Aliencake

Foi numa tarde de sábado, de encontros, reencontros e desencontros, de estreia literária e café, tudo prolongado em noite, jantar e mais café, ficando no entanto curto o tempo. De súbito, aparece-me pela frente um bolo com a minha cara. Um bolo com rosto de Alien. Olhei-o uma e outra vez, e só não me belisquei porque dói um bocado, convenhamos. Mesmo a aliens. As pessoas cantavam os parabéns e batiam palmas, eu ouvia e agradecia, mas mal tirava os olhos do bolo. Fizeram-me pegar nele com uma mão, perante a apreensão de alguns circunstantes, e conduzi-lo, ou deixar que me conduzisse, à mesa improvisada. Vivendo desde sempre em terrível dúvida sobre a minha origem e condição, houve um instante luminoso em que tudo se revelou. "Sou um bolo, afinal sou um bolo!" - exclamei para mim mesmo, entre alguma perplexidade e o alívio de uma certeza há muito tempo aguardada. Foi sol de pouca dura. Lá tive que partir o bolo. Lá tive que me cortar à faca em fatias que rapidamente desapareceram. Ao que parece, estava bom, eu. O facto é que, apesar disso, ainda estou vivo. Não serei, então, um bolo? Serei apenas a recordação dele? Felizmente, a fotógrafa estava lá. Serei assim talvez a fotografia de um bolo. Há piores destinos. Há piores fins de tarde-noite de sábados de lançamentos de livros, encontros, reencontros, desencontros, jantares, cafés, aniversários e ainda mais. Muito, muito piores, garanto-vos.

16 de abr de 2006

Jantar de amigos

- A vida é um problema complicado - decretou Armindo o corrector, enquanto cortava com precisão mais um pedaço do rosbife à sua frente. A luz discretamente tamisada do QUATRO ASES fazia realçar a transparência do vinho no copo alto, junto ao prato.
- Não mais complicado do que qualquer outro - retorquiu Guilhermino o xadresista que, no lado oposto da mesa, se limitava a um puré de legumes e queijo de soja. Era vegetariano. E também Grande Mestre.
- Desculpem-me a interrupção - permitiu-se dizer o 'maître' com uma leve inclinação, aparecendo junto à mesa. - Mas creio dever informar os senhores que, por um engano inesperado, o chefe da cozinha deitou no rosbife a estricnina que tínhamos para usar nas ratoeiras. É lamentável. Podem crer que a casa está sinceramente penalizada com o acontecimento. - Com um sorriso discreto e compreensivo, retirou-se deslizando e desapareceu entre o ruído animado da sala.
Armindo estremeceu, contra vontade. O rosto mudou-lhe um pouco. Para verde. E arrotou.
Então teve um movimento em que parecia retorcer-se e começou a inclinar-se para o prato.
- Realmente não mais complicado do que qualquer outro - insistiu Guilhermino, enquanto desviava o copo para que o corrector não lhe acertasse com a cabeça. Levou à boca um pouco mais de puré de legumes. Com prazer.
- Queiram desculpar-me ainda mais esta interrupção - disse o 'maître', reaparecendo-lhes ao lado e inclinando-se levemente.
- Parece-me ser de minha obrigação informar os senhores que, por engano realmente impróprio, o chefe da cozinha deitou no puré de legumes o arsénico que estava destinado aos cães vadios. Permito-me afirmar que a casa lamenta, e que isto não voltará a acontecer tão cedo. - Com o sorriso discreto retirou-se, deslizando até desaparecer entre as mesas murmurantes.
Guilhermino o xadrezista ficou a olhar o espaço. Apenas a imaginar como conseguiria, só com um copo, o paliteiro e o saleiro, dar cheque à garrafa de Armindo o corrector. Então sentiu a dor que, fulgurante, lhe subia dos intestinos.
Pelo chão alcatifado começavam a estrebuchar clientes.

(Mário-Henrique Leiria, in "Novos Contos do Gin")

4 comentários:

Belzebu disse...

Nada melhor que Henrique Leiria com os seus Gins Tónicos e as nêsperas comidas pelas velhas!

Obrigado pela visita aos quintos dos infernos!

Saudações!

Alien8 disse...

Belzebu,
Foi um prazer. Bem vindo e volta sempre que te apetecer.
Saudações!

wind disse...

lololol. Como adoro estes contos. Li-os todos ainda com 18/19 anos. Há uma eternidade...:)))) beijos

Alien8 disse...

Wind,
Pois, pois... uma eternidade :)
Beijos