda ao pé de S. Martinho do Porto. Era giríssimo. De morrer! Como só via dum olho, imagine, andava de ladôôôô.

O Manel das Cabras Ruivas faz-me imenso lembrar o handyman da casa da mãe na Aroeira. Era imenso místico. Via santas em tódo lado. A mulher andava imenso toda curvada, assim, tá a ver? e imagine que tinha imenso buçôôôô! Tão farrusca!

E ,sei lá,é imenso gratificante encontrar o Poirot! Pensava que já tinha morrido.Nunca mais apareceu! Ainda é imenso meu primo por parte da Tia Elizabeth, mulher do embaixador Tio Pôpô que teve imenso tempo no Egipto e foi imenso amigo do Paciente Inglês. Era básicamente... aquela tára que lia Homero e andava com a mulher morta às costas. A Tia Bibinha até lhe ofereceu o Chanel nº5 pa tirar o cheiro da morta. Por acaso nunca vi nenhuma morta com tanto glamour.Vestia Dior. Adorei conhecê-la.Um bocado calada e depressiva, mas prontos...

E tou imenso absolutamente a adorar aquele Tio Verde tão Nouvelle Vague.
Adoro seres que vestem Galliano. Giríssimoooooo! Não sei o que tá a beber. Estou morta pa expimentar.
Acho que o vou imenso convedar pá minha festa na Quinta do Ranço Amendoado.
Vai ter pilhas ele entrar a voar! Sensaçãooooouuuu! Tá a ver?

Prontos, adorei!
agora tenho marcação com a depiladora Suzie, na Isabel Queiroz do Vale! Tou morta pa saber com quem anda a Xuxu Cunha de Alcoentre e Santos Silva.
Viu no sábado? Achei o máximo!
Depois vou ter com o Gonçalo qué o meu personal trainer. Só tem 19 anos, lindo de morrer e com imensa ginástica.Não sei como se pode imenso viver sem personal trainer...

b´jinhos
Lili Malveira

Arabica disse...

Ofélia, a copeira:

Ora toma, lá está ela armada aos cucos com os compadres...tonta de mulher, toda empinocada como se fosse ela própria actriz! E lembrar-me que fui eu que meti uma cunha para ela vir limpar o pó! Até já me dá ordens " uma chamuça e uma mini"...subiu-lhe à cabeça o estatuto de técnica de limpezas, coitada, que nem tem onde cair morta! E eu com a revista aqui para ler, que ainda nem tive tempo de cuscar os blogues mais interessantes da semana, dizem que há uma muito culto, assim para o erudito, sobre natureza, onde as aves voam livres por aí, mas nem sei que aves são, se são de arribação ou de outra raça qualquer...que isto de aves, o que não faltam são espécies...
-Lizete, mulhere, toma lá a chamuça e a mini, vê lá não te enfrasques que ainda acabas pastora de cabras ruivas lá no monte do compadre...

Disso está ela desejosa, que eu já a topo...ai...por fim, posso ler a revista...ora deixa-me ver...

prof disse...

os passarinhos
tão engraçados
fazem bloguinhos
com mil cuidados

são prós amigos
que os vão ler
que até etês
vêm escrever

nos posts deixam
letras amenas
mas um ser em fúria
faz voar penas

depois lá entram
uns figurantes
baralham as folhas
nada é como dantes

nunca se faça
tal ao bloguinho,
à linda graça~
do passarinho

que nos lembremos
sempre também
do blog que temos
algures, além

Afonsa Lapa da Videira

Teresa Durães disse...

Mas que conversa vem a ser esta sobre passarada? Se há alguém entendido no assunto sou eu, pássaros passarinhos e passarões, aves de cuco e rapina
- E que tal um chumbinho para matar toda essa passarada?
- E que tal um olho zarolho para falhar a pontaria?

Claro que não é a gente da limpeza nem tão pouco as que andam aos tombos pelas tascas a beber minis que percebem disto. E Ofélias há muitas! E Ofélias há muitas!

Arabica disse...

:-D

Arabica disse...

Alien,


não era eu, Arábica quem ontem gritava e encaminhava os compadres, como hoje tens oportunidade de verificar.

Com efeito, foi tomado este meu teclado de assalto por dois seres, (garantem-me que também alados), de nome Lizete e Ofélia.

Como mera espectadora, julgo tratar-se dos bastiddores deste palco, onde confluiram dois compadres (chegados no dia errado para o sarau de Canto Coral) e duas mulheres, trabalhadoras por conta de outrem, que ali desempenham com brio e orgulho, as suas funções, embora mal pagas.

Com tanta barafunda poderia acontecer distrairmos-nos da acção central que se desenrola ao lado da pedra milenar e sob o jugo do General Rufus, mas acredito que não. Queremos a todo o custo desvendar o mistério e fazer parte do grupo de vigilantes que contra tudo e todos, patrulham as ruas desta cidade, incansavelmente, até te ser restituido o Óscar Galardão.

Tua leitora atenta,

Arábica vai com as outras

MariaTuché disse...

Voilá mon ami Alien8 :)

Então já reuniu avec monsieur Poirot???

Fico a aguardar este maravilhoso desfecho.

Beijosssss

prof disse...

Estavas, linda Ofélia,
no desemprego,
Dos teus anos colhendo amargo fruito
Daquele engano d'alma lêdo e d'ouro
Que o PS não deixou durar muito,
Contemplando os rabelos desse Douro
Dos teus fermosos olhos nunca enxuito.
Ao alien perguntando e à avezinha
o nome de quem roubara a medalhinha...
(continua)
Luísa dos Camiões

Arabica disse...

:-D

prof disse...

Non tardá nade, e se a minha noçon de volume não me está à enganarr, está o caldô entornadô, digue, o chocolat entornadô; a colune que está a descerr parra à chávená tem mum volume superior ao que aquelá ainda tem livre.
Digue eu, agorá que mais non me ocorre....
De qualquer formá, se non entornarr, significarrá que calculei mal.
Com os melhorres cumprrimentes,deste admirradorrá de Monsieur HP,
Mme de la Palissa.

Lizzie disse...

Compadre Zarolhe, o que tá fazendo aqui?

Tamêm eu...ê cá na sã as cruzis, é mais a espinela caída, como me disse o endreta.

Vá lá mais uma mini que pago eu! Atão agora...pago eu!Trago a goela sempri seca.

Quem são esta gente? Sã do teatro não? Ê logo vi.
Ê cá na gosto disto. Ná!Sã lá de Lisboa,não? ólhi, filho mê é que na andava nisto. Atão na sabe que o filho do Zulmiro, aquele que tem a oficina de mecãnico ali como quem vai pa fonti, foi pa Lisboa e vêo de lá cum brincos?
Vai mais uma mini!
Aqueli vestido de preto cu bigode, o do chapéu ó é dótor ó panelero. Atão aquilo sã modos? Bebendo chocoláte? Ah!
Atão aquela na têm mesmo cara de passaralha? Olhe lá o cabelo...que arrebitado que está...calhando besuntou a trumfa com banha, não?
atão e aquele que só têm cabeça? Tará pintado de verde pa quê?
Vá lá otra mini!
Aquela ê já conheço. Atão na tinha tecido pa saia? Olhe lá...baixando-se com o esfregão...ê lá dêxáva a nha Bia andar assim. Nem cu aquela pintura nos bêços. Parece a burra do Ti Zé.Lisete? atão o compadre tamêm a conhece?
Atão ê conheço é de a ver banhar as canelas ali no Guadiana. Vêja lá que têm um fato de banhar sem barriga...até se vê o umbigo até á nascença.
Ai mãe da minh´alma, atão aquela? olhe lá a franja. Toda de preto até ós pés. Terá morrido alguêm de pertença? Ná, atão se tivesse de luto na tava a dançar...mas dizem que em Lisboa fazem festas pós defuntos...ê cá já na digo nada.Será espanhola?
Vá lá mais uma mini.
Tenho que dezer ao dótor isto dos arrotos. Na sê do que será. Com lecença...
Vá lá más uma. Atão na tem más carreras? Tal é a porra dum cabrão agora quê na gosto de minis sózinho...boa viagem, passe vocemessê bêm.

Atão comadre Lisete, tá calor aqui não?

Arabica disse...

Ah compadre, nem me fale em calor!
São afrontamentos, disse-me a médica de família...sabe lá o que é isto...é assm um fogo que arde sem se ver, Santo Deus da minh'alma que até pareço aquele poeta muito conhecido, sabe de quem falo? Não, não é o António Aleixo, que desse por acaso até sei algumas quadras de cor, ora quer ver? Oh Ofélia, traz mais uma mini para a voz sair mais macia!

Ora aqui vai:

Vós que lá do vosso Império
prometeis um mundo novo,
calai-vos, que pode o povo
qu'rer um Mundo novo a sério.

Tá vendo compadre?

Mas o meu preferido é outro, que já mo recitava a minha avó:

Em não tenho vistas largas
Nem grande sabedoria
Mas dão-me as horas amargas
Lições de Filosofia e não é verdade compadre? ora diga lá se não é...

Mas voltando ao calor, compadre, isto é uma fornalha que me consome, às vezes até fico com falta de força nas pernas...xi...só visto, mas a doutora lá do centro de saúde diz que é normal e sendo assim, olhe compadre, até vou poupando em roupa...

Obrigada Ofélia, senta-te connosco rapariga, bebe também uma, que isto hoje deu-nos para a poesia...

Então compadre, agora cante você...
enquanto a peça não começa, tá bem de ver!

Arabica disse...

Por fim os compadres, cada um de braço dado com Ofélia e Lisete, cantam em coro:

Eu ouvi um passarinho,
Às quatro da madrugada,
Cantando lindas cantigas,
À porta da sua amada.
Cantando lindas cantigas,
À porta da sua amada.

Por ouvir cantar tão belo,
A sua amada chorou.
Às quatro da madrugada,
O passarinho cantou.
Às quatro da madrugada,
O passarinho cantou.

prof disse...

Porqué quê venhe com um trapo nos olhes, uma benagala e o canite pla trela? Ó compadre, antão aqui a Ofélia inda nã le disse? Ai compadre, fui do médique por mor das cruzes e vai daí descobri que tou a modes que com muito castrol e o marafado do dótor disse-me que minis,nem vê-las. Ora ê cá goste de cumprir as ordes do dótor. Ó rapariga, onde raio prantatastes tu a garrafa, queu tô farte de a précurar e nã dou com ela! Deixa-te de brincas, raparigas!... Cu zé sarolhe da-se brinca!

Alien8 disse...

Prof,

A minha resposta a um seu comentário lá mais acima não foi dada na altura por razões óbvias... mas dei-a agora mesmo no Regresso.

E vai mais ima mine para a Luísa dos Camiões, outra para a Afonsa dos Passarinhos, ainda uma para a Andreia Vanessa e mais uma para o compadre Zé, que lhe garanto que faz bem ao castrol!

Para a Mme. de La Palissa, vai uma chávena de cacau quente, por via das dúvidas... não vá a caneca entornar. Se bem que me pareça que há sempre quem venha impedir essa desgraça.

Para a Prof., um cafezinho e um agradecimento pela valiosa contribuição e pelas minhas gargalhadas!

Alien8 disse...

Teresa,

O narrador não é nada parvo...
Já topou o Rufus à légua. Fico à espera desse duelo, que deve ser memorável! Espero que o Rufus tenha o tal olhinho torto para falhar a pontaria... mesmo que seja à espada. Ou, como escreveu o outro... à pistola a 50 passos? Concordo com os 50 passos, mas prefiro à espada... :)

Ou então, que venha o marido da Dona Engrácia pôr ordem nesta casa! :)))

Alien8 disse...

Condessa Teresa D’Aqui e D’Além,

Agradeço a sua solidariedade! E bem preciso dela, que montaram aqui um circo que só visto... Até a sua homónima Durães vem imitar o Régio para fazer propaganda do blog! Voem por aí? Pois sim!

Ofélias há muitas, realmente...

Ah, e afinal era a Dona Ingrácia, não a Dona Engrácia, que engano o meu! Também não admira...

Cara Condessa, os meus respeitos.

Alien8 disse...

Arabica,

Mas que diabo fazem aqui a Lizete e a Ofélia a cantar o passarinho às quatro da madrugada, mai-los compadres da pinga??

E vai de quadras do Aleixo, e chamuças e pastéis de bacalhau (nham nham) e mines, e conversas que são uma pouca-vergonha, é só corte e costura, isso são lá coisas que se façam na presença da ilustre Condessa e da insigne Lili Malveira?

Bom, mas a verdade é que preencheste este longo intervalo com mais umas aquisições "por conta de outrem" muito bem apanhadas! Arabica vai com as outras? Aonde? :)

Ah, já sei, vai cantar o passarinho Às 4 da madrugada!:)

Alien8 disse...

Lili Malveira,

Aceito desde já o amável convite para a festa na sua quinta. Deve ser "imenso" original, porque sempre pensei que a caríssima Lili só ia às festas dos outros. (Eu não costumo usar aquele imenso, mas desta vez teve que ser, para garantir que percebeu a ideia).

A minha entrada vai ser ainda melhor que a da Bibá na festa do Augusto com aquele vestido tão decotado a imitar Dior que eu sei que pediu emprestado na boutique da tal Xuxu.

Tenho que agradecer as suas referências tão patuscas à minha indumentária, por isso desde já a convido para uma festa no meu domínio alienígena, onde lhe darei a provar o que ando a beber, e vai ver se não gosta!

E depois meta uma cunhazinha ao homem das fotografias para saír tudo na Cartas, que eu ando um bocadito precisado de publicidade, quero dizer, de uma operação de marketing, assim como um lifting da imagem, 'tá a ver?

Beijocas do Tio Verde (muito Nouvelle Vague e sempre Galliano).

Alien8 disse...

Mariatuché,

O melhor disto tudo está nos comentários! Até o mistério se desvanece. Mas, teimoso como sou, vou dar a conhecer o desfecho do dito, ai isso vou! Se me derem tempo :)

Beijinhos!

Alien8 disse...

Compadre Manel,

O do chapéu é doutor detective investigador, óni suá kimali pance! O de verde, não se lhe pode ver o resto do corpo, que é assim uma espécie de marciano, não sei se já ouviu falar...?

Lá os outros e as outras não sei. Apareceram por aqui sem dizer água vai, terão vindo com vocemessê à cata de minis?

Cuidado, compadre Manel, que a comadre Lizete não é para graças... veja lá com quem se mete!

E olhe, já estou como o outro, "Deixa-me rir"!

Beba lá mais uma mini à minha conta, que bem merece, p'ra molhar a goela depois de tal arrazoado.

Alien8 disse...

Agradeço a todas as pessoas envolvidas a preciosa ajuda que deram para a solução do mistério e, sobretudo, para a animação desta caixinha, que até parece mesmo coisa do teatro, e do bom. Ah, isto ao vivo devia ser bonito!!!

Prometo solenemente escrever o post final desta série logo que conseguir parar de rir, e de reler os comentários, e de rir, e de reler os comentários, e de rir, e...

bettips disse...

São 3 e tal da matina: não tenho cabeça para mais mistério. E quero pedir-te que metas uma cunha ao Monsieur: mais uma vez andei pela cara e comum amiga Arábica, que tange as cordas da poesia e prosa e fotografia Tão Bem...
e prontos, mais uma vez (e estou há horas aqui) a rede falhou ao carregar nos comentários. O gajo é meio inglês e diz unable to find server e tal. Descor'çoada, resolvi escrever-te a ti que és também de muito mistério e aloquete e te dás com a realeza e também com a ralé que lhe serve o rapé.
Olha, já desabafei.
Beijinhos para aí.
E que o mistério do freestamp se resolva a tempo de seres eleito marciano!

Teresa Durães disse...

Quando o malandro for apanhado,
Rompam aos saltos e à espadachada,
Encarcerem o culpado,
Dêem-lhe bastante porrada*!

Que a vingança é desejada
Para quem tanto acusa...
A um culpado tudo se recusa,
E ele vai ter a morte anunciada.


* bom, a palavra não é muito bonita mas rima...


* olha, olha, até rimou!

Teresa Durães disse...

Entra o marido de dona Ingrácia e estupefacto olha para o palco onde personagens entram e saem como se de circo se tratasse

Mas ó mulher, o que vem a ser esta algazarra? Dizes tu que tenho de tomar uma posição mas nesta confusão, que queres que faça? E a cambada de mulherio que anda para cá e para lá como se fosse um dia de missa? É passarada, Ofélias e compadres, são condessas e generais mais a Mme de la Palissada. Isto para mim é demais e vou-me embora antes que esta agitação se torne uma marcha politizada!

Sai o marido, e antes que o Cozinheiro, o Ladrão, a sua Mulher e o Amante dela apareçam também

Teresa Durães disse...

Baronesa de Todos os Santinhos está a chorar quando entra a moçoila a modos que espavorida

- Jesu, Jesu, que é ora isso?
É porque se descobre o malandro do prémio?

- Olhada a mal estreada
Eu hei-de chorar por isso

- Por minha alma, que cuidei
E que sempre imaginei
Que choráveis pelo ignóbil

- Por qual demo ou por qual gamo
Até amora chorarei?
Como me leixa alegre
toda eu fico regozijada

- Pois porque estais enojada?
Dizei-mo por vossa vida vossa

- Leixai-me, ora, eramá
Que dizei que os comentários vão acabar

isto continua mas o narrador ficou cansado e diz em bom som,

- Vão ler ou desgraçados!

prof disse...

Caro Alien, eu percebera que tinha percebido, aquando do seu sorriso. Só não percebi quando pediu que desenvolvesse. Agora já percebi que eu não tinha percebido que não bastava o nome porque não percebera que havia mais; por isso não percebi que mais podia desenvolver.
Percebeu :-))))
um abraço, à pressa, que tenho uma mine a aquecer....

Arabica disse...

"...Por ouvir cantar tão belo,
A sua amada chorou.
Às nove da madrugada,
a caturrinha cantou.
Às quatro da madrugada,
a caturrinha cantou..."

Arabica disse...

Alien,

pois que também não percebo muito bem a entrada cómica dos compadres e das mulheres trabalhadeiras numa peça de alto drama, mas que aconteceu, aconteceu e esta folhas aqui deixadas nunca o deixarão desmentir :))

Que mais te dizer?

Eu rio
tu ris
ela/ele ri
nós rimos
vós ris
eles riem :)

Beijos, Alien.

prof disse...

Vou-me embora, vou partir,
mas tenho 'sprança
de vir a saber o desenleio
quero rir
quero ver e conhecer
quem começou a bronca
e me fez passar
tanto tempo sem dormir....

O meu problema é : vou de pulo, ou de voo?!

Até prá semana.
Se puderem, bebam umas mines por mim :-)

Alien8 disse...

Bettips,

Podes sempre vir aqui desabafar, e tudo o mais que te apeteça :)

O desenlace está próximo, muito próximo!

Beijinhos para ti!

Alien8 disse...

Teresa Durães,

"Dêem-lhe bastante porrada*!"

Olha... "pancada" também rimava. "Dêem-lhe bastante pancada". Eheheh!

Alien8 disse...

Teresa Durães,

Fez bem o marido da Dona Ingrácia em se pôr a fanques, que isto não é lugar para o homem :)

Alien8 disse...

Teresa Durães,

Porque será que esse narrador me parece um tal Gil Vicente? :)

Alien8 disse...

Prof,

Como diz que disse? :)

Alien8 disse...

Arabica,

Ao contrário do narrador, conjugas bem os verbos :)))

Alien8 disse...

Prof,

Tem aqui umas mines guardadas, e espero que volte a tempo de ler o post decisivo... :)

Arabica disse...

Alien :) vós sabeis que o mais imoprtante pata lá do verbo é o rir? :))

Lizzie disse...

Será a santa demonizada?

Mudará El verdito de cor?

Irá a caturra à Corporacíon Dermoestética, aproveitando os últimos saldos,baixar a crista e pôr risco ao meio?

Irão os Compadres cantar jazz ao CCB?

Porá Poirot saltos altos, peruca loira, sobrancelhas em arco e cantará na Culturgest "ich bin Lili Marlene"?

Irá a pedra para a colecção Joe Berardo?

Comerá Rufus pastéis de Belém e sardinhas de escabeche?

Dançará Lisete com a esfregona, vestida de Ágata?

Comprará Lili Malveira um Dior na loja dos Chineses "Palácio Belo"?

Lembrar-se-á Lizzie de quem ainda falta?


Não perca amanhã o novo nº da Revista Caras e Coroas ao Domicílio com oferta de DVD "Mr Bean vai às compras" com Penelope Cruz e Javier Bardem,legendado em português correcto e familiar.


Bom fim de semana também para Patatita.

Alien8 disse...

Arabica,

Parabéns! Tens direito ao prémio pelo comentário nº. 100!!!

À escolha: um jarro de vinho quente com canela ou uma mini para dares à Lizete... :)

Alien8 disse...

Lizzie,

1. Não, jamais!
2. Sim, anda precisada...
3. Duvido, duvido...
4. Nunca! Ora essa!
5. Não, a colecção não é digna de tal tesouro. Ou pelo menos o coleccionador...
6. Népias! Que passe fome!
7. É uma probabilidade, sim... Lizete..?
8. Imensôoo!
9. Ah, sim, ela vai lembrar-se!
10. Por nada deste mundo - e do outro!

Bom fim de semana, um abraço dos dois.

Arabica disse...

Alien, pois que és tu que abres assim, "numa de borla", hoje o bar??? :))

Muito sensibilizada fico pelo prémio :) e já que me é dado a escolher, prefiro sem dúvida o vinho quente com canela, deixando para a Lizete & Compª todas as mines :))

- Quanto à ecolha de Ágata para a vestiota de Lizete, ela pergunta se é uma tal de ágata ruiz de la prada ;)) mas, confessa ainda, em voz já muito arrastada, que o sonho dela, desde criança é mesmo vestir-se de Mata Hari. Não só pelos calores dos afrontamentos actuais, como pelo destino que já lhe reservam de danças com a esfregona ;)))

Beijinhos e votos de bom fim de semana para a Familia ALien :)

Alien8 disse...

Arabica,

Seja, pois, o vinho quente. (Como se eu já não soubesse:)))

Quanto à vestimenta da Lizete, só mesmo a Lizzie poderá esclarecer a sua ideia... mas, cá para mim, parece-me que ela se referia a outra Ágata... mas como esta apregoa que "podes levar tudo...", a Lizete que lhe leve as criações da la Prada, e pronto!

Beijos para ti e bom fim de semana, respondem os ETs. :)

Arabica disse...

:) Ai Alien!

Obrigada!

Com este sol, tem sido um bom fim de semana, sim!

E com uma boa notícia: a Lizete e a Ofélia foram de excursão ao Norte, ver as amendoeiras em flor e não voltam tão cedo.

:) Como sabias tu que eu preferia o vinho quente? Será que os ETs têm visão raio-x? :)))

Beijos

Alien8 disse...

Arabica,

Pois têm :)))

A Lizete e a Ofélia... hmmm.... se calhar voltam mais depressa do que pensas...

Beijinhos.

Arabica disse...

Tu não me digas!!!


Lá se vão as mines dos compadres! :) e com um pouco de sorte, lá voltam a tomar conta de algum teclado menos protegido :))

Alien8 disse...

Arabica,

:))))))))))) Se calhar já viste...!