Aliencake

Foi numa tarde de sábado, de encontros, reencontros e desencontros, de estreia literária e café, tudo prolongado em noite, jantar e mais café, ficando no entanto curto o tempo. De súbito, aparece-me pela frente um bolo com a minha cara. Um bolo com rosto de Alien. Olhei-o uma e outra vez, e só não me belisquei porque dói um bocado, convenhamos. Mesmo a aliens. As pessoas cantavam os parabéns e batiam palmas, eu ouvia e agradecia, mas mal tirava os olhos do bolo. Fizeram-me pegar nele com uma mão, perante a apreensão de alguns circunstantes, e conduzi-lo, ou deixar que me conduzisse, à mesa improvisada. Vivendo desde sempre em terrível dúvida sobre a minha origem e condição, houve um instante luminoso em que tudo se revelou. "Sou um bolo, afinal sou um bolo!" - exclamei para mim mesmo, entre alguma perplexidade e o alívio de uma certeza há muito tempo aguardada. Foi sol de pouca dura. Lá tive que partir o bolo. Lá tive que me cortar à faca em fatias que rapidamente desapareceram. Ao que parece, estava bom, eu. O facto é que, apesar disso, ainda estou vivo. Não serei, então, um bolo? Serei apenas a recordação dele? Felizmente, a fotógrafa estava lá. Serei assim talvez a fotografia de um bolo. Há piores destinos. Há piores fins de tarde-noite de sábados de lançamentos de livros, encontros, reencontros, desencontros, jantares, cafés, aniversários e ainda mais. Muito, muito piores, garanto-vos.

29 de abr de 2006

Gambozinos e Cª:


Estou como o Mário-Henrique Leiria: não me venham dizer que não há gambozinos. O O'Neill preferiu referir-se a macacos, mas os gambozinos remetem para o fantástico e o onírico, saltam do imaginário e do fabuloso, passam pela infância e, suprema ironia, conseguem transportar alguma inocência.

Ainda por cima, o nome cheira a petisco.

Há uns muito engraçados na Televisão. Disfarçam-se de comentadores e explicam-nos as coisas, que é como quem diz ensinam-nos a pensar. Ou pensam que ensinam.

Se por acaso metem o pé na argola, dizem logo que não disseram. Ou que disseram, mas. Matam-nos de tédio muito lentamente, e gostam. Já quase não adianta o zapping: eles estão em todo o lado, invadem tudo, alastram com política correcção pelo nosso quotidiano.

No dirigismo desportivo também se encontram exemplares notáveis. O que eles gambozineiam, meu Deus! O que eles se lambuzam, reviram, atropelam na voragem delirante do pequeno poder! Dizem as maiores barbaridades com o ar mais sério deste mundo, e esperam que acreditemos. E não é que, às vezes, acreditamos? Distraídos no meio da poluição dos dias, escapa-se-nos a capacidade crítica e vamos por ali abaixo sem nos darmos conta.

E na política? Passeiam por lá, misturam-se com os políticos sérios, que também os há, e esforçam-se por saltar para a ribalta. É aí que se tramam, porque às tantas se lhes percebe a gambozinice.

A evolução da tecnologia trouxe-nos uma nova classe: os gambozinos da blogosfera. Os que vêm dizer-nos que tipo de blogues devemos fazer, quais os que não são para ler, que posts devem ser evitados. Os que estão realmente convencidos de que os blogues deles é que são bons. Os que assaltam as caixas de comentários e lá deixam lixo e complexos de todo o tipo. E por aí adiante.

O problema é que este povo foi ensinado a acreditar que não existem gambozinos. Mas a treta das partidas pregadas aos ingénuos não passa, na verdade, de um disfarce. Acreditamos em bruxas, oráculos, leaders de opinião, nulidades da TV, da Rádio, dos jornais, chicos-espertos e estúpidos, sacripantas, fala-baratos, analistas económicos, satélites do futebol e até mesmo no professor Karamba. Mas em gambozinos, não. Nem os cheiramos. Não acreditamos neles, mas engolimos o que eles pregam, desde que sejam discretos e eficazes na camuflagem.

É por isso que os gambozinos são perigosos. Há que caçá-los. Vamos a isso?

29 comentários:

wind disse...

Mais um post de crítica muito bom! vamos sim e já!:) beijos

Cila disse...

então está aberta a caça aos gambozinos;)...boa ideia!
è preciso licença...tira-se aonde na venatória????
lol....boa critica
mas conta comigo.... ;)
bj

Alien8 disse...

Wind,
Quanto mais voluntários, melhor :)
Um beijo.

Alien8 disse...

Cila,
abertíssima. Obrigado pela colaboração. E não, não é preciso licença, senão a burocracia ainda nos estragava a caçada... :)
Um beijo.

Cristina disse...

se os há Mário!... conheces algum antídoto?

lamentávelmente ainda havemos de dar razão ao outro.:) gosto de luz, mas destes faróis tenho medo, cegam.

mas como é ccomo tudo, a luz acaba por se apagar, se não for alimentada :)

beijinho grande meu querido. fica bem, se puderes, eu vou tentar.

Pêndulo disse...

Isso é bicho que se caça à bengalada ? Chama-se já o Eça.

oalcoviteiro disse...

eu num vejo televisão nem ouço essa troupe. mas na dos gambozinos alinho K'mrd Alien. abraço.

maloud disse...

A tarefa é ciclópica, mas vamos a isso. Por onde começamos?

Parrot disse...

Amigo Alien8

Podes contar comigo também, para a "caçada" mas cuidado, nada de muito esforço....talvez não mereçam a pena e o meu último passeio de bicicleta deixou-me todo “partido”.
lol

Bom fim de semana
Abraço

aikaralho disse...

aos gambozinos andamos nós. boa tarde.

Alien8 disse...

Cristina,
Antídoto não há. A não ser o tal remédio que o Paulino recomendava para as melgas: o desprezo:)
Entretanto, qua tal uns óculos escuros?
Fica tu bem. Vais ficar, com certeza.
Um beijinho.

Alien8 disse...

Pêndulo,
Regra geral, é à mocada, mas a bengala do Eça não deixaria de ser uma boa ajuda (à laia de argumentação...).
Um abraço.

Alien8 disse...

oalcoviteiro,
Já quase temos equpa, K'mrd. Quer escolher o treinador? Não, esse a quem está a chamar nomes, não!
Um abraço.

Alien8 disse...

Maloud,
Que lhe parece? Já que andamos aqui pela blogosfera, às tantas aproveitamos a pedalada. Mas é ciclópica, hercúlea, homérica e mais classicismos que nos venham à ideia. A tarefa, claro.
Bom fim de semana.

Alien8 disse...

Parrot,
Cuidado com esses passeios de bicicleta, tens que estar em forma para outras actividades... que merecem a pena, sim, senhor.
Abraço e bom fim de semana.

Alien8 disse...

aikaralho,
já vi que já começaram :)
Abraço.

oalcoviteiro disse...

num, não começamos. acabou antes de começar. nem depois de me ter obrigado a sair eu me posso defender dos gambozinos. paxiência. abraços K'mrd. como se diz na minha terra, quem não se sente num é filho de boa gente e desaforos num aturo a ninguém. vou passando.

Alien8 disse...

Ora porra! Mas, aos gambozinos, dê-lhes o que merecem, conforme meu comentário anterior: o desprezo.
Abraços, K'mrd.

Mocho Falante disse...

ui...o problema é saber por onde começar é que eles "andem" aí por todo o lado, vai ser um tarefa bem complicada, mas estou contigo

Abraços

Alien8 disse...

Mocho Falante,
Ai andem, andem :) Mas cheguemos para eles:). Senão, ai de nós!
Um abraço.

Lola disse...

Alien
Nunca me mandaram á caça aos Gambuzinos...
Mas aceito o desafio.
É já a seguir...
beijos
Lola

Alien8 disse...

Mando-te eu agora, lololol.
Vamos a isso.
Beijinhos.

LM disse...

Onde e quando?

Alien8 disse...

LM,
Pode ser aqui mesmo na blogo, já que por cá andamos, e será sempre que quiseres :)

Teresa Durães disse...

Alien8: Comparar bruxas com analistas económicos, francamente!

Caçamos os gambozinos e deixamos as bruxas em paz, então?

Alien8 disse...

Teresa Durães,
Não deixa de ter a sua razão. Mas eu também não propus a caça às bruxas, apenas disse que acreditamos nelas. E não acreditamos?

Alien8 disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Teresa Durães disse...

Claro, sempre existiram. Não são é como a Igreja Católica as descreve...

Alien8 disse...

Teresa Durães,
De acordo. A Igreja Católica "descreveu-as" a fogo.