Aliencake

Foi numa tarde de sábado, de encontros, reencontros e desencontros, de estreia literária e café, tudo prolongado em noite, jantar e mais café, ficando no entanto curto o tempo. De súbito, aparece-me pela frente um bolo com a minha cara. Um bolo com rosto de Alien. Olhei-o uma e outra vez, e só não me belisquei porque dói um bocado, convenhamos. Mesmo a aliens. As pessoas cantavam os parabéns e batiam palmas, eu ouvia e agradecia, mas mal tirava os olhos do bolo. Fizeram-me pegar nele com uma mão, perante a apreensão de alguns circunstantes, e conduzi-lo, ou deixar que me conduzisse, à mesa improvisada. Vivendo desde sempre em terrível dúvida sobre a minha origem e condição, houve um instante luminoso em que tudo se revelou. "Sou um bolo, afinal sou um bolo!" - exclamei para mim mesmo, entre alguma perplexidade e o alívio de uma certeza há muito tempo aguardada. Foi sol de pouca dura. Lá tive que partir o bolo. Lá tive que me cortar à faca em fatias que rapidamente desapareceram. Ao que parece, estava bom, eu. O facto é que, apesar disso, ainda estou vivo. Não serei, então, um bolo? Serei apenas a recordação dele? Felizmente, a fotógrafa estava lá. Serei assim talvez a fotografia de um bolo. Há piores destinos. Há piores fins de tarde-noite de sábados de lançamentos de livros, encontros, reencontros, desencontros, jantares, cafés, aniversários e ainda mais. Muito, muito piores, garanto-vos.

30 de nov de 2009

Gerúndio


Reivindicando farpas descontínuas
palavras que assassinam de repente
delírios que sucedem sem sentirmos
montanhas que se viram para a gente

onde as coisas que sim onde os palácios
os amanhãs que nunca mais emergem
onde os lilases da atlântida esquecida
os desejados que não são mas parecem

semelhanças eléctricas guardadas
nos violentos armários de nogueira
espaços alternativos para o nada
silêncio e folhas e sombras e poeira

onde os metros de verde onde a coragem
as tintas como laços como nós
onde os espelhos sem o outro lado
partidos requebrados como a voz

Afugentando espécies magoadas
nocturnos afogados nas barcaças
corrimãos secos curvos agarrados
vestígios de janelas onde passas

onde as canções com claves de cristal
os paraísos vulgares essenciais
onde a sirene a sereia a sensação
de ser crepuscular ou estar a mais

comboios sem família nem destino
em movimento verde-azul visível
rasgões no espaço-tempo onde termino
a busca elementar do impossível
  
onde o sépia nas caixas de memórias
os ossos triturados pela espera
onde os cavalos de várias cores que não
o fantástico segredo da quimera

Reinventando sonhos ao quadrado
Componentes de casas interditas
Gestos ocultos no mar do meu telhado
Mapas de estradas-ondas infinitas


60 comentários:

uf! disse...

estou um pouco perdida no emaranhado de umas estradas ondas infinitas. vou andar ausente por uns tempos. deixo-lhe um abraço. Ciber, mas grande :-)

bettips disse...

Poetando
(e bem)
compondo as palavras como arranjos de japão, mais longo, mais curto, mais perto e longe
o pensando...
Gostei muito.
Bjs

uf! disse...

ainda cá volto para dizer que gosto mais deste texto do que do Borges :-)
gostei muito, mesmo.

wind disse...

Excelente poema!:)
Beijos

Arabica disse...

Alien,


eu gosto muito da tua poesia.
Gostei imenso deste (por ventura um outro teria sido destronado), gosto de todas as ideias oferecidas, do profundo onde se mergulha, no caminho traçado por ti.

Obrigada por este momento.

Em troca :)) aqui fica o meu abraço e um beijo.

Lizzie disse...

Alien:

tenho o vício de transformar, e associar, tudo em imagens na tela (ou melhor pantalla, mas é castelhano:))da minha cabeça.

E enquanto lia, Vi Goya,Vi Rembrandt, Vi Bosch...
vi um palco onde os pés arrastam como se fosse em água dura, montes de papéis, jornais, folhas, cordas e outros objectos. E nele também Vi uma barca, esse simbolo tão rico mesmo para além da mitologia judaico-cristã.

Ou seja, sugeriste-me imagens complementadas por movimentos, por encenações de um "personagem" perdido mas nunca afogado. A vaguear entre o conhecimento mais chão e óbvio e a utopia que é bem capaz de morar no outro lado, no de lá, do espelho.

E acho que não preciso de dizer mais nada:))

Um grande abraço.

Lizzie disse...

Errata em jeito de esclarecimento ou vice-versa:

"tenho o vício de transformar, e associar O QUE ME ESTIMULA em imagens"

Assim é que é:)

Justine disse...

É uma poesia "cinematográfica", a tua. E luminosa, e dura e terna. Completa.Reinventando...

Alien8 disse...

Uf!,

Desejo-lhe uma boa ausência e agradeço-lhe as referências ao texto. Fico satisfeito por ter gostado. Cuidado, que o Borges ainda lhe dá com a bengala! :)

Um abraço.

Alien8 disse...

Bettips,

Poetando, pois... :)

Gostei de que gostasses.

Aqui ou no Japão :)

Bjs

Alien8 disse...

Wind,

Obrigado.
Beijinhos.

Alien8 disse...

Arabica,

Fico a ganhar na troca :)

É bom que outros sejam destronados, quando os que os destronam são escritos mais tarde... :)

Eu também gosto muito da tua poesia, e começo a ver algo do teu desenho / pintura...

Um abraço.

Alien8 disse...

Lizzie,

Não, não precisas de dizer mais nada!

De algum modo, dançaste o meu texto, e muito bem. E mais, viste nele coisas que nem eu vi - e assim é que deve ser.

Personagem perdido, talvez. Eu diria personagem que se interroga e interroga "o mundo". Utopia sim, mas não no sentido de "aquela coisa impossível". Tal como a perfeição, a utopia, não sendo, por definição, atingível, pode e deve ser algo que se procura atingir.

Que mais? Acertaste em cheio nos pintores, sobretudo no Bosch...

Obrigado e um abraço.

Alien8 disse...

Justine,

Se leres o comentário da Lizzie, verás que o "cinematográfica" é um acrescento interessantíssimo!!!

Os outros termos que usaste são para mim motivo de orgulho, na medida em que reflectem, se não o que consigo, ao menos aquilo que tento escrever.

Um abraço.

Emma Larbos disse...

Pois é, Alien, quem tem o mar no telhado, nascem-lhe Gerúndios inesperados.
Não sou de muitas palavras para dizer quando gosto. Só que sim.

Mocho Falante disse...

Gosto deste lado meio surrealista que nos ofereces de vez em quando. Parabéns

Alien8 disse...

Emma,

Nem precisas de muitas palavras.
Obrigado.

Alien8 disse...

Mocho Falante,

Obrigado, bom feriado!

Um abraço.

Arabica disse...

Alien,

tens que escrever (ou publicar) mais, para criar uma certa tendência de despique entre eles-poemas- na luta pelo trono, está bem de ver! ;)

Obrigada, são "os teus olhos que vêm coisas", como ficou provado por este. :)

O que eu noto mais é mangas de camisolas cheias de cores que não faço a minima ideia de onde vêm!;)
Punhos brancos de blusas repentinamente com marcas de itinerário na rota das carvoarias! ;)
Mas confesso que ando apaixonada por carvões e esfuminhos e borrachas pão! :)
Deram um brinquedo novo à miúda, o que se há-de fazer? ;)

Um abraço sem medo de perder o pé no mar alto que descreves.

Alien8 disse...

Arabica,

Pois tenho... sobretudo que acabar mais. Há muita coisa a meio, como era o caso deste :)

Só te desejo que te divirtas à grande com o brinquedo novo! Os resultados serão certamente muito bons, e isso paga as contas da lavandaria :)

Um abraço.

Teresa Durães disse...

mais uma vez surpreendes-me! e de forma positiva!

beijos

Alien8 disse...

Teresa,

Eu sou assim, só surpresas :)

Beijos? Beijos? O comentário será mesmo teu? Hehehe!

Um abraço.

Alien David Sousa disse...

Uau! Sempre a surpreender maninho. ADOREI!5*****
Beijinhos allienigenas

Alien8 disse...

ManaDS,

Obrigado!

Beijinhos alienígenas.

legivel disse...

pretérito mais que imperfeito

é esse que trago cravado no meu peito
passou e não há volta a dar
dizem-me que é possível ser defeito
de não olhar p´ra trás e esperar...

esperar, esperei, mas a segunda quadra não saía nem à lei da bala, de modo que o melhor é assumir que a imperfeição das minhas rimas, não é apenas de ontem: é de hoje e de amanhã.

Para o teu poema (perfeito), parabéns.


Abraço.

Alien8 disse...

Legível,

Obrigado pelo perfeito (era bom, era...) e pelo pretérito mais que imperfeito, cuja segunda quadra se adivinha... ou não! É o diabo, quando elas não saiem! Mas uma quadra bastou para eu gostar desse pretérito.

Um abraço.

bettips disse...

Deixo aos dois um desejo imenso:
para um dia/ano
ao qual "um título qualquer serve", desde que seja de boas vontades.
Fiquem felizes!

Alien8 disse...

Bettips,

Muito obrigado, em nome de ambos.
Boas Festas para ti e um novo ano de esperança e paz.

Um abraço.

Arabica disse...

Alien,

ainda só para desejar um bom domingo.

Um abraço.

uf! disse...

tenho cá uma suspeita
- perdão, se acaso me engano
que para o nosso caro alien
o natal é todo o ano.

por isso aqui lhe deixo
votos de feliz natal novo
dou-lhe um abraço e um beijo
na páscoa trarei o ovo

Alien8 disse...

Arabica,

Obrigado.
Boa semana para ti!
Um beijo.

Alien8 disse...

Uf!,


Belos versos! Muito obrigado e um Feliz Natal para si. Se não nos "falarmos" antes, Bom Ano!

Um abraço.

Arabica disse...

Alien,


esta música leva-me à infância das minhas filhas! :) Parece que me vejo com elas ao colo a rodopiar! :) As gargalhadinhas boas delas! E eu ofegante! :))

Parece que já envelheci o suficiente para dizer e me cair bem: recordar é viver!! :))

Acho que ainda volto...


Um abraço! Dois! Muitos :))

wind disse...

Obrigada pela música do John Lennon:)
Um Bom Natal para ti e família:)
Beijos

Alien8 disse...

Arabica,

"Recordar é viver". Com certeza. Também :)

Volta!

Grandes abraços.

Alien8 disse...

Wind,

Não tens que agradecer a mim, agradece ao Johnh Lennon, que está vivo em nós.

Um bom Natal.

legivel disse...

Para ti também! e para todos os teus.

Abraço.

Arabica disse...

E volto a 24.
Não será -vendo bem- uma tradição?
Não será desses gestos reinventados no tempo, refeitos no tempo, que o tempo um dia nos pode falar? :)

AInda longe do sépia,
encoberto ainda o fantástico segredo da quimera,
e ainda assim, sempre, reinventando sonhos ao quadrado.

Perante este teu poema, mesa diferente de consoada presente,
sei que nenhum ingrediente falta, por isso, resta-me desejar-te um bom Natal, com muito amor e paz.

E que dure.

Que dure...!

Um abraço, Alien amigo.

Feliz Natal!

Alien8 disse...

Legível,

Um óptimo Natal!
Um abraço.

Alien8 disse...

Arabica,

Só mesmo tu... .)

Um Natal cheio de tudo, sobretudo alegria, junto dos teus!

Um abraço de Boas Festas, sempre.

Teresa Durães disse...

Boas festas aí para casa (gatos incluídos!)

mar disse...

Só passei para desejar a ti e a toda a tua fa mília um bom natal e um optimo ano novo


Beijos para

Alien8 disse...

Teresa,


Obrigado.
E para a tua também, cães e gato incluídos. Ah, não tens gato? Pois devias ter... :)

Alien8 disse...

Mar,

Obrigado. Bom Natal também para ti e para os teus, e um 2010 como o quiseres!

Arabica disse...

:) pronto lá voltei eu a transpor 20 anos em marcha à ré :))
Esta música é terrível :)

Bom dia! Beijinhos!

Alien8 disse...

Pois é!

Boa noite.

Beijinhos para ti, em marcha à ré :)

Mocho Falante disse...

ora viva

passei para desejar um excelente 2010

aquele abraço

Alien8 disse...

Obrigado, caro Mocho, um Bom Ano para ti também!

Um abraço.

Teresa Durães disse...

Venho desejar um óptimo Ano Novo para ti, família e gatos! Para o verdinho e o outro (que ainda me espanta... tinha uma ideia tão diferente lol!)

Bj

Arabica disse...

:-D

Então agora sem marcha à ré que nos valha ou nos impeça de ir pela noite fora, vamos lá celebrar mais um ano vivido e celebrar com esperança a chegada de um outro, ainda prometido.

Quandoa noite vier que venha :) nós cá estaremos!
:)

Um bom e bem vivido ANO NOVO, Alien, para ti e os teus (já visitei a Lola, mas incluída aqui fica também).

Venha ele ( o ano). Venham mais cinco, Zeca :)

Abraço e até para o ano :)

Alien8 disse...

Teresa,

Obrigado! Um Bom 2010 para ti, família e cães :)

O verdinho e o outro agradecem... mas sobre isso falaremos noutro local.

Um abraço.

Alien8 disse...

Arabica,

Cá estaremos, sim, e prontos para grandes e pequenas coisas. Talvez mais pequenas que grandes, mas mesmo assim preparados... :)

A Lola trabalha hoje e amanhã, para variar. Não tem tido tempo nenhum, por isso agradeço em nome dela.

E com o Zeca, escolha pensada, me despeço, pelo menos no blog, até para o ano, e que seja um excelente ano. Esperança não falta...

Um abraço.

wind disse...

Desejo-te um excelente 2010:)
Beijos

Alien8 disse...

O mesmo para ti, Wind, com um beijo.

Anônimo disse...

Lola:

Obrigada pela visita. Também venho despedir-me. O meu Pai faleceu à 1 mês e eu não tenho cabeça para nada.
Beijinhos.

KINHA

www.dossonhos.wordpress.com

Xana disse...

Sublime poesia, gostei bastante!
Excelente 2010.

Alien8 disse...

Kinha,

Um beijo para ti.

Alien8 disse...

Xana,

Obrigado!

E um óptimo 2010.

bettips disse...

Lembrei as raças humanas neste caso a propósito do Haiti e da América Latina (os cromos referem-se a essa área) tão maltratada por desastres naturais e - pior ainda - por desastres humanos.
A caderneta foi comprada em 2ª mão num alfarrabista qualquer; a minha desapareceu há mais de 50 anos... mas eu tenho a mania de perseguir sonhos e por isso a "arrematei".
Abçs

Alien8 disse...

Bettips,

Bem a propósito. Essa mania também eu tenho. Gosto de a ter :)

Abraço.